in

Eu amoEu amo

Alfa Romeo G1. Um século para este modelo que encontrou seu mercado na Austrália

Embora o conheçamos hoje como Alfa Romeo, este não era o caso até sua aquisição em 1918 por Nicola Romeo, que colocou seu sobrenome por trás do nome histórico Alfa. Assim, uma nova era se abriu após a Primeira Guerra Mundial, na qual o G1 seria o modelo de referência. Desonradas na Itália pelos impostos calculados com base no deslocamento, as unidades da série 50 foram parar na Austrália. Hoje existe apenas um, e pode ser também o mais antigo Alfa Romeo conhecido.

Embora Alfa Romeo tenha se tornado um símbolo nacional na Itália, a verdade é que nem sempre foi fácil para ele em seu país. Nesse sentido, alguns inícios debatidos entre veículos de alto padrão e de corrida também não ajudaram na consolidação financeira da marca. Assim, desde o nascimento da Alfa em 1910 (Anonima Lombarda Fabbrica Automobili) suas contas têm sido debatidas entre liquidações, negócios com o banco, controles estaduais e um estado de alerta constante na equipe de contabilidade. Porém, já a partir do seu primeiro modelo - os 24 HP - as criações do Alfa iam ganhando fama.

Tudo isso sob a direção técnica de Giuseppe Merosi, que conseguiu aumentar as vendas de 80 unidades em 1911 para 272 em 1914. Uma corrida parou em seus trilhos com o início da Primeira Guerra Mundial, que colocou a Alfa em sua primeira situação de perigo financeiro. Com o mercado interno em colapso e o externo fechado, o estado forçou a conversão do setor automotivo em uma indústria de guerra. Um desafio em que a Alfa não soube mover-se apesar de desde os primeiros dias ter tido certas nevascas com motores de aviões. Ambos próprios e fabricados sob licença.

Nessa situação, a Alfa ficou sob a proteção e direção da Banca Italiana di Sconto. Um fato fundamental, já que acabou deslocando Giuseppe Merosi da liderança técnica para formar o engenheiro Nicola Romeo. Experiente em design de maquinário de mineração e com relacionamentos no exército, Romeu soube adaptar a marca aos tempos de guerra, chegando a fabricar lança-chamas. Ocupação que ele felizmente deixou de lado em tempos de paz depois de assumir o controle formal da empresa em 3 de fevereiro de 1918.

Dia em que o nascimento da Alfa Romeo é realizado por escritura notarial. A denominação que permaneceu para a história, e sob a qual os desafios dos tempos de paz foram empreendidos seguindo a trilha esportiva traçada por Merosi. Prova disso é o Alfa Romeo G1.

ALFA-ROMEO G1. AINDA SOB O PROJETO DE GIUSEPPE MEROSI

Durante a Primeira Guerra Mundial, Alfa não só teve que viver os rigores da guerra, mas também a luta dos egos entre Giuseppe Merosi e Nicola Romeo. Enquanto o primeiro veio do design de alguns dos carros esportivos mais refinados do momento, o segundo tinha uma amostra de maquinário industrial. Por ele, O orgulho de Merosi não aceitou de bom grado as ordens de Romeo embora, afinal, sua eleição pelo banco gestor tenha salvado o Alfa de um fechamento mais do que possível.

Um acidente de trem que levou à saída temporária de Merosi. Quem voltou para a fábrica da Portello logo depois prometeu se concentrar exclusivamente nas questões de design. Assim, com as hierarquias bem fixadas, Alfa completou sua transição para Alfa Romeo lançando em 1920 a segunda série do 15-20 HP e do 20-30 HP. Primeiro modelo com o novo nome, que montava um quatro cilindros em linha capaz de fornecer 49 CV. Perfeito como um produto intermediário abaixo do espetacular Isotta Frachini, mas superior ao FIAT 501 e 502.

No entanto, quando se trata do topo da gama Alfa Romeo Precisava de uma substituição para o 40/60 de 1914. Veículo de referência nas corridas da década, chegando nas unidades mais potentes da versão Corsa até 83CV a 2400 rpm. Necessário para ultrapassar ou pelo menos igualar, Merosi começou a trabalhar no design de um motor de seis cilindros que seria o coração do novo Alfa Romeo G1.. A modelo encarregada de conquistar novos troféus para a marca. Algo que, no entanto, não saiu da forma esperada.

UM SÍMBOLO DA ITÁLIA EMBALADO PARA A AUSTRÁLIA

Apesar de o Alfa Romeo G1 ter nascido com a vocação de ser um símbolo dos novos tempos na casa de Milão, Não encontrou nicho no mercado nacional devido à sua elevada alíquota calculada com base na cilindrada.. Característica que casou mal com as faltas da Itália posguerra. Onde o imponente motor de 6 cilindros de 3 litros do G1 não encontrava nenhuma posição até mesmo entre os motoristas mais ricos. Assim, as cinquenta unidades do G1 - nas versões Torpedo, Limousine e Spider Corsa - foram enviadas para o mercado australiano, restando apenas dois protótipos na Itália.

Situação que impediu o G1 de desenvolver recordes de pista, incapaz de exibir seus 70CV e 138 km / h de velocidade máxima em corridas como a Targa-Florio. Na verdade, a história do único chassi sobrevivente (# 6018) está mais focada em fazendas do que em circuitos. E é que, após a falência de seu primeiro dono devido à Crise de 1929, este Alfa Romeo G1 foi escondido nos arbustos de uma fazenda para evitar seu embargo. Refúgio onde permaneceu por mais de 25 anos. Perdido após a morte do proprietário até ser encontrado pelos trabalhadores da fazenda.

Sem saber com o que estavam lidando, eles usaram o Alfa Romeo G1 como um carro para pastorear o gado. Um uso colisão por colisão que levou à quebra do eixo traseiro, daí usando seu motor para bombear água de poços. Algo para o qual Merosi não o projetou. Mas teve um ótimo desempenho graças ao forte torque de 293 Nm manipulado por este seis cilindros em baixas rotações.. Assim, longe de Milão e de seu destino nas competições, este Alfa Romeo G1 sobreviveu até que em 1964 alguns torcedores locais o encontraram. Nesse ponto, uma série de restaurações começaram, graças às quais agora se parece com um dos carros de colecionador mais interessantes da história.

Fotografias: RM Sotheby's

PD Quando dissemos "um dos carros de colecionador mais interessantes da história", não o dissemos apenas. E é que, para todos aqueles fetichistas das genealogias motoras, este Alfa Romeo G1 de 1921 passa a ser, possivelmente, o mais antigo preservado com este nome. Algo que até mesmo os especialistas em RM Sotheby's. Empresa que o leiloou pela última vez em 2018 em Phoenix, Arizona.

O que você acha?

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

52.3kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.4kSeguidores