in

Eu amoEu amo RI MUITORI MUITO Pero qué ??Pero qué ?? IrritadoIrritado

Teste: Um remédio chamado Dodge 3700 GT

Batizado de “Line 69”, o renovado Dodge Dart trazia o modelo 3700 GT, que vinha com maiores prestações.

Na produção nacional de automóveis de passageiros, o aparecimento em 1965 do Dodge dardo. Compactos nos Estados Unidos e enormes aqui, esses modelos tiveram o privilégio de serem montados em Villaverde ao mesmo tempo que em Detroit.

As vendas do Dodge Dart começaram bem, com 9.200 unidades produzidas até o final de 1966. Mas em 1967 percebeu-se que Eduardo barreiros Ele havia apostado alto e que na Espanha não havia mercado para absorver 15.000 Dodge Dart assim.

Para facilitar a saída dos 4.000 corpos contratados e ainda não comercializados, em setembro de 1968 foi realizado um redesenho. Batizado "Linha 69", O Dodge Dart renovado incluía o modelo 3700 GT, que pusemos à prova e que incluía mais funcionalidades.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
Um novo rosto. Rejuvenescimento da grade preta e faróis retangulares no Dodge 3700 GT

UM EFEITO POSITIVO

As mudanças estéticas do Desvie da “Linha 69” eles também adicionaram um design ligeiramente modificado da área traseira. Ali, duas barras cromadas paralelas visualmente uniam os grupos óticos, juntamente com um fundo preto fosco com as letras Dodge.

Além disso, toda a gama estreou uma barra estabilizadora associada à suspensão dianteira. Graças a este componente, os Dodge ficaram mais estabelecidos e melhorou significativamente seu comportamento em curva.

Por outro lado, o novo Dodge 3700 GT tinha mais potência, conseguida com o uso de um carburador Carter de cano duplo e uma árvore de cames mais rápida. Com ela, o motor 6 cilindros de 3.686 cc alcançou uma potência de 165 SAE hp em 4.200 voltas.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
Fazendo a diferença. O Dodge "Line 69" apresentava um adesivo distinto no vidro traseiro.

Mas entre o fato de serem cavalos da SAE e de o carro pesar 1.380 kg vazio, esse sedã de quase 5 metros de comprimento Dificilmente poderia ser qualificado como GT. É melhor deixarmos esse nome para Ferrari 250s e similares.

Na verdade, esse modelo foi Projetado para viagens confortáveis ​​e caminhadas fáceis. E nisso, seus maiores trunfos eram um motor silencioso e uma cabine tão espaçosa quanto confortável, além de um porta-malas em que havia até excesso de volume.

E não foi por acaso que Eduardo Barreiros decidiu construir esta viatura sob licença. Como empresário habilidoso, sabia que o mercado espanhol precisava um sedã de concessionária, tarefa que este modelo poderia assumir melhor que um SEAT 1500.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
Sob o controle da Chrysler. Já em 1969, a gigante americana detinha o capital majoritário da Barreiros Diesel SA

O DODGE 3700GT

Com um preço de 271.360 pesetasNa ausência de pagamento do Imposto de Luxo de 20%, o Dodge 3700 GT era a versão poderosa da linha. Por outro lado, o Dodge Dart GLE custou mais, pois por suas 291.840 pesetas vinha com ar condicionado de série.

Embora não se pudesse orgulhar de ser o carro mais caro da produção espanhola, um segundo lugar também não era mau. E de qualquer forma, nosso protagonista chegou com um detalhe de maior interesse: Freios a disco Kelsey-Haynes.

Graças a esses poderosos discos ventiladosEquipado com pinças de quatro pistões, o 3700 GT tinha frenagem compatível com seu peso e desempenho.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
3700 GT. A figura faz menção à cilindrada, enquanto o nome GT atende a critérios de marketing

Como se isso não bastasse, o 3700 GT equipado de série com 5 x 14 pneus de tamanho. Ainda um pouco curtos para um carro tão grande, eles eram mais adequados do que os 4,75 x 13 dos outros modelos Dodge Dart.

Aproveitando a ocasião, este suposto carro esportivo saiu de fábrica com pneus radiais 185 SR 14. Sua aderência era claramente superior à dos já ultrapassados ​​pneus diagonais, ainda padrão na maioria dos carros espanhóis.

Equipado de fábrica com teto de vinil e aparelho de som, este Dodge "esportivo" só admitia cinco ocupantes. A perda de um assento deveu-se ao fato de que a alavanca de câmbio estava no console central, mais em linha com o gosto europeu.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
Um toque de esportividade. A grade preta fosca e o acabamento 3700 GT distinguiram esta versão

Dodge 3700 GTs foram oferecidos exclusivamente nas cores da carroceria Verónica Tinto ou Almadén Prata. E também tinham vidros escurecidos, que diminuíam a entrada de calor no habitáculo e davam um certo destaque.

Outro componente oculto fornecido como padrão, mas reservado apenas para esta versão, foi a adoção de um diferencial de travamento automático. Graças a ele, as reações do eixo traseiro em pisos escorregadios eram mais fáceis de controlar.

COMECE

Antes de testar este Dodge 3700 GT e depois de ter sido sem se mover por quase um mês, Pablo -seu dono- teve que insistir no motor de partida. Algo lógico, porque a gasolina do carburador já havia evaporado e novo combustível deveria vir do tanque traseiro.

Já parado na rua deserta e com a marcha lenta acelerada pela ação do afogador, a água condensada vai surgindo no escapamento, que se transformou em vapor esbranquiçado. À medida que vários minutos se passam, uma notável qualidade do motor seis inclinado, que é sua operação equilibrada e de baixo ruído.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
Acabei de começar. O vapor de água sai da exaustão, da condensação acumulada na tubulação

Uma olhada nas rodas, onde elas brilham as calotas específicas desta série. E outro no pilar traseiro forrado a vinil, onde novamente encontro outra moldura com as iniciais GT, para lembrar caso me esquecesse.

Apurando os olhos, detalhes relacionados à empresa são descobertos Chrysler e Barreiros. Por exemplo, na zona inferior dos guarda-lamas dianteiros existem dois Pentaestrelas dourado, os pentágonos característicos da multinacional americana. E como se cada um quisesse aparecer separadamente, na tampa do porta-malas coexistem as cinco letras de Dodge e uma moldura tradicional, a dos veículos fabricados por Barreiros Diesel S.A.

Pelo contrário, afastar-se do Dodge e olhá-lo de perfil surpreende o comprimento da porta curta. Especialmente quando comparado ao comprimento exagerado dos arcos das rodas traseiras.

Sinal de distinção. No final dos anos 60, era um luxo ter um carro com teto revestido de vinil.
Sinal de distinção. No final dos anos 60, era um luxo ter um carro com teto revestido de vinil.

NA PLANÍCIE

Ainda sem pegar a estrada, o Dodge 3700 GT parece muito longo quando visto de lado e à distância. São quase 5 metros de carroceria, o que leva a pensar que será um carro difícil de conduzir.

Essa ideia também é influenciada pela espessura dos montantes traseiros, que tornar difícil ver por trás, bem como uma superfície envidraçada que não pode ser considerada generosa.

No entanto, o acesso à cabine é fácil. E uma vez instalado na parte de trás, você tem certeza de que há muito mais espaço do que você imagina do lado de fora.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
Carroceria contrastante. Nesta visão de perfil, o tamanho pequeno das portas chama a atenção em comparação com o resto do veículo.

Com Pablo como piloto e eu no banco de trás, iniciamos o teste do Dodge 3700 GT, em um passeio sem pressa. Bom conhecedor do seu carro, Pablo mostrou a suavidade que caracteriza este carro, para o qual mudou para a seguinte relação por volta das 2.000 rpm.

Naquele ritmo calmo neste 3700 GT o motor não é ouvido e apenas os assobios do ar são ouvidos ao roçar contra o para-brisa. Mesmo a 90 km / h, o motor gira a cerca de 2.200 voltas e o interior espaçoso e o conforto são apreciados por trás.

Em suma, se o motorista manejar o Dodge com delicadeza, as suspensões macias e o silêncio mecânico fazer viagens especialmente relaxadas.

LEVANTAMOS O CAPÔ

Paramos numa esplanada perto da estrada onde podemos abra o capô silenciosamente. Uma vez levantado, ele se sustenta graças a algumas práticas barras de torção.

A tigela do filtro de ar se destaca na parte superior, o que bloqueia a visão do carburador Carter BBD de corpo duplo. Em vez disso, sim longos coletores de admissão e escape são visíveis, todos os doze saindo do mesmo lado.

O compartimento do motor tem volume espaçoso para a mecânica, em que parte dos componentes são bem visíveis. Em vez disso, o distribuidor e o filtro de óleo ficam mais escondidos, do lado direito do motor inclinado 30 graus.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
Quase tudo à vista. Sob o capô, um arranjo mecânico sem segredos ocultos

De qualquer forma, a versão GLE terá um pouco mais de complexidade, por conta de sua instalação de ar-condicionado. E certamente no diesel há espaço mais que suficiente, dado o tamanho menor do mecânico C-65 de 2.007 cc e 65 CV de potência máxima.

Chama a atenção também a escassa presença de mangueiras e tubulações. E isso é alusivo a outros Simca, Talbot e Peugeot produzidos em Villaverde, nos quais os tubos de plástico mal deixavam ver o motor e seus acessórios.

SLANT SIX, UM MOTOR ELÁSTICO

O motor de 6 cilindros em linha encontrado no Dodge Dart apareceu em 1960. Instalado em um ângulo de inclinação de 30 graus para a direita, ajudou a tornar a frente mais fina e mais baixa em altura.

Com furo de 86,36 mm e curso de 104,65 mm, foi concebido para alcançar torque abundante em regimes baixo e médio. Em compensação, uma corrida tão longa faz com que sua potência máxima seja obtida em 4.200 voltas, o que limita sua capacidade de atingir altas rotações.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
Apesar de sua lenda, o motor Dodge tem um design eficiente. Um problema separado é mover seu
carroceria volumosa aumentou o consumo, como seus pares europeus de tamanho e deslocamento semelhantes

 

 

 

 

 

Por outro lado, o motor Slant Six tem um cabeçote que na época tinha uma concepção inovadora. Juntamente com o uso de coletores de admissão longos, gera ondas que otimizar o enchimento do cilindro na faixa intermediária. Graças a isso, esta usina de 3.686 cc obteve torque e consumo consideráveis ​​que foram econômicos para sua cilindrada.

Como pontos fracos, Eles destacam o quão mal ele aceita cruzeiros constantes acima de 3.500 rpm (143,5 km / h) e a facilidade com que aparecem rachaduras nos coletores de escapamento.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
Design renovado. Dentro do Dodge 3700 GT, o estilo do
painel e a presença da madeira aproximou-o do gosto europeu

MUDANÇA DE ASSENTO

Agora é hora de mudar de posição. Em vez de sentar no banco de trás, vou para o volante, em um assento individual generosamente acolchoado e estofado em vinil preto.

Os dois bancos dianteiros eles têm largura mais do que suficiente e estão separados entre si por uma consola central revestida a madeira envernizada. Por sua vez, o console possui um receptáculo válido para armazenar objetos de uso pessoal.

E em sua área anterior o relógio está embutido, localizado a apenas um pé da alavanca de câmbio. Aliás, o botão branco deste último, de formato esférico, não é original, pois tinha um preto em formato de cone invertido de fábrica.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
A elegância da madeira. O painel de madeira, combinado com
o console central e com o volante Nardi, criam um ambiente refinado

O mesmo acontece com o belíssimo volante Nardi com aro de madeira que, sim, viria depois de fábrica na geração posterior. 3700 Dodge 1971 GT.

No entanto, o volante original era pasta preta e indiscutível estilo americano. Como é lógico, vinha acompanhado do típico anel cromado concêntrico que servia -e ainda serve- de buzina.

UMA INSTRUMENTAÇÃO ABUNDANTE

Com certeza, a placa de instrumentação tem um estilo esportivo. Junto com um velocímetro muito otimista graduado para cerca de 220 km / h, ele tem um contador de voltas cuja zona laranja começa a 4.400 rpm e fica vermelha a partir de 5.200.

No lado esquerdo da tabela, estão o medidor de pressão de óleo, o termômetro de água e o nível de gasolina. E à direita do contador de voltas, um quarto relógio que avisa sobre a carga da bateria.

Em todo o caso, os mais astutos terão percebido que ambos os relógios foram feitos para que os compradores acreditassem na compra de um carro esportivo. Tanto quanto o conta-rotações alertava para a alergia aos altos regimes deste motor.

A ESTAÇÃO DE CONDUÇÃO

Para começar, o botão da engrenagem está no lugar certo. E na parte inferior do piso, os três pedais são espaçados e não causam confusão ou posturas forçadas.

Por outro lado, há inscrições que não deixam margem para dúvidas, como uma com a palavra freio, localizada na lateral esquerda do painel e que corresponde ao freio de mão. Aqueles eram outros tempos e os símbolos internacionais ainda não haviam sido divulgados.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
No lugar certo. O botão de mudança de marcha está no lugar
adequado, enquanto o relógio pode ser visto de qualquer assento

No que diz respeito ao resto do painel, mostra que é um carro muito equipado para a época. Ao lado da chave de ignição está o isqueiro elétrico. E no centro, um auto-rádio e o controle automático da antena, além do porta-luvas à direita.

Em última análise, um painel atraente, com bom acabamento e com detalhes lógicos encontrados em carros de sua categoria.

TESTE DODGE 3700 GT: GAMA COMPLETA

Já nos primeiros metros se nota o notável binário, que convida início suave para evitar solavancos. Por isso, e para conhecer melhor o carro, engate a segunda e lentamente subo até 4.000 rpm em linha reta sem trânsito.

Nesse ritmo, o velocímetro se aproxima dos 90 km/h e o motor se faz ouvir, como se protestasse contra o uso insensato. E já coloquei, chão para baixo para ver como ele vai até a zona vermelha.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
Menos balanço. O 3700 GT incorporou uma barra estabilizadora frontal, cuja função era reduzir a inclinação nas curvas e melhorar o comportamento

Claro que o motor continua a girar, mas há apenas ruído sem que a energia vá para mais. Pablo sabe, então é melhor aproveitar um torque máximo que é alcançado a 2.400 rpm e parar de experimentar.

Enquanto isso, eu tenho bagunçado coisa dele ao fazer as mudanças de sentido, bem a direção tem 5,5 voltas do volante e ficar parado requer força.

Imitando o que aprendera com Pablo, o Dodge Ele agradeceu com seu silêncio e maior conforto. Quando você já está na terceira marcha, em plana a pouco mais de 70 km / h, o ideal é inserir a quarta e deixar o pedal do acelerador fazer o seu cruzeiro.

nas rodovias poderemos filmar no limite legal a apenas 2.900 rpm, uma cadência que o motor Slant Six mantém furtivamente. E se por algum motivo for necessário descer a menos de 100 km/h, o torque do motor recuperará o cruzeiro sem reduzir a terços.

Como se isso não bastasse, freios a disco dianteiros Kelsey-Haynessemelhantes aos usados ​​pelo Ford Mustang Shelby– fornecem um poder de travagem certamente reconfortante.

Nesse mesmo sentido, a barra estabilizadora frontal e as rodas com raios de 14 polegadas tornaram este Dodge mais fácil de dirigir em um ritmo relâmpago. Tanto reduzindo o roll in curve quanto melhorando a aderência, eles o transformaram em um carro que obteve médias respeitáveis ​​e agradáveis ​​nas estradas nacionais do Plano Redia.

Como verificamos neste teste dodge 3700 gtMais leve que seu sucessor, nosso protagonista conseguiu adaptar um simples carro americano ao gosto europeu. Para isso, bastava que a moldura fosse mais refinada e que o interior fosse mais sedutor.

Teste de 3700 Dodge 1969 GT
Apesar de sua lenda, o motor Dodge tem um design eficiente. Um problema separado é mover seu
carroceria volumosa aumentou o consumo, como seus pares europeus de tamanho e deslocamento semelhantes

BARREIROS, CHRYSLER E DODGE

O inteligente e ativo Eduardo Barreiros nasceu em 1919 em Gundiás (Orense), e desde a infância trabalhava na empresa de ônibus da família. Nos anos do pós-guerra, teve a brilhante ideia de converter os já veteranos motores a gasolina usados ​​em caminhões para um ciclo a diesel. Claro, ele patenteou.

Graças a esta transformação, os veículos modificados pela Barreiros percorriam distâncias muito maiores após o abastecimento, além de utilizar combustível muito mais barato. Com esta atividade juntou um importante capital, o que o levou a mudar-se para Madrid e criar a sua própria empresa que fabrica camiões, autocarros e tratores.

Em sua maravilhosa expansão industrial, também fecharam acordos com a multinacional norte-americana corporação chrysler, com o objetivo de fabricar automóveis de passageiros sob licença e exportar seus veículos industriais para todo o mundo. Assim começou em 1965 a montagem em Villaverde (Madrid) do Dodge Dart, carros modernos e econômicos no mercado americano cujas carrocerias e motores chegaram de Detroit sob a CKD.

Infelizmente, em 1969 a multinacional americana acabou assumindo a totalidade do controle acionário da Barreiros Diesel S.A..

CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DODGE 3700 GT 1969

Motor: 6 cil. em linha, quatro tempos

Deslocamento3.686 cm3

poder: 165 SAE hp a 4.200 rpm

Gearbox: Manual, 4 velocidades

Tração: Traseira

Travões: Discos/tambores ventilados

Pneus: 185H 14

Capacidade de depósito: 68 litros

Comprido Largo alto: 4.988/1.775/1.359 mm

Faixas/Batalha: 1.425-1.418/2.819 mm

Peso bruto 1.380 kg

Velocidade máxima: 175 km / h

Consumo médio: 16l/100km

GALERIA DE FOTOS DE TESTE DODGE 3700 1969

Fotografias: Classic Lane

foto de avatar

Escrito por Inácio Saenz de Câmara

Eu sou Ignacio Sáenz de Cámara, nasci em Vitória há mais de meio século. Como acontece com muitos de vocês, eu também sofri / gostava desde pequeno com aquela impossibilidade de conter a atração por qualquer veículo motorizado. À medida que fui crescendo, vi que também gostava de ler tudo o que caía ... Veja mais

2 Comentários

Deixe um comentário

Deixar uma resposta

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

60.2kfãs
2.1kSeguidores
3kSeguidores
3.8kSeguidores