in

Os Amigos dos Veículos Históricos da Velha Península Ibérica visitam a Guarda Real

Há um clube que tem recebido todo o meu apoio e atenção desde sua criação. Por vários fatores, sempre me senti ligada a ele: por um lado, sou sócio desde que praticamente se formou, lá em 2010 ou 2011; também é um clube nascido na web Pele de touro, do qual sou um participante regular.

É sobre o clube Amigos dos Veículos Históricos da Antiga Península Ibérica.

Aos poucos o clube está amadurecendo como tal, com a participação de mais adeptos, um grupo verdadeiramente heterogéneo que nada mais faz do que enriquecer o próprio clube. Cotas apertadas, aliadas a passeios variados e divertidos, fazem com que aos poucos seus fãs cresçam.

A última saída foi ao Museu que a Guarda Real tem na cidade madrilena de El Pardo, onde num chuvoso sábado, 22 de outubro, fomos informados em uma visita privada a história deste estabelecimento militar que data da época dos Reis Católicos. A visita culminou com a impressionante coleção de automóveis clássicos nos quais foi possível admirar alguns daqueles que nossos reis ainda hoje usam em atos oficiais.

Oficiais clássicos vigiados pela Guarda Real

Todas as peças aí expostas têm um valor indiscutível, tanto económico como histórico. Peças tão impressionantes como os 3 Rolls-Royce Phantom IV (dos quais apenas 18 unidades foram fabricadas, todas diferentes, e principalmente destinadas a Chefes de Estado e Reis), que incluem a cabra que acompanhou nossos atuais monarcas no dia de seu casamento, ou Felipe VI em sua coroação.

Esta coleção é composta basicamente pelos incríveis carros que estiveram a serviço do ex-Chefe de Estado e ditador. Sr. Francisco Franco, dos anos cinquenta até sua morte em 1975. A partir do período posterior, a partir de D. Juan Carlos I, apenas uma unidade do Rolls Royce Corniche está exposta e um curioso Seat 600 recarregado como carro de corrida para Felipe VI quando criança.

Dentro do museu existe uma unidade que se destaca com luz própria, e é a Mercedes 540 g4 (Tipo W31) que Hitler deu ao General Franco. O carro tem muita lenda negra, no máximo o que rodeou a vida dos dois ditadores; A verdade é que hoje não é o único Mercedes de 6 rodas tipo 31 daquela época que pode ser cogitado; há outro, por exemplo, no Museu Alemão de Sinsheim.

O que é verdade é que é o mais original isso é conhecido; já que seus pouco mais de 19.000 km estão todos registrados e incluem anedotas como a passagem do próprio Ike (D. Eisenhower), do pardo para o heliporto próximo de Mingorubio, que foi tomada de forma bastante positiva, como se fosse a exibição de um troféu de guerra .

Cozinhado para terminar a peça

Depois da visita privada ao museu que reúne cerca de vinte automóveis e motos, os sócios do clube assistiram a uma degustação de um magnífico guisado madrilenho num dos restaurantes locais.

Nesta ocasião, a maioria optou pelos seus veículos modernos pela concentração anterior, visto que as previsões ameaçavam fortes chuvas, aspecto que foi plenamente cumprido ...

Ainda assim, alguns corajosos ousaram com suas selas clássicas sendo capazes de ver estacionado perto do quartel o magnífico Saab dois tempos da E. Tejera, um Dyane 6 ou um Porsche 964 Turbo. Mais uma vez esta variedade de carros só confirma a riqueza e diversidade deste clube ”Amigos dos veículos históricos da antiga Península Ibérica ”.

O que você acha?

Antonio Silva

Escrito por Antonio Silva

O meu nome é Antonio Silva, nasci em Madrid em 1973. Graças à minha empresa pude conhecer em primeira mão todas as fábricas de veículos nacionais e algumas europeias, bem como muitas das fábricas de componentes, esta sendo nada mais que um incentivo para o meu hobby ... Veja mais

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.3kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.1kSeguidores