Abarth 1000 Zagato
in

Eu amoEu amo

O resultado da redução do peso no Abarth 1000 Bialbero Zagato

No início dos anos 1000 a gama Abarth era tão específica nas suas versões para competição que chegou a oferecer mais de trinta modelos diferentes. Dessa forma, cada piloto poderia encontrar o que estava procurando. Porém, entre todos os modelos, destacou-se o Abarth XNUMX, um veículo com excelente relação peso / potência que em alguns casos foi carroceria da Zagato. Exatamente o caso que hoje trazemos às páginas de La Escudería.

Traçar a história da Abarth é mergulhar em uma das genealogias de motores mais ricas e variadas da indústria europeia. Toda uma panóplia de versões e preparações que ainda apresentam diferenças entre diferentes unidades de uma mesma série. E é que as criações de Carlo Abarth não foram feitas apenas de forma quase artesanal. Mas eles também evoluíram dia a dia de acordo com uma infinidade de testes. O que mais, para adicionar complexidade ao assunto, alguns modelos como o Abarth 1000 Bialbero foram vestidos por diferentes fisiculturistas. Alterando assim a aparência e consequentemente a facilidade de saber o que exatamente se tem pela frente.

Uma enorme complexidade na qual, ademais, devemos agregar as modificações feitas por cada piloto e equipe. Desse modo, pode-se dizer que seria raro ver um modelo da casa do escorpião igual a outro em todos os aspectos. Pelo menos até a compra da Abarth pela FIAT em 1971. Momento em que suas intervenções passam a ser disciplinadas em grandes séries como a do Autobianchi A112 Abarth. Claro, coincidindo com a sua dissolução na prática, quando todos os seus engenheiros passaram a ser o núcleo da área de competição do Grupo FIAT.

Um lugar de onde Abarth interveio em modelos como o Lancia Delta para o WRC ou o LC2 para Le Mans. Mas já do anonimato que vem de estar dentro do processo produtivo de uma grande empresa onde você vendeu sua independência para se tornar mais um departamento. Porém, além das lembranças nostálgicas sobre o fim dos pequenos fabricantes independentes, a verdade é que Abarth assinou algumas das melhores páginas do automobilismo durante os anos XNUMX. Década que começou com modelos como o Abarth 1000 Bialbero. Um espécime mítico que se apresenta aqui no corpo de Zagato.

ABARTH 1000 BIALBERO, A VITÓRIA DO LEVE

Quando Carlo Abarth fundou sua empresa em 1949, ela se dedicava basicamente à sobrevivência. E não é incomum que seja o caso. Afinal, durante o difícil período do pós-guerra, a BMW acertou as contas fazendo potes e suprimentos de cozinha. E isso sem falar na reconversão que os ingleses BSA tinha que fazer no final do concurso. Voltando-se para a fabricação em massa de motocicletas para substituir seu antigo faturamento como fornecedor de armas para os exércitos aliados. Não obstante, A Abarth focou suas atividades em um segmento mais ou menos delimitado: carros esportivos.

Assim, Abarth se encarregou de fazer todos os tipos de preparativos para pequenas corridas de pilotos amadores ou semi-profissionais. Desta forma, ele foi ganhando prestígio. Adquirir um conhecimento que se baseava principalmente na mesma fórmula que Colin Chapman utilizou na Lotus. "Não me dê cavalos, tire meu peso". Desta forma, Abarth passou a ser dominante nas categorias de menor deslocamento. Ser capaz de transformar a mecânica de simples veículos utilitários FIAT em armas temíveis responsáveis ​​por lidar cara a cara com modelos muito superiores.

Algo que chamou a atenção da casa dos Agnelli. Que passou a fornecer chassis e mecânica a Carlo Abarth dando uma aura de reconhecimento oficial às suas criações. Portanto, até a chegada do chassi tubular criado por Mario Colucci os Abarths são presos ao chassi dos FIATs menores. Especialmente do popular 600. Modelo lançado em 1955 e em cuja série D se baseia o Abarth 1000 Bilabero. Apresentado no Salão de Torino em 1961.

FINO MECÂNICO EM UMA BASE MUITO SIMPLES

Uma das características que tornam a história da Abarth extraordinária é sua capacidade de tornar a vida cotidiana extraordinária. E não. Não estamos usando nenhum tipo de metáfora tão vazia quanto melosa. Nós realmente falamos sobre fatos reais. No final das contas, a base da mecânica do Abarth 1000 Bilabero está no mesmo motor do FIAT 600. Claro, aqui o aumento do deslocamento até o litro e principalmente as duas árvores de cames à cabeça - daí o nome Bialbero - aumentar a potência até 102CV. Uma verdadeira finesse mecânica. É sempre surpreendente ver o funcionamento primoroso deste mecanismo responsável por obter benefícios inesperados do simples bloco de motor do utilitário popular.

Algo para o qual os dois carburadores Weber 40 DCOE contribuem. Uma hélice perfeita, desde que incorporada em uma montagem leve. Precisamente um dos campos de jogo mais bem dominados por Abarth, deixando todo o Abarth 1000 Bialbero em pouco mais de 550 quilos. Sem dúvida, isso gera uma relação potência-peso magnífica, operando o milagre partindo de elementos de um carro de série totalmente comum para alcançar alturas esportivas capazes de colocar os melhores modelos Ferrari ou Porsche em apuros se competirem em estradas de curvas.

Em relação ao corpo, o Abarth 1000 Bialbero recebeu diferentes corpos. Nesse sentido, os mais elegantes e estilosos não são os de Zagato. Mas eles podem ser os mais eficazes, pois têm excelente aerodinâmica e um peso muito contido graças ao uso materiais como alumínio ou fibra de vidro. Além disso, na seção estética a verdade é que é magnético ver os detalhes musculares típicos deste fisiculturista. Expresso aqui nas imponentes lombadas traseiras responsáveis ​​pelas entradas de ar para resfriamento. Elementos que fazem deste Abarth 1000 Bialbero Zagato uma das unidades mais interessantes do modelo.

Fotografias: Bonhams

PD Para ilustrar este artigo sobre o Abarth 1000 Bialbero Optamos por uma unidade construída por Zagato em 1963. Além disso, esta em particular esteve por mais de três décadas nas mãos da mítica e extinta coleção Maranello Rosso. Após o seu desmantelamento, foi oferecido em 2015 pela Bonhams, que o entregou no âmbito dos leilões Goodwood.

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores