in

Da Argentina ao Alasca em 600

Quando se pergunta a Santiago Uranga como surgiu essa ideia, é impressionante conhecer a divertida anedota que deu origem à viagem: “Achei que o carro estava errado com os papéis, mas queria ir para o Uruguai. Então as autoridades me disseram: "Você pode ir para o Alasca com este." "Por que não?", Perguntei-me, e decidi chegar lá com o Fiat 600 ".

Então a lâmpada de Uranga foi acesa e ele se propôs a fazer a viagem começando na Argentina e terminando no Alasca. Depois de pensar no assunto, ligou para o amigo Juan Manuel Rizzatti e pediu-lhe para ser seu co-piloto.

"Você fez minha manhã feliz", Ele respondeu, e foi assim que, logo, em 14 de janeiro, começou a grande aventura de viajar 22.000 mil quilômetros pelo continente americano a bordo de um Fiat 600 1964 apelidado de “Brasita”.

Subtítulo
Santiago Uranga e seu Fiat 600 em algum lugar do México

Nesse dia, os dois torcedores partiram do Monumento à Bandeira de Rosário em direção ao incerto, mas com um grande objetivo: conscientizar sobre o meio ambiente e promover o reflorestamento.

“Estamos semeando sementes nativas com uma técnica japonesa especial em cada região e em cada país que visitamos. Procuramos conscientizar sobre a necessidade de proteger o meio ambiente ”, Conta Rizzatti. "Semeamos as sementes usando uma técnica especial chamada Bomba de Argila, um experimento desenvolvido pelo pesquisador Masanobu Fukuoka que pode transformar terras áridas em férteis."

Ambos se declaram viajantes onde o cotidiano se resolve todos os dias; são leves como bagagem e com mais intuição do que mapas.

Subtítulo
Juan Manuel Rizzatti ensina as sementes utilizadas em seu trabalho ambiental

Além das sementes, carregam varas de pescar, um violão e uma gaita, com as quais Juan expressa seu gosto pela música e arrecada algum dinheiro. Além disso, com uma câmera, que Santiago usa para imortalizar as imagens que depois vende. De vez em quando recebem a contribuição de um clube clássico ou de uma agência Fiat ...

Eles não têm certeza de quanto tempo vai demorar para atingir a meta, eles pensam que talvez um ano. Eles andam entre 60 e 90 quilômetros por hora, durante o dia e às 11 cortar.

A volta, de carro, avião ou a pé, terá como toque final um ato no Monumento à Bandeira, o mesmo que os viu partir há quase 11 meses. Eles estão atualmente no México, o que nos faz pensar que pode demorar um pouco mais do que o esperado para completar a turnê.

Seja como for, depois de acertar as contas com este desafio, eles planejam editar um livro, "Alasca, lá vamos nós", que reúne tudo o que viveu nessas dezenas de milhares de quilômetros de viagem. Por enquanto, encorajamos você a segui-los em seu blog ou em seu perfil Facebook.
 
 

 
 

Avalie este artigo e Comente!

O que você acha?

Johanna betermi

Escrito por Johanna betermi

Johanna Betermi é uma dominicana que vive em Madrid. Formou-se em Comunicação Social pela Universidade Católica de Santo Domingo, obtendo posteriormente uma bolsa estadual de excelência acadêmica que lhe permitiu cursar o Mestrado em Jornalismo Televisivo ... Veja mais

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores