acidente de carro francisco franco
in

O acidente que pode mudar a história

[su_dropcap style = »light»] Em [/ su_dropcap] em agosto de 1935, um evento que passou quase nas pontas dos pés poderia ter mudado a maré de eventos que, infelizmente, precipitariam um ano depois. Naquele verão anterior a 36, ​​o então chefe do Estado-Maior Central saiu ileso de um acidente de trânsito. Isso foi registrado em alguns telegramas e em coluna publicada na imprensa. Depois, nada. Eles eram o general Franco e sua esposa, Carmen Polo.

Os fatos, coletados nos telegramas citados, narram o acontecimento com a redação e as formalidades utilizadas naqueles anos. E foi há muito tempo uma quinta-feira, 23 de agosto de 1935: Francisco Franco e sua esposa embarcaram em uma viagem para as Astúrias, “Aproveitando a ausência do Ministro da Guerra e para um breve descanso, após três meses de intenso trabalho à frente do Estado-Maior do Exército Central.

O veículo saíra cedo e era conduzido por um sargento mecânico de engenheiros, que vinha acompanhado de seu auxiliar (sabe-se que Franco nunca tirou carteira de motorista). No entanto, a meio da tarde, chegou a Madrid a notícia de que o automóvel tinha sofrido um grave acidente nas proximidades de Salamanca. Um dos telegramas confirmou: “Salamanca 22, 5 da tarde. Nas proximidades de Salamanca um grave acidente de carro ocorreu ao General Don Francisco Franco, Chefe do Estado-Maior Geral Central. "

Publicidade

[pro_ad_display_adzone id = »39185 ″]

Subtítulo
O carro do general está de barriga para cima (Cortesia da ABC)

De quem foi a culpa?

Os eventos ocorreram da seguinte forma. Aparentemente, às 201hXNUMX da manhã, ao chegar ao quilómetro XNUMX de Salamanca, no local conhecido como Cabezuelas (termo Pelabravo), entre as localidades de Calvarrasa e Santa Marta, o veículo “Ele conheceu dois ciclistas que iam na direção oposta, cujos nomes são Agustín Ricardo Curto Pérez, de XNUMX anos, e Matías Martín Cornejo, de XNUMX, ambos agricultores, que iam em busca de trabalho”.

A partir daqui, a descrição do acidente passa a assumir um aspecto romântico em que, sutilmente, a responsabilidade pelo ocorrido recai sobre uma das partes envolvidas. E é que,

[su_quote]

“Certamente atordoados com os sinais dados pelo carro, eles subiram em cima dele, sendo atropelados. O primeiro (dos ciclistas) foi morto no local e o segundo muito sério. O motorista que dirigia o carro derrapou de tal forma que o carro cruzou na estrada, de onde saiu e capotou com as rodas levantadas, para o que seus ocupantes tiveram que sair pelas janelas. O geral ele estava milagrosamente ileso; sua esposa e motorista com ferimentos leves. Imediatamente, muitas pessoas vieram ajudar. "

[/ su_quote]

Subtítulo
O carro era um Hispano-Suiza, mas a imprensa dizia que era um Plymouth Modelo PB 1932 ...
Subtítulo
Os camponeses se aglomeraram para ver o acidente
Subtítulo
Os ciclistas mal tiveram que parar o golpe

Como vinha narrando, o acidente já aconteceu. Mas ainda falta o final do texto, que detalha como os feridos foram tratados, tudo sem entrar em maiores detalhes. E é essa fortuna feita “O governador de Ávila, que por acaso passou pelo palco do evento”, recolher os feridos e transferi-los para Ávila, onde foram atendidos na Casa de Socorro.

O texto do artigo publicado na imprensa afirma que "A senhora do General Franco sofre uma ferida contundente no parietal esquerdo. Uma vez curada, ela foi transferida para um hotel central. O trabalhador Matías Martín tem ferimentos importantes em várias partes do corpo, tendo sido transferido depois de curado para o hospital provincial ”.

Claro, e tendo em vista quem está viajando no veículo, “Quando a notícia foi conhecida em Salamanca, as autoridades e numerosas pessoas vieram saudar o general Franco, lamentando o acontecimento, sendo um dos primeiros a comparecer ao comandante militar, general García Alvarez”.

banner_lib_728

Enganar a imprensa

Os telegramas, entretanto, não registravam que um médico de Salamanca, Filiberto Villalobos, que também foi Ministro da Instrução Pública durante a República, compareceu ao Gran Hotel de Salamanca para dar uma mão em questões de saúde e em matéria de saúde. que tinha sido aberto para apuramento dos responsáveis ​​pelo sinistro e consequente indemnização.

Segundo Luis Santos Gutierrez, em capítulo de seu livro De tudo que é visível e invisível, graças a esses esforços Villalobos fez o acidente passar despercebido para os jornais locais, que o motorista do veículo fique isento de culpa e que o ciclista sobrevivente, Matías Martín Cornejo, consiga um emprego permanente em Pelabravo, onde vivia sua família.

Deste ponto em diante, a história posterior toma outras direções. E uma vez que os caminhos políticos não são o motivo dessas linhas, termina aqui a história que pode mudar, justamente, a História.

filigrana

Créditos e agradecimentos:

As três últimas fotos deste artigo pertencem ao arquivo da família Villalobos e foram reproduzidas em Sonhos de harmonia. Filiberto Villalobos e seu tempo histórico (1900-1955) » (Salamanca, 2005), catálogo da exposição com curadoria de Ignacio Francia e Antonio Rodríguez de las Heras. Agradecemos a José María Lama, autor do blog As pedras do rio, por sua colaboração inestimável e abnegada.

O que você acha?

Alberto Ferreras

Escrito por Alberto Ferreras

Alberto Ferreras (Madrid, 1968) desenvolveu sua carreira profissional no jornal El País desde 1988, onde trabalhou como editor gráfico e editor do suplemento Motor até janeiro de 2011. Formado em Fotografia, foi finalista do Prêmio Ortega y Gasset de ... Veja mais

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores