Matrículas africanas
in

Eu amoEu amo IrritadoIrritado SurpresoSurpreso Pero qué ??Pero qué ?? RI MUITORI MUITO

Estas foram as matrículas africanas que o novo Regulamento Histórico irá recuperar

As colónias que a Espanha teve em África durante o século XX tinham matrículas próprias que agora poderão voltar a ostentar.

Quando a Espanha abandonou definitivamente o colônias africanas após os Acordos de Madrid assinados em Novembro de 1975, Não apenas esses territórios foram perdidos, mas também as placas que ali eram utilizadas.. Na verdade, foi algo que começou a acontecer ainda antes, quando em 1969 se perderam Fernando Poo e Río Muni, as duas províncias que compunham a Guiné Equatorial. Depois, o Ministério do Interior determinou que os veículos com matrículas FP e RM as alterassem para as da província do proprietário. A mesma coisa aconteceu com Ifni pouco depois.

As últimas matrículas africanas foram eliminadas por uma ordem semelhante do governo de Arias Navarro no final de 1975. Isto causou toda uma série de placas foram perdidas que continuam a ser um reflexo do que foi a história de Espanha no século XX. Talvez por isso e como comentamos recentemente em LA ESCUDERÍA, os novos Regulamentos de Veículos Históricos pegue sua recuperação.

Matrícula do Renault 6 Sahara

Lembremos que uma das mudanças fundamentais que introduz é que Os veículos não serão registrados novamente como históricos, mas eles manterão suas placas originais. As placas históricas permanecerão para os carros sem placa nacional. Além disso, e para além de outras novidades, os veículos originalmente matriculados nas antigas províncias espanholas de África poderão voltar a exibi-los.

LICENÇAS AFRICANAS

As primeiras placas típicas do continente africano foram as de Marrocos Espanhol, ME, em vigor entre 1929 e 1956, quando o nosso país renunciou aos seus direitos sobre o referido território. Também existiram brevemente em Tânger, de 1940 a 1945, neste caso, com fundo preto e caracteres brancos. Para os restantes territórios, um Despacho da Presidência do Governo de 1951 ali prorrogou o actual Código da Estrada.

Dessa forma, as siglas foram introduzidas AOE para carros oficiais e SHA e I para veículos particulares Saara e Ifni respectivamente. Dez anos depois, decidiu-se adaptar as placas à nova realidade dos territórios, agora convertidos em províncias. As novas siglas foram IF e GIF (carros oficiais) para Ifni e SH e GSH para o Saara.

Também na Guiné houve uma evolução quanto às siglas de matrículas, já que inicialmente eram utilizadas TEG, correspondente ao nome de Territórios Espanhóis do Golfo da Guiné. Desde 1961, e após a divisão nas províncias Fernando Poo e Río Muni, o Placas FP e RM respectivamente. Na Guiné, o sigla GAGE que responderia ao Governo Autónomo da Guiné Equatorial. Imagem de marcador de posição Diego de la Vega, em artigo publicado na edição 101 da revista Classic Cars, falou sobre os emblemas CGGE e GGRE. Eles foram usados ​​em alguns veículos da Guarda Colonial.

O FUTURO DOS BILHETES AFRICANOS

O novo Regulamento Histórico estabelece que poderão voltar a ser utilizados, como já dissemos, o que Até agora só poderia ser feito de forma ornamental, não para circulação. Isto fez com que praticamente todas as vagas de matrícula africanas desapareceram para sempre. Supõe-se que o mesmo terá acontecido com os veículos que os caracterizaram na sua época, infelizmente.

É claro que existem pelo menos alguns exemplos de sobreviventes conhecidos, começando com o Renault 6 que ilustra este artigo. Feito em Valladolid, Foi registrado no Saara em 31 de dezembro de 1969, mantendo a placa SH até 1976.. Depois teve que substituí-los pelos provinciais da península. Classic Cars ofereceu uma prova desta mesma unidade no referido número 101. A Mercedes-Benz “Colas” com registo FP correspondente a Fernando Poo.

Ambos poderão usar novamente suas placas originais. numa iniciativa que só podemos aplaudir. Para quem deseja recordar os tempos militares em África, existem páginas e associações dedicadas à recuperação da memória, como Os militares no Saara. Existem centenas de fotografias publicadas lá. veículos com placas africanas.

Fotos de Ignacio Sáenz de Câmara / Classic Lane.

foto de avatar

Escrito por Ivan Vicario Martin

Tenho sorte de ter transformado minha paixão em minha forma de ganhar a vida. Desde que saí da Faculdade de Ciências da Informação, em 2004, que me dedico profissionalmente ao jornalismo automóvel. Comecei na revista Coches Clásicos em seus primórdios, passando a dirigi-la em 2012, ano em que também assumi a direção dos Clásicos Populares. Ao longo dessas quase duas décadas de carreira profissional, trabalhei em todos os tipos de mídia, incluindo revistas, rádio, web e televisão, sempre em formatos e programas relacionados ao motor. Sou louco pelos clássicos, pela Fórmula 1 e pelas 24 Horas de Le Mans.

Deixar uma resposta

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

60.2kfãs
2.1kSeguidores
3kSeguidores
3.8kSeguidores