Alpinche
in

Eu amoEu amo

Marcado pelo fogo. 50 anos desde a estreia do Alpinche na competição

Dentro da história do rali em Espanha existe um nome que se destaca pela sua originalidade mecânica. Estamos falando sobre o Alpinche. A criação única do Estanislao Reverter, fruto da montagem do motor de um 911 com base num Alpine A110 para posteriormente terminar a montagem de peças de automóveis tão distintos como o VW Beetle ou o Land Rover. Apenas um 13 de agosto como hoje - mas meio século atrás - viu sua estreia nas corridas.

Fotografias da Alpinche: Fundação Estanislao Reverter

Talvez seja devido ao grande número de seções sinuosas entre a aldeia e a aldeia. Ou talvez por causa das horas de chuva que o convidam a se abrigar dentro de casa fazendo trabalhos manuais em vez de ficar ao ar livre. Mas o produto é o mesmo: a enorme paixão pelos ralis no quadrante noroeste da Península Ibérica. É aí, sobretudo na Galiza, onde uma multidão de adeptos e equipas são protagonistas de modificações mecânicas e de acontecimentos desportivos muito mais frequentes do que noutras zonas do país.

Um ambiente perfeito para o desenvolvimento de símbolos especiais para o automobilismo espanhol, como Estanislao Reverter e seu Alpinche. Uma máquina que hoje, 13 de agosto, comemora meio século desde a sua primeira prova por ocasião do IX Rali Rías Bajas. Competição em que seria bicampeão, após ter conquistado a terceira posição durante sua estreia em 1971. Algo mais do que meritório. Pois, como em toda a história do veículo, as coisas pareciam mais fruto do acaso e do ímpeto de Estanislao Reverter do que de um acontecimento sóbrio e normal.

Neste caso, o primeiro contacto do Alpinche com a competição foi marcado por um forte incêndio na oficina onde estavam a ser dados os retoques finais. Um incidente que quase terminou em tragédia quando o próprio Reverter o sufocou sozinho com a ajuda de um extintor de incêndio. Um ato de bravura pelo qual o Alpinche foi salvo das chamas, mas que ao mesmo tempo produziu queimaduras no rosto e nas mãos de seu criador e piloto. Um verdadeiro torcedor de rally que, contra todas as probabilidades, chegou a meio da tarde daquele 13 de agosto de 1971 às verificações do IX Rali Rías Bajas.

ALPINCHE. FABRICAÇÃO DE VIRTUDE DE INCORPORAÇÃO

Adaptar-se a mudanças e eventos imprevistos é uma necessidade evolutiva. Tanto é assim que, com um único olhar para a natureza, podemos encontrar vários casos em que uma virtude foi dada ao que era um problema em primeiro lugar. Um argumento científico que no caso de Estanislao Reverter e seu Alpinche se cumpre perfeitamente. Então o que se tornou um dos carros de rali mais importantes da cena espanhola nasceu de um acidente. Especificamente aquele que José Pavón tinha com um Porsche 911 R de propriedade da Reverter. Golpeando-o contra um petril na descida do Rodicio durante o IV Rally de Orense em 1970.

Uma batida tão forte que obrigou partes da carroceria e outros elementos a serem desfeitos. Embora o motor tenha sido retido pelo Reverter por uma ideia arriscada, mas não carece de lógica. Incorpore-o a um Alpine A110. O carro de rali com o melhor comportamento dinâmico do momento, junto com outros muito melhores como o Lancia Stratos. Assim as coisas, Reverter começa um trabalho artesanal junto com os mecânicos para modificar o chassi auxiliar traseiro a fim de montar o motor 911. Um processo em que o Alpine A110 está em constante mudança, recebendo todo o tipo de peças novas com origens tão diversas como o eixo traseiro ou os rolamentos. Extraído de um fusca VW e um Land Rover, respectivamente.

Claro, sempre operando sob o lema do Reverter, que optou por aproveitar e acoplar, mas nunca deformar. Uma maneira de fazer as coisas voltada para a Alpinche, concebida com a leveza do A110 e a potência do Porsche de seis cilindros. Tudo isso para entregar 220CV por apenas 600 quilos. Misture tão eficiente que o eixo dianteiro levantaria ao acelerar. Por isso, duas barbatanas tiveram que ser incorporadas, brincando com a aerodinâmica para colar o carro ao solo e assim torná-lo manejável com a direção.

UMA ESTREIA CONTRA O FOGO

Como vimos, a própria gênese do Alpinche já era ousada e surpreendente. Duas características que sempre o assombravam, pois durante anos não parava de receber mudanças de aparência e atualizações mecânicas. Uma longa vida cheia de bons lugares no Rally Espanha. A qual Poderia ter sido truncado dias antes da largada no IX Rali Rías Bajas em 1970. Tudo devido a um incêndio provocado pela bituca de um cliente nas oficinas Land Rover de propriedade da Reverter, onde estavam sendo feitos os últimos ajustes no Alpinche já cadastrado na placa OR-31516.

Alegadamente, por curiosidade para ver o que estava sendo cozinhado na oficina, esse cliente entrou em uma área reservada onde latas de 98 super gasolina de octanagem eram armazenadas. O necessário para carros de competição, abastecidos por aqueles em apenas dois postos de gasolina na Galiza. De repente, as chamas produzidas pela inoportuna bituca de cigarro causaram um forte incêndio que afetou a área onde o Alpinche estava localizado. Diante da derrota geral, apenas Estanislao Reverter enfrentou as chamas com um extintor. Sufocando o fogo, mas também sofrendo queimaduras no rosto e nas mãos.

Situação com a qual poucos pensaram que iria partir - poucos dias depois - do Rali de Rías Bajas. Por ele, Quando Reverter apareceu no cheque naquela tarde de 13 de agosto de 1971, coberto de pomadas contra a pele queimada, a surpresa foi capital.. Ainda mais quando ficou em terceiro, alcançando o topo do ranking nos dois anos seguintes. Sem dúvida, uma estreia épica para o Alpinche, que agora faz 50 anos desde sua primeira corrida prestes a ser meticulosamente restaurado pela Fundação Estanislao Reverter.

Algo sobre o qual iremos informá-lo com muito mais detalhes em breve.

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores