Austin
in

Austin Victoria, uma opção original se procura um clássico com produção nacional

A produção nacional espanhola é bastante banal e estudada; Porém, ainda existe a possibilidade de adquirir clássicos locais pouco vistos como, por exemplo, o Austin Victoria.

Depois de várias centenas de artigos publicados, é fácil perceber como a produção nacional é - de longe - o tema a que se dirige preste mais atenção. Algo em que também há prioridades porque, afinal, dentro dele os modelos SEAT tendem a ser os que têm maior sucesso em leituras e comentários.

No entanto, para dizer a verdade, a nossa produção nacional não era tão variada como a que foi implantada em Itália, em França ou no Reino Unido; dá pelo que dá. Este facto é agravado pela eterna negligência dos clássicos do pré-guerra -aqui a falta de ventiladores é maliciosa porque implica ignorar o passado de Hispano-Suiza- ou o triste silêncio em torno dos veículos industriais.

Duas questões às quais devemos acrescentar não só um certo desdém pelos microcarros, mas também o odioso hábito de evitar qualquer referência a marcas de motos por parte dos fãs das quatro rodas; neste caso, muito mais criativos que os dos automóveis quando falamos de produção nacional, bom, não esqueçamos, enquanto Bultaco e Montesa patentearam suas próprias criações SEAT e FASA apresentaram apenas modificações parciais como o 1200/1430 Sport ou o R10.

Em suma, se você é exclusivamente apaixonado pelas coisas locais, você não está limitado apenas a um terreno muito pequeno, mas mesmo uma grande parte dele é bastante estrangeiro. Uma situação complexa se o que se pretende é adquirir uma produção nacional capaz de surpreender pelo inesperado da sua origem. Algo em que, sem dúvida, o austin vitória destaca-se amplamente quando falamos em modelos de turismo.

AUTHI, O MAIS ORIGINAL ENTRE A PRODUÇÃO NACIONAL

Recentemente discutimos a história do MG-Authi 1100 em um artigo onde o apresentamos como uma opção muito interessante para comprar um clássico nacional diferente do banal SEAT contra o qual este modelo e seu sucessor, o 1300, competiram.

Na verdade, tudo relacionado ao fábrica de navarra É por si só bastante original em comparação com o resto da produção local; em primeiro lugar pelas poucas unidades sobreviventes e, sobretudo, graças a elementos técnicos tão distintivos como as suspensões Hydrolastic.

É claro que, acompanhado de uma compensação severa em termos de peças sobressalentes desde que a Authi fechou em 1975, isto pode ser difícil de resolver em Território hispânico. Um problema óbvio para os usuários da época, embora, para falar a verdade, não seja tão preocupante entre os fãs dos clássicos.

E - lembremos - o que em um carro novo pode ser uma verdadeira dor de cabeça em um clássico faz parte do trabalho de restauração; neste caso escolhido livremente como parte do seu lazer, da sua escolha, daquilo que deveria torná-lo mais feliz e não mais amargo. Não se vitimize com seus caprichos.

UM SUCESSOR PARA OS 1300

No início dos anos setenta, os problemas financeiros já prejudicavam gravemente o progresso da autenticar. Em todo o caso, a marca redobrou esforços ao apresentar um substituto para as suas versões 1972 em 1300, actualizando a carroçaria, introduzindo melhorias técnicas e finalizando o conjunto com uma factura um pouco mais competitiva.

Neste ponto, os novos Austin Victoria e Austin Victoria Deluxe eram uma alternativa eficaz ao 1430 com motor traseiro. Da mesma forma - e embora de acordo com o testador Arturo Andrés A suspensão Hidrolástico Comportava-se de forma muito diferente consoante o tipo de piso - a direcção e os travões - disco à frente e tambor atrás - não só conferiam conforto como também uma evidente sensação de segurança.

Tudo isso complementado por um comportamento ágil devido aos seus 900 quilos vazios combinados com um motor de quatro cilindros de 1.275 cc que, embora na versão básica produzisse 62 cv, no Deluxe subiu para 68 HP graças à ação de dois carburadores em vez de um. É claro que esse caráter leve - já visto nos 1100 e 1300 - não deve ser confundido com uma evidente esportividade; Na verdade, a posição dos pedais não permite nem mesmo a correção do calcanhar.

AUSTIN VICTORIA, UMA PEQUENA PRODUÇÃO

Poucos meses depois do lançamento do Austin Victoria para o mercado espanhol, eclodiu a Crise do Petróleo de 1973. Um cenário nada optimista para as novas funcionalidades a serem acrescentadas à frota de veículos, acrescentando também o. problemas financeiros arrastado por Authi antes.

E rapaz, nem as vendas em Espanha - carimbadas contra o domínio comercial da SEAT e da FASA - nem as exportações - mínimas mas existentes - conseguiram recuperar o voo comercial da fábrica navarra. Além do mais, em 1976 este passou a fazer parte da SEAT sob a proteção do INI, salvando assim boa parte dos empregos.

Assim, quando a produção do Austin Victoria foi encerrada em 1975, o número total de unidades ascendia apenas a 24.682. Algo que, no final das contas, faz do nosso protagonista um verdadeiro "Avis raros" em relação à produção nacional.

Portanto, se procura um carro clássico fabricado em Espanha sem abrir mão da originalidade e do pouco visto, recomendamos o seguinte: arme-se com paciência, faça bons contatos, pesquise metodicamente e quando encontrar um Austin Victoria em bom estado, compre.

foto de avatar

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

60.2kfãs
2.1kSeguidores
3.4kSeguidores
3.9kSeguidores