6 horas de spa 2014
in

6 horas de spa: King Elan

Em condições climáticas típicas de Ardennes, as 6 horas de Spa foram realizadas no circuito de Francorchamps no dia 20 de setembro.

Sob o nome genérico de 6 horas, 12 corridas acontecem em Francorchamps que são realizadas no sábado e domingo, com o dia de sexta-feira dedicado ao treinamento para estabelecer a ordem das diferentes grades de largada. De 19 a 21 de setembro de 2014, o 6 Horas de Spa chegou à sua 22ª edição, confirmando o sucesso e o incentivo a que os organizadores nos habituaram.

No entanto, além dos frios números estatísticos, minha impressão geral é que em 2014 o número de participantes caiu um pouco em relação às edições anteriores mais populares.

Por condições típicas de Ardennes, às quais aludimos anteriormente, entendemos uma mudança repentina de sol e céu claro para chuvas torrenciais em um curto espaço de tempo. Em questão de minutos, uma pista seca pode se transformar em uma piscina onde os carros em alta velocidade têm o efeito de um mergulho que os deixa fora de controle antes que eles possam trocar os pneus.

[su_youtube_advanced https = »sim» url = »https://youtu.be/rHg7HRZYiGs»]

Incidentes e incentivos

Foi precisamente o que aconteceu no sábado, quando se deu a largada das 6 horas sob um céu esplêndido e depois de alguns minutos de corrida desatou-se um aguaceiro terrível, produzindo acidentes e largadas de pista acorrentadas. Uma colisão de corrente de três carros ocorreu na reta da arquibancada, logo acima da linha de chegada.

Felizmente, não houve ferimentos pessoais e apenas os carros foram danificados. Lembre-se disso apenas algumas semanas atrás, houve o último acidente fatal na competição de carros clássicos no circuito britânico de Silverstone, quando Denis Welsh morreu dirigindo um Lotus em julho, cuja sombra pairou por alguns momentos sobre Francorchamps.

Os safety cars intervieram várias vezes, deixando a corrida neutralizada e permitindo que as equipes aplicassem sua melhor estratégia, trocando pneus, reabastecendo e revezando com os pilotos sem serem penalizados pelo cronômetro.

Para vencer em Francorchamps, que é um circuito do tipo rápido, com subida forte e longa, a receita é a potência dos motores. Não é surpreendente que nos últimos anos as primeiras posições tenham sido ocupadas pelo Ford GT40, circunstância que se confirmou novamente em 2014.

6 horas de spa 2014
Os GT40s vão para o ataque e assumem a liderança desde o início

O Ford GT40

Nada menos que 10 Ford GT40s começaram o teste, dos quais 7 estavam no topo do grid, com um na nona colocação e outros dois nos 11º e 12º lugares.

Como esperado, assim que a bandeira de partida foi baixada, Os GT40s estabeleceram um ritmo que poucos conseguiram seguir, distanciando-se notavelmente do resto dos competidores até que a primeira tempestade estourou no decorrer da primeira hora, com um Jaguar E subindo rapidamente para o quinto lugar. Na segunda hora, o 3 Jaguar E ocupava a quinta, sexta e sétima posições, um dos GT40 caindo para o 89º.

Rei Elan

Porém, o rei do dia difícil foi sem dúvida um Lotus Elan (foto de cabeçalho) que, partindo da vigésima posição, subiu posições e ultrapassou os carros sem que os mais potentes o pudessem impedir.

Para admiração do público e dos concorrentes, a equipe britânica formada por Wilson, Wolfe e Stirling conseguiu subir ao sétimo lugar na classificação geral, atrás de 5 Ford GT40s e um Jaguar E, à frente de um sexto GT40 classificado na oitava posição .

Como dados comparativos, a volta mais rápida do Lotus Elan foi cronometrada em 139,100 km / h, enquanto a do Ford GT40 classificado em oitavo lugar foi 146,171 km / h, o que indica uma maior regularidade do Elan mantida durante o difícil teste de 6 horas .

Em circunstâncias de estabilidade precária, O Lotus Elan tem a fórmula mágica para derrotar seus adversários mais poderosos: leveza, manobrabilidade e frenagem. Também deve ser levado em consideração que a diferença de preço de compra entre um Ford GT40 e um Lotus Elan é abismal, assim como o custo imbatível de manutenção do Elan, o que o torna um carro ideal para iniciantes e equipes com meios modestos que, no entanto, pode dar um cheque às equipes mais bem dotadas.

A corrida foi vencida pelo Ford GT40 da equipe Ferrao-Stretton, à frente do Voyazides e do GT40 de Hadfield.

Nenhuma equipa espanhola se aventurou a participar nesta ocasião.

[su_youtube_advanced https = »sim» url = »https://youtu.be/ShVEkuP483M»]
Na chuva do Spa com um Austin-Healey 3000

[su_note note_color = »# f4f4f4 ″]

As corridas

As diferentes corridas que acontecem durante o fim de semana são as seguintes:

Fórmula Júnior

Categoria Masters Turismo (pré-66)

Troféus Woodcote e Stirling Moss

Campeonato FIA Masters de Fórmula 1

Competição de motor histórico U2TC

Masters Gentlemen Drivers

Associação de carros históricos do Grande Prêmio

Desafio CanAm Interserie

Motor histórico GT U2TC

Categoria Historic Car Club Sport

Categoria FIA Masters Championship Sport

Corrida de resistência de 6 horas

[/ su_note]

6 horas de spa 2014
Fierro coloca seu Maserati 250F no grid de largada

españoles

Seleções espanholas, sempre escassas nas competições clássicas internacionais, eles brilharam novamente por sua ausência, não só na corrida de 6 horas, mas nas demais disciplinas programadas. Joaquín Folch, que costuma ser um dos habituais nas principais categorias de Francorchamps, embora estivesse na lista de inscritos, não apareceu na grelha de partida.

Pelo contrário, Guillermo Fierro, cuja presença detectámos no AvD Oldtimer Grand Prix de Nürburgring, actuou pela primeira vez em Francorchamps, conseguindo um excelente resultado ao obter o quinto lugar na classificação geral da sua carreira na Grand Historical Cars Association. 21º Prêmio.

Largando em décimo no grid de largada, Fierro passou para a oitava posição a quinze minutos do final da corrida, passando para a sexta colocação a um minuto do final. No decorrer da última volta, Fierro ganhou mais uma colocação, terminando na quinta posição.

Guillermo Fierro teve a gentileza de me contar sobre sua participação em competições clássicas, bem como de apresentar em detalhes seu extraordinário Maserati 250F de 1957, com uma história interessante em competições, já que foi um carro dirigido por Francisco Godia (em condições de aluguel e não possuído, já que como sabemos Godia mais tarde teve outro 250F semelhante), o carro de Fierro também foi usado em competição por Luigi Musso, Stirling Moss e Luigi Villoresi, entre outros.

Durante muito tempo, Os Maseratis têm estado um pouco na sombra de seus companheiros Ferraris, Porém, com a chegada do centenário da marca estão a obter um reconhecimento merecido, visto que são autênticos carros de Grande Prémio.

Vamos agora admirar alguns de seus motores de seis cilindros, sem nos deixar enganar pelas doze velas e dois ímãs, já que são motores de dupla ignição.

6 horas de spa 2014
Hartley's Arrows A4 tem todas as cédulas para ganhar o campeonato

Campeonato FIA Masters de Fórmula 1

A categoria principal, também nos clássicos, continua sendo a Fórmula 1, embora o grid de largada tenha sido menos lotado do que em outras ocasiões, com apenas 16 participantes.

O britânico Hartley é confirmado como o mais rápido da temporada que, ao volante do seu Arrows A4, voltou a vencer a corrida de domingo, tendo terminado em segundo no sábado.

A sombra do seu sorriso

Duas sombras estavam ativas em suas respectivas categorias F1 e Can-Am, exibindo a cor das sombras. Não havia outro carro tão feio na pista como o Shadow MK1 Can-Am do alemão Lagaaij, cujas formas lembram um lugar onde todos estaremos mais cedo ou mais tarde e não por nossa própria vontade.

Um pouco menos sombrio, o francês Audi Fórmula 5 Shadow DN1 (assim escrito como a marca do carro), foi o carro de JP Jarier em sua vida ativa.

Ferrari

Entre os muitos exemplos da marca Maranello, destacaremos aquele que por acaso é o menos Ferrari entre as Ferraris, ou seja, o Dino. No entanto, foi precisamente um 246S com motor Dino V6 que se classificou melhor, ficando com o segundo lugar na carreira nos Troféus Woodcote e Stirling Moss.

Pneus

Não é segredo que os pneus são uma peça essencial da qual a vitória muitas vezes depende. As equipes clássicas são equipadas com a variedade de pneus que as condições climáticas exigem. As qualidades dos pneus colocam aderência sobre a durabilidade, então apenas o orçamento para rodas e pneus para uma única corrida arruinaria qualquer pessoa sem um apoio financeiro consistente.

6 horas de spa 2014
São necessárias montanhas de pneus caros para correr no fim de semana

Curiosidades

No paddock observamos a presença de um lindo Montesa registrado na Grã-Bretanha.

Uma loja especializada em cartazes publicitários relançou uma reedição de cartazes anunciando os grandes prêmios de Francorchamps, destacando-se um de junho de 1947 com um clima muito bem conquistado.

No estacionamento de visitantes que, como sabemos, Às vezes é tão interessante visitar quanto o próprio paddock dentro do circuito, carros raros abundavam. Por raro devemos entender não os carros mais bonitos ou os mais feios, os mais caros ou os mais baratos, mas aqueles que raramente vemos, mesmo aqueles que descobrimos pela primeira vez.

Entre eles, citaremos Midas (não um, mas dois vieram), em memória do rei que transformava em ouro tudo o que tocava; Alguém já ouviu falar de Helguero Sport? Nós vimos e tivemos que nos aproximar para nos convencer de que não era uma Ferrari; Existe um carro mais feio e desproporcional do que o Pacer X? Eu pessoalmente não sei o que eles estavam pensando quando o projetaram. Parece que também não era confiável do ponto de vista mecânico.

preços

O bilhete geral dá direito ao acesso ao paddock e arquibancadas, bem como à zona das boxes até ao Pit Lane (demarcação com o próprio circuito), custa 30 euros para o fim-de-semana e 20 euros só para o domingo. O estacionamento é pago separadamente, pois é administrado por outra empresa, suas taxas variam de acordo com a localização.

A batata dourada

O prato nacional belga por excelência é simples: uma casquinha de batata frita com molho ao gosto do consumidor.

O euro, responsável por uma subida de preços sem a modulação permitida pelas moedas nacionais (eram raros os aumentos repentinos num produto da ordem das 166 pesetas, mas agora uma subida de 1 euro tem esse impacto), deu origem ao cone de batata frita que custava 3 euros (500 pesetas) em 2013, subiu para 4 euros em 2014 (664 pesetas, com os quais antes se podia comer outra coisa, mesmo fora de Espanha).

No entanto, uma visita a Francorchamps não está completa sem ter comido um bom cone de batatas fritas ao pé da velha torre de controle, assistindo (e ouvindo) os carros passarem em direção ao grid de largada.

[su_youtube_advanced https = »sim» url = »https://youtu.be/ZhL32gLpQC0 ″]

O que você acha?

Mario laguna

Escrito por Mario laguna

Mario Laguna, autor do livro “The Pegaso Adventure”, estudioso e observador da história do automobilismo, marcas e personagens. Visitante regular em competições automobilísticas, sejam de categorias atuais ou históricas, concursos internacionais de elegância, conferencista ... Veja mais

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

49.9kfãs
1.6kSeguidores
2.4kSeguidores
3.1kSeguidores