in ,

Raymond Loewy, quando o design do carro e a garrafa de Coca-Cola se unem

Raymond Loewy foi um dos designers industriais mais famosos da história. Muitos de seus logotipos para empresas conhecidas são especialmente lembrados, mas menos conhecidos são seus designs no mundo automotivo, especialmente para a marca americana Studebaker.

Raymond Loewy nasceu em Paris em 1893, e desde muito cedo destacou-se em diversas áreas do design. Só depois de emigrar para os Estados Unidos é que começaria a desenvolver alguns de seus designs mais reconhecidos, como o logotipo dos cigarros Lucky Strike ou o dos postos de gasolina Shell. 

Loewy alcançou grande prestígio com seus projetos, conferindo às locomotivas e eletrodomésticos uma estética única e moderna entre uma longa lista de obras. Por estas razões Ele é considerado o pai do design industrial nos Estados Unidos.. 

HUPMOBILE, PRIMEIRO CONTATO COM DESIGN AUTOMÓVEL 

Após a crise de 29 e o início da Grande Depressão, a actividade financeira e a produção na indústria automóvel abrandaram. Hupmobile foi uma das empresas do sector automóvel mais afectadas pela recessão econômica, e embora seus carros tivessem vendido muito bem até agora, eles procuravam uma forma de gerar interesse em seus modelos neste momento de crise. 

Por este motivo a empresa contacta Raymond Loewy redesenhará a linha Hupmobile. Os novos carros são apresentados em 1932 e são elogiados pela sua beleza, mas os carros que eram verdadeiramente icónicos nesta fase foram os modelos de 1934, baptizados de Aerodinâmicos pelo seu revolucionário formas simplificadas com os faróis integrados nas barbatanas, e que os colocam no mesmo nível dos vanguardistas Fluxo de ar Chrysler que também apareceu naquele ano.

PALCO DE LOEWY NO STUDEBAKER 

Depois de sua passagem pela Hupmobile, Loewy assina Studebaker, com um primeiro contacto em 1936 como consultor de design e finalmente em 1938 como designer. Uma de suas primeiras medidas foi implementar um novo logotipo muito moderno, que substitui o anterior que a empresa utilizava desde o início do século XX e que já estava bastante desatualizado.

Em 1939 surgiu um novo modelo, o Campeão Studebaker, com design assinado por Raymond Loewy e Virgil Exner, já que um dos primeiros empregos deste designer foi na empresa de Loewy. Este carro foi um sucesso e duplicou as vendas da Studebaker em relação ao ano anterior.

O campeão Studebaker de 1939 despertou interesse nos modelos da empresa.

O início da colaboração entre a empresa Loewy e a Studebaker ocorreu pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial. O conflito forçou a produção de automóveis para uso civil a deixar de concentrar a produção em material de guerra. 

Mas as medidas impostas durante os anos de guerra não impediram o trabalho com materiais que não eram utilizados pelo exército para empresas não relacionadas com a produção automóvel, pelo que a empresa de design Loewy passou o seu tempo entre 1941 e 1945 a desenhar novos carros para a Studebaker. A produção de automóveis foi retomada em 1945, mas A primeira marca americana a apresentar os primeiros modelos do pós-guerra foi a Studebaker em 1947., à frente das Três Grandes de Detroit.  

Os novos carros introduzidos pela Studebaker eram muito modernos e diferentes dos carros vistos antes da guerra. Particularmente marcante foi o cupê chamado Starlight, com vidro traseiro envolvente de 180° o que permitiu grande visibilidade traseira. As proporções peculiares do cupê tornaram uma piada comum que não era possível saber se os carros estavam indo ou vindo.

A polêmica sobre este carro vem da autoria de seu design. Virgil Exner foi o responsável por projetá-lo, mas foi demitido da empresa em 1944, então o crédito é muitas vezes atribuído erroneamente a Loewy, que demitiu Exner pessoalmente devido ao seu mau relacionamento. 

Em 1953, Loewy apresentou o novo cupê Studebaker Starliner, um dos seus automóveis mais reconhecidos, tornando-se o carro-chefe da marca, e influenciando o posterior Studebaker Hawks, que teve o mesmo designer como seu criador e que encerraria a fase de colaboração Loewy-Studebaker em 1955, pelo menos temporariamente.

PROPOSTAS DE DESIGN PARA CARROS ESPORTIVOS EUROPEUS 

Após sua saída da Studebaker em 1955, Raymond Loewy retornou ao velho continente para criar uma série de carros esportivos europeus futuristas com seu toque pessoal. A primeira, em 1955, foi uma reinterpretação futurística do um Jaguar XK140 que foi perdido em um incêndio em 1957.

O Jaguar XK140 desenhado por Loewy.

Em 1955 o protótipo do BMW 507 com desenho assinado por Albrecht Graf Goertz, e em 1957 começou a trabalhar na empresa de Loewy. Em 1957, o próprio Raymond Loewy apresentou a sua própria interpretação do carro desportivo alemão.

O Lancia Flaminia Loraymo definiria algumas das chaves estéticas do próximo design de Loewy.

Finalmente, em 1960, Raymond Loewy assinou o último dos seus projetos em carros europeus, desta vez em un lancia flaminia Coupe batizado como Loraymo. Todos esses carros serviram para dar algumas dicas estilísticas que culminariam no próximo carro de Loewy.

STUDEBAKER AVANTI E COCA-COLA 

Entre suas propostas de design para carros esportivos exóticos, Raymond Loewy é contratado para o único redesenho de garrafas de Coca-Cola desde o início do século XNUMX, tendo o logotipo branco como principal contribuição. Loewy já tinha reconhecido a sua admiração pelas formas icónicas e reconhecíveis das garrafas deste refrigerante, chegando mesmo a dizer sobre elas:

A garrafa de Coca-Cola tem tudo isso como produto: bem trabalhada, lógica, com otimização do material e agradável de se ver. O recipiente mais perfeito para líquidos do dia a dia e um dos clássicos da história da embalagem.

En 1961 Studebaker, sob o comando de um novo presidente, contata Loewy novamente para o desenvolvimento de um novo carro pessoal de luxo e semiesportivo. Algumas das inspirações para o design do novo carro foram os Jaguar E-Type, apresentado naquele ano, e o já citado BMW 507. 

Embora os traços mais reconhecíveis sejam os do Lancia Loraymo, especialmente na traseira. Loewy liderou uma grande equipe de designers que Eles tinham uma carroceria pronta para o carro em apenas quarenta dias.

O carro seria apresentado em 1962 e recebeu o nome Studebaker Avanti, tornando-se um ícone da indústria automobilística americana no início dos anos 60, que deixou de lado os excessos estilísticos do final dos anos 50 e os carros com grandes aletas e muitos elementos cromados. 

Em seu lugar foi substituído por o estilo de formato Coca-Cola, nomeado devido às formas alargadas na parte traseira do carro. Uma forma de projetar carros que em 1963 a General Motors implementaria no Corveta C2 e o Buick Riviera, e que muitos outros fabricantes também copiaram até a década de 70. 

O moderno Avanti com carroceria de fibra de vidro não foi o sucesso de vendas esperado. A empresa esperava fabricar 20.000 unidades no primeiro ano, mas a realidade é que Eles venderam apenas 1.200 carros em 1962 e outros 4.600 em 1963.. Raymond Loewy tinha muito orgulho deste carro e sabe-se que possuía pelo menos dois exemplares.

Suas características eram surpreendentes para a época. Havia vários mecânicos disponíveis; o R1, com 4,7 litros, aspirado naturalmente e carburador de quatro cilindros, o R2, com a mesma cilindrada e equipado com supercharger, e o exclusivo R3, também sobrealimentado, mas com 5 litros, e que produzia 400 cv, fazendo com que quem quebrou 29 recordes de velocidade em 1963. Também foram feitos trabalhos nas mecânicas R4 e R5 que nunca foram vendidas ao público, sendo que a última delas desenvolveu 575 HP e capaz de atingir mais de 300 quilômetros por hora. 

Além do Avanti, os outros modelos da Studebaker não vendiam bem e a marca anunciou o cessando a fabricação de seus carros nos Estados Unidos no final de 1963, com a fabricação no Canadá cessando em 1967. 

Mas O desaparecimento de Studebaker não significou o fim do Avanti. A licença, as ferramentas de fabricação e a planta de produção do carro foram adquiridas por Nate Altman e Leo Newman, que eram proprietários de concessionárias Studebaker. 

Então, em 1965 eles lançaram o Avanti II, um carro cujas primeiras unidades chegaram curiosamente à Espanha. Os primeiros Avanti IIs foram montados a partir de componentes que Studebaker nunca utilizou, mas posteriormente utilizaram mecânica e chassis da General Motors e Ford.

O primeiro Avanti II, com destino a Barcelona. (Fonte: Javier Rucabado)

Após várias mudanças estéticas, este ícone americano desenhado por Raymond Loewy Permaneceu em produção, com diversas alterações, até 2006.

Fotografias de Raymond Loewy, Studebaker, Hupmobile e Javier Rucabado.

O que você acha?

foto de avatar

Escrito por javillac

Essa coisa sobre carros vem desde a infância. Quando as outras crianças preferiam a bicicleta ou a bola, eu ficava com os carrinhos de brinquedo.
Ainda me lembro como se fosse ontem um dia em que um 1500 preto nos ultrapassou na A2, ou da primeira vez que vi um Citroën DS estacionado na rua, sempre gostei de pára-choques cromados.

Em geral, gosto de coisas de antes de eu nascer (alguns dizem que estou reencarnado), e no topo dessa lista estão os carros, que, junto com a música, fazem a combinação ideal para um momento perfeito: dirigir e trilha sonora de acordo com o carro correspondente.

Quanto aos carros, gosto de clássicos de qualquer nacionalidade e época, mas meu ponto fraco são os carros americanos dos anos 50, com suas formas e dimensões exageradas, e é por isso que muitas pessoas me conhecem como "Javillac".

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

60.2kfãs
2.1kSeguidores
3.4kSeguidores
3.8kSeguidores