in

Eu amoEu amo SurpresoSurpreso RI MUITORI MUITO IrritadoIrritado

FIAT 600 Savio. Um carro feito para saltar de pára-quedas

Embora tenha sido originalmente concebido como um carro simples e leve para que o exército italiano pudesse saltar de pára-quedas, o FIAT 600 Jungla terminou seus dias como um carro de praia para a nobreza que passava o verão em suas vilas no Mediterrâneo. Além disso, esta variante do popular 600 é o exemplo mais conhecido do construtor de carroçarias de Torino Sávio.

Quem segue o mundo do rali sente um misto de admiração e respeito pelo Lancia Delta S4. Admiração por ser um dos modelos mais eficazes já criados para pistas de terra. Respeito por contar em sua história a morte de Henri Toivonen e seu co-piloto Sergio Cresto durante o Rally Corse de 1986. Um acidente quando o finlandês dirigia de tal forma que, nas palavras de Timo Salonen, "Acompanhar Toivonen foi suicídio."

Porém, para a memória do esportivo existem modelos tão radicais como este. Um dos ícones da história da Lancia, facilmente reconhecível graças à sua carroceria feita por Savio. A histórica marca turimesa fundada em 1919. Uma empresa especialmente ligada à FIAT, em cujos modelos trabalha desde os anos XNUMX com designs que vão do desportivo ao funcional. Workshop subsidiário para o qual Gianni Agnelli encomendou a realização de alguns projetos especiais com tiragens curtas.

Apenas o caso do FIAT 600 Jungla. Um dos mais raros e originais derivados do popular utilitário italiano, que nasceu como projeto militar para acabar sendo um curioso carro de praia. Transição marcante que, no entanto, permitiu que o Jungla estivesse em produção nove anos desde seu lançamento em 1965. Trajetória em que 3.200 unidades foram montadas, sucedido por um modelo que repetia a mesma fórmula usando como base 126. Agora os poucos espécimes sobreviventes tornaram-se peças cobiçadas para colecionadores.

FIAT 600 JUNGLA. FEITO PARA CAIR DO CÉU

Embora Giussepe Savio - o último dos dois irmãos fundadores - tenha falecido em 1954, a empresa era dirigida por seu genro Alfredo Caracciolo. Um homem que soube olhar para o futuro adaptando novas instalações para trabalhar em série. Assim as coisas, seus designers tentaram seduzir a FIAT com propostas como o 2300 Coupé ou o 124 Coupé Savio. Protótipos tão bem-sucedidos e estilosos quanto ignorados pela marca popular, que manteve outras necessidades do fisiculturista. Nesse sentido, graças aos contatos com o Estado, Gianni Agnelli obteve em meados dos anos XNUMX o contrato para o desenvolvimento de um novo veículo militar.

Longe de querer um modelo pesado, o que o exército italiano procurava era um carro pequeno, leve e destacável. Tudo isso com a ideia de ser capaz de embalá-lo da mesma forma que o Jeep fez com seu Willys, sendo capaz de saltar de pára-quedas sobre territórios em guerra. Uma ideia maluca a priori, mas para a qual a FIAT teve uma resposta eficaz graças aos seus 600 apresentados em 1955. Claro, para reduzir o peso à expressão mínima foi necessário um novo corpo. Requisito em que o Savio entrou dando um design minimalista a este carro que tinha que cair do céu.

Nesse momento, tanto a FIAT quanto o Sávio começaram a trabalhar no que foi chamado de 600 Jungla. Quanto à mecânica, tirou a transmissão e o motor com 767cc do 600 básico. O suficiente para transportar quatro adultos e até 40 quilos de carga graças aos 32CV e 578 quilos do conjunto na balança. Além disso, a montagem das peças foi simplificada ad nauseam. Um fato que fez do 600 Jungla um carro tão simples de montar quanto de consertar. Exatamente o que os paraquedistas queriam até que, com o projeto já em andamento, resolveram suspender a ordem.

A SEGUNDA VIDA DO FIAT 600 JUNGLA

Pegados de surpresa por este cancelamento, a FIAT e o Sávio tiveram que se mexer rapidamente. Situação complicada em que os Carabinieri intervieram, permanecendo para seu serviço florestal com as unidades comissionadas pelo exército. Uma solução prática e simples, permitindo a sobrevivência do 600 Jungla. De fato, o sucesso do projeto elaborado por Sávio foi de tal ordem que a FIAT foi incentivada a comercializar o carro em suas concessionárias. Uma mudança de roteiro que o levou a uma segunda vida, passando de veículo militar a civil transformado em carro de praia.

Nicho de mercado onde o Citroën Mehari se fortaleceu, que no entanto chegou ao mercado três anos após a apresentação do 600 Jungla. E é isso, graças ao seu peso leve, baixo consumo, simplicidade mecânica e mais do que carroceria espartana A criação de Savio era perfeita para famílias ricas que buscavam um carro para descer de sua villa até as praias do norte da Itália e do sul da França. Na verdade, de acordo com alguns registros, parece que o revendedor FIAT em Mônaco vendeu não poucos desses 600 Jungla com bancos de vime e teto de lona.

Uma preparação projetada especificamente para o transporte de banhistas, o que tornou o modelo um carro relativamente frequente na garagem de verão da alta burguesia. Lugar onde, graças à sua função muito específica, eles foram alojados ao lado de bares de luxo e carros esportivos da Dolce Vita. Carros que, no entanto, sobreviveram muito mais do que os 600 Jungla. Que é apresentado décadas depois não apenas como a criação mais conhecida de Savio, mas como uma das versões mais raras e procuradas do FIAT 600.

Fotografias: FIAT / SEAT Históricos / Artcurial

PD A unidade 600 Jungla usada para ilustrar este artigo foi leiloado no verão passado pela Artcurial em Mônaco. É uma daquelas que, como dissemos acima, tinha bancos de vime para a praia. Também é possível ver o teto de lona com guarnição de borla, que faz um curioso contraste com a base militar do modelo.

O que você acha?

17 Pontos
Upvote Downvote
Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores