in

Abarth 1000 SP. Um sucesso baseado no chassi tubular de Mario Colucci

De todos os elementos que definem o Alfa Romeo 4C, talvez o mais eloquente seja a direção. Cremalheira e pinhão. Sem ajuda de qualquer tipo e com uma configuração tão clara e direta que você pode ler a estrada como se estivesse em um carro de corrida. Se você adicionar 240 CV a isso por pouco menos de 900 quilos, o resultado é um carro com coragem. Ideal para aqueles que dirigem puristas que olham para pequenos construtores como a Lotus. Além disso, com sua estética poderosa, o 4C tem sido - junto com o Giulia - a ponta de lança para a redefinição do Alfa Romeo.

No entanto, estas notícias, pelas quais tanto os alfistas como os entusiastas do automóvel são tão apaixonados, dificilmente deram tranquilidade aos contabilistas da FCA. E, embora o resultado de modelos como o 4C na mídia tenha sido notável, seu impacto econômico não atendeu às expectativas. Na verdade, a produção foi encerrada em 2019 com uma certa preocupação subjacente sobre a viabilidade da Alfa Romeo em um futuro não muito distante. Algo que suscita muitos receios entre os adeptos da marca, sobretudo se o virmos no espelho do destino desastroso escolhido para Lancia dentro do grupo.

Além disso, há algumas semanas ouvimos uma notícia que não dá perspectivas promissoras para outra das pequenas marcas incluídas na gigante FCA. Estamos falando da Abarth, que apresentou seu protótipo Abarth 1000 SP. Um modelo que, na realidade, existe em segredo há cinco anos, descartado para a produção em série devido ao limitado sucesso comercial do 4C. Carro esportivo do qual tirou seu monocoque de fibra de carbono para oferecer um roadster ainda mais radical que o Alfa, homenageando assim o clássico Abarth 1000 SP 1966. Um dos carros de maior sucesso da empresa fundada por Carlo Abarth.

1000 ABARTH 1966 SP. A FORÇA DO CHASSIS TUBULAR

Como é comum em toda a marca, a história do Abarth 1000 SP é corajosamente tecida em design e habilidade na fabricação. Uma história em que se destaca o nome do engenheiro milanês Mario Colucci. Forjado na Alfa Romeo, nosso protagonista foi o arquiteto do Alfa Romeo-Abarth 1000 de 1958. Um interessante carro esportivo de 88 CV e 640 quilos com o qual se tentou derivar a fabricação dos Alfa's mais esportivos para a Abarth. Uma ideia que nasceu mais por necessidade do que por escolha, devido ao intenso ritmo de produção sofrido pela fábrica de Portello com a linha de montagem de 1900.

Encarregado dessa segunda colaboração notável após a Competizione 750 de 1955, Mario Colucci fez seu nome criando o primeiro chassi tubular da história da Abarth. Elemento estrutural ideal para carros de corrida, já que sua rigidez torcional garante excelente comportamento dinâmico em curvas. Exatamente o que desejavam veículos leves como o Alfa Romeo-Abarth 1000, do qual Carlo Abarth ficou tão satisfeito que contratou a Colucci como diretor técnico. Uma posição importante para colocá-lo na vanguarda de um design de competição focado em subidas e resistência. Do jeito que estava, nasceu a ideia do Protótipo Esportivo Abarth 1000 1966.

Um modelo para o qual a aprovação no Grupo 4 deve ser fabricado em pelo menos 50 unidades, posteriormente reduzidas para 25. Algo que fez do Abarth 1000 SP um carro esporte massivo por níveis de construção de chassis na Abarth, que costumava ser limitado a modelos de alimentação e ajuste de empresas externas. Na verdade, foram muitas as tensões durante a gestação de um projeto tão decisivo e ambicioso para a marca escorpião. No entanto, a confiança mútua entre Mario Colucci e Carlo Abarth foi a chave para superar as principais divergências sobre o design básico do carro.

CARLO ABARTH E MARIO COLUCCI. UMA HISTÓRIA DE CONFIANÇA

Novembro de 1961 foi um período tenso na história da Ferrari. O momento em que o que alguns cronistas chamam “A noite das facas compridas em Maranello”. Estimulado por várias disputas internas, um grupo de engenheiros líderes, incluindo Giotto Bizzarrini e Carlo Chiti, escreveu uma carta à gerência com várias reclamações. A resposta foi imediata, sintetizada em uma repentina dispensa de todos eles graças à qual um jovem Mauro Forghieri pôde se destacar. E foi assim que Enzo Ferrari fez as coisas, com punho de ferro. Ao contrário do colaborador Carlo Abarth, que soube confiar em Mauro Colucci apesar de suas diferenças com ele.

Diferenças sintetizadas no esquema pensado para o futuro Abarth 1000 SP. Enquanto Carlo queria uma carroceria autoportante com o motor pendurado atrás do eixo traseiro, Mario optou por um motor central montado em um chassi tubular. Opção finalmente escolhida. E, afinal, o motivo pelo qual o engenheiro responsável pelo 1000 SP acabou sendo contratado pela Abarth foi seu jeito com chassis tubular. Por isso, o fundador da empresa confiou no novo diretor técnico, resultando em um modelo inovador para a marca. Claro, sendo conservador na mecânica já que o bloco do motor escolhido é o FIAT 600 de quatro cilindros.

Uma modesta mecânica a priori, mas como de costume depois de passar pelas oficinas de Abarth, atinge poderes não desprezíveis. No caso do Abarth 1000 SP falamos de 105CV e quase um litro de deslocamento. Uma figura importante, especialmente se levarmos em conta que este modelo de competição pesa apenas 480 quilos. Por isso, com essas características, as vitórias nas corridas de ascensão foram garantidas. Mas também em suas respectivas classes em corridas de enduro importantes como o Nürburgring 500 km em 1966 ou o Monza 1000 km em 1968. Precisamente no ano em que, finalmente, foram concluídas as 50 unidades necessárias para a homologação no Grupo 4.

Desta forma, não há dúvidas sobre a importância do Abarth 1000 SP na disponibilizar um carro de corrida para muitas equipes privadas com tão pouco peso quanto alta eficácia. Uma lenda das encostas dos anos sessenta.

Fotografias: Leilão BH Japão

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

49.9kfãs
1.6kSeguidores
2.4kSeguidores
3.1kSeguidores