127 sede
in

Eu amoEu amo SurpresoSurpreso RI MUITORI MUITO Pero qué ??Pero qué ??

Seat 127 Vs. Ibiza FR: repugnantemente bom

Na verdade, nojento pra caralho. É assim que seu dono o define. E vimos isso subir como um desfiladeiro em uma montanha de foguetes. O que 127 terá? Nós comparamos com um Ibiza FR atual para tentar descobrir ...

TEXTO COMPARATIVO SEAT 127: JAVIER MARTÍN / FOTOS: A ESCUDERÍA

Sempre foi dito que o renault 5 Foi um carro revolucionário que marcou um antes e um depois no mercado. E é verdade em muitos aspectos, bem uma infinidade de soluções e propostas ainda são usadas hoje; eles evoluíram e se adaptaram, mas ninguém contesta a origem. Coisas como os pára-choques de poliéster, a paleta de cores, a gama oferecida ... 

O número 5 é especial para o segmento de utilidades e para a própria Renault, que o está recuperando para fortalecer seu futuro elétrico. Porém, há inovações que não são atribuíveis ao R5, mas sim ao FIAT 127. Um carro que chegou ao mercado um ano antes de os franceses “se tornarem” SEAT em 1972, e não só se tornou SEAT, pois como o 124 foi fabricado em vários países sob licença, como a Polónia (Polski -FIAT 127) ou Brasil (FIAT 147). 

127 sede

Quando o 127 foi colocado em serviço, os italianos queriam preencher a lacuna no FIAT 850. Como esperado, a mudança foi totalmente drástica. Era tão radicalmente oposto e moderno que foi um sucesso desde o início. Para entender a importância do 127, mesmo que seja um FIAT e poucos queiram saber alguma coisa sobre ele pela marca, basta compará-lo com o "oito e meio": Motor dianteiro transversal e tração dianteira, um design muito próximo do que hoje se entende por utilidade. Cabine extraordinariamente espaçosa por seu tamanho e aderência à estrada que ainda hoje atrai a atenção. 

Há coisas em que a modelo francesa venceu, como oferecer uma gama descaradamente jovem ou na inclusão de pára-choques "plásticos". Uma solução que a FIAT não utilizou até a chegada da terceira geração do 127, o Fura na Espanha (no segmento B, claro). Detalhes que lhe deram um ar mais moderno, mas que não compensaram a diferença no comportamento dinâmico ou no uso da cabine.

Evolução constante: do Seat 127 ao infinito

Com os carros de hoje, alcançar um salto tão notável na evolução é quase impossível. A única coisa que poderia quebrar todos os moldes é que a tecnologia elétrica se equipara, em tudo, à combustão interna e para isso ainda há trabalho pela frente. E quando isso for alcançado, o impacto não será tão grande porque já estaremos acostumados com a eletrificação e a teremos visto evoluir. 

Na verdade, as pessoas nem percebem essa evolução sofrida pelos carros. Passou de carros com CD player, que no fim sempre acaba mudando, para carros que nem têm botões e tudo é gerenciado em uma tela. Até do celular, que também passou por uma evolução brutal. Mas é curioso ver como as pessoas percebem e apreciam a mudança na telefonia, enquanto o mesmo não acontece com os carros. Além do mais, o normal é que toda a gente reclama dos preços sem olhar para mais nada, mas pagam mais de 1.000 euros pelo mais recente "smartphone" e justificam-no. 

SEAT Ibiza FR 1.5 EVO DSG-7

Esses preços altos, porque são sem dúvida, não são um capricho. E não importa o que algumas pessoas digam ou pensem, as marcas calculam e definem o preço com muito cuidado. Uma taxa errada pode levar a grandes perdas, tanto por excesso quanto por inadimplência. Um preço alto é tão ruim quanto um preço baixo. Você tem que pagar as despesas e ganhar dinheiro: Se o preço for alto, não se vende o suficiente; se for baixo, você não ganha o que precisa. 

Para entender a mudança sofrida pelo carro, culpado de preços mais altos do que nunca, é preciso passar por uma comparação traumática como a que vivemos muito recentemente. Conseguimos colocar um SEAT Ibiza FR 1.5 EVO DSG-7 e um SEAT 127 de segunda geração frente a frente. E fomos tomados por um choque notável. É uma experiência que todos os usuários devem viver para apreciar como é e entender como circulou e como foi percorrida décadas atrás. Tem sido uma diferença muito mais notável do que quando pudemos compare o Peugeot 405 Mi16 com o Peugeot 508 GT Hybrid

Resumindo, pudemos enfrentar um carro de 1977 e outro de 2021. Bem, na verdade, o Ibiza que a própria SEAT nos emprestou está “pré-restyling”. A marca apresentou um redesenho e atualização de sua utilidade, que entrará em circulação em breve. Embora não afete a comparação com seu antecessor, que em breve fará 50 anos: O SEAT 127 fará aniversário em 2022. 

Uma mudança traumática

Fui ao encontro com o "tataravô" numa sexta-feira de manhã (se formos 100% fiéis à genealogia, o avô do Ibiza é o Fura, a terceira geração do 127). Estávamos confortavelmente sentados, ouvindo música, sem prestar a menor atenção à mudança (era uma automática de dupla embreagem).Com o ar condicionado refrescando a cabine de uma Ibiza de última geração. Nada nos fez prenunciar o quanto sentiríamos falta desse elemento. 

Uma vez com ele "vinte sete" frente, ficamos surpresos que ele tinha uma cor semelhante ao Ibiza e ... esse carro era realmente tão pequeno? A mente nos engana totalmente e não nos lembramos dela tão minúscula. Nem havíamos começado a comparar carros e a evolução já estava nos atingindo. O design, uma coisa de modas e tempos, é radicalmente diferente. Por outro lado, algo absolutamente normal e, para ser sincero, com uma importância um tanto secundária. Porém, o som do motor e até mesmo o cheiro da cabine levam você de volta a outra era. O “nosso” SEAT 127 cheirava a 1430 do meu avô e o som, sem filtros (não tem catalisador nem filtro de partículas, que eles nem imaginavam) levou-me de volta à infância. 

Há algumas coisas a comentar, como o estado do SEAT 127. Não foi totalmente restaurado e tem algumas pequenas coisas como resultado de sua idade e manutenção. Também tem sido usado para ralis clássicos e montagens dos instrumentos de medição. O estofamento do assento não é o original, embora esteja em um estado excepcional. Caso contrário, tudo de origem. 

Com isso esclarecido, continuamos. O simples ato de sentar no 127 depois de sair do Ibiza é, como dissemos, um choque. Os assentos de Ibiza são espetaculares, tanto pelo design quanto pelo estofamento. A evolução é tão grande que é difícil entender como eles poderiam viajar antes nesses assentos. A mesma coisa acontece com a posição de direção, a mudança é tão grande que requer algum tempo para se adaptar se você nunca dirigiu um carro assim. 

Um dos melhores em comportamento dinâmico: Seat 127

Tudo isso que foi mencionado, a posição ao volante, os bancos, até mesmo o design dos elementos que configuram a cabine e seus equipamentos, são coisas cujo desenvolvimento envolve uma grande quantidade de dinheiro. Também contribui para o aumento da disponibilidade de melhores equipamentos, muitas vezes padrão. Comparativamente, o interior do "vinte e sete" parece estar vazio e o do Ibiza cheio de coisas.

Se formos para a seção de segurança, é até assustador. Não há nenhuma estrutura de absorção de choque, nenhum servo nos freios, nenhuma direção hidráulica e muito menos ABS ou pré-tensores de cinto. Além do mais, colocar o cinto de segurança não lhe dá nenhuma sensação de segurança. A impressão é de usar um verdadeiro "corrimão". Visto da nossa perspectiva atual, torna as "viagens à praia" verdadeiras proezas.. Como eles seriam em um ASSENTO 600

Assim, Não é surpreendente que, uma vez que o SEAT 127 esteja em andamento, ele surpreenda para melhor.. É verdade que a direção não é tão precisa como agora. Que a ausência de assistência torna as manobras paradas uma exigência e que, além disso, é preciso movimentar-se no banco para trabalhar todo o aro do volante. Também é verdade que os pedais estão muito próximos uns dos outros e que a caixa de câmbio tem viagens opressivas (e uma sensação que faz você duvidar se a marcha esteve constantemente engatada). Mas como esse velho cativante se move!

Quando o 127 começou a desfilar pelas estradas europeias, foi considerado um dos melhores da sua época pelo desempenho e comportamento dinâmico. Trecho que hoje, 50 anos depois, permite que você se desloque com muita facilidade no trânsito atual. Exceto que minha cabeça estava roçando o teto e a posição do volante, você acaba dirigindo no mesmo ritmo que o resto dos carros quase sem perceber

Existem coisas que forçam uma "mudança de chip". Não admira que o SEAT 127 tenha cerca de 50 anos. Então, por exemplo, se você freia com as mesmas referências de um carro moderno, você se pegará prendendo a respiração, pressionando o pedal com toda a força e esperando por um enorme "Colidir" algum dia. É preciso antecipar, frear cedo e empurrar, embora menos do que o esperado. Se você também se ajudar com a mudança, muito melhor. 

127 sede

As curvas são igualmente delicadas vindo de um carro moderno, se você quiser negociá-las a bom ritmo.. E não é um problema de estabilidade: o limite é notavelmente alto para o que eu esperava no início. O problema vem das formas estranhas do assento (eles não seguram nada e o encosto é muito, digamos, estranho, você afunda nele), a ausência de um apoio decente para o pé esquerdo e um volante horrível e mais adequado posição de um caminhão. Ou dito de outra forma, você se encontra fazendo uma curva em uma velocidade aparentemente demoníaca, com seu corpo inclinado para o lado interno da curva, girando o volante da melhor maneira possível e pensando "Nós vamos nos matar!" Resumindo, é emocionante.

Obviamente, depois de trocar o chip, as coisas não são tão dramáticas. Na verdade, depois de se adaptar às peculiaridades do SEAT 127, você se torna um dos carros. Dá mais trabalho do que no Ibiza, você tem muito calor (que grande invenção, ar condicionado!). E você não está tão confortável, mas você não é um estorvo para os outros, você tem o mesmo ritmo que o resto. O melhor de tudo é a torrente de sensações que vem de todos os lados podendo até mesmo se divertir em seções curvas. O carro não perde a compostura, ele agüenta muito mais do que aparenta e você sabe a todo momento onde estão os limites. Você não está isolado do lado de fora como em um carro atual, e isso é apreciado. 

Colocar-se no comando do Ibiza depois de descer do 127 irá, sem dúvida, permitir que você experimente a evolução do carro em primeira mão. Existem fãs que, não importa o que mais, chamarão qualquer carro moderno de máquina de lavar. Mas estamos simplesmente diante de uma percepção e opinião muito pessoais. É verdade que as sensações em um carro moderno são muito filtradas, mas a evolução entre o Ibiza e o 127 é, simplesmente, brutal. Design, materiais, ergonomia, equipamentos, tecnologia, motores ... 

Con el SEAT Ibiza, que ha alcanzado el tamaño que tenían los compactos a inicios de los 90 (mide 4.059 milímetros de longitud mientras que, por ejemplo, un Golf III medía 4.020, y éste es además más estrecho), todo es más fácil y mais rápido. O motor da unidade fornecida pela SEAT, com 150 cv, só precisa de um centímetro do acelerador para deixar o 127 para trás em qualquer circunstância. E as curvas podem ser tão rápidas que deixam os cabelos em pé. Além disso, fá-lo com uma simplicidade ainda mais assustadora, porque não se dá conta da velocidade real a que está a conduzir. 

SEAT Ibiza FR 1.5 EVO DSG-7

O SEAT Ibiza FR 1.5 EVO DSG-7 é um grande carro, ninguém duvida. Sim, tudo bem, é uma “máquina de lavar”, mas dá-me esta máquina de lavar para o dia a dia e até para espalhar na estrada da montanha. E o 127 para realmente gostar de caminhar e dirigir de vez em quando e com o único objetivo de dirigir, como se fazia no passado (e por puro vício). 

Que esta aventura sirva como homenagem aos 50 anos da FIAT 127. Temos mais uma festa preparada para o "nosso" 127 ... 😉

Epílogo: As impressões de seu dono (Antonio Silva) ...

«A primeira vez que o vi, parecia um carro velho e nojento ... Lembro-me que tinha relva natural na entrada de ar da caçamba do capô. Ele havia crescido lá desde o momento em que estava de pé. Mas eram os primeiros noventa, e o carro era um "presente" (bastante envenenado): "Filho, basta pagar os números que lhe são devidos e é seu." Pague mais de 35.000 pesetas de números, cerca de 200 euros correntes; 4 ou 5 impostos eram devidos.

O carro ligou assim que a bateria chegou perto, sim. No começo ele estava me levando para a faculdade, ou eu ia encontrar minha namorada na época. Aos poucos foi demonstrando seu potencial como máquina de aprendizagem de mecânica e não como meio de transporte. Freios, ajuste da placa, troca da vela de ignição, óleos. Um dia depois de dois anos, a embreagem quebrou; Com as finanças maltratadas de um estudante universitário e com a ajuda ocasional de meu pai, consegui consertar isso também.

127 sede

O tempo passou e aquele carro nojento estava começando a ser aceitável. Na realidade, o casulo usava mais óleo do que gasolina, com um litro a cada 300 quilômetros ou mais. Decidi que era hora de comprar um BMW mas, como minhas finanças não eram suficientes para isso e eu tinha uma família na mecânica, decidimos construir o motor para ele. E assim esse carro aceitável tornou-se um carro aceitável que também andava muito e gastava pouco. Ainda parecia certamente nojento, desbotado, desbotado quando chovia (eu juro), e os bancos parcialmente quebrados rasgaram as calças dos meus amigos. Mas funcionou e foi fiel.

Aquele carro horrível viu muitas coisas, muitas. Normal para um cara de 20-24 anos, se eu falasse, hoje coraria. Levei Cáceres ao Engenho e depois ao Pardo. Finalmente os anos se passaram e minha situação pessoal melhorou muito, e com isso a economia muito importante. Então no final dos anos 90 ele parou de me servir, depois de quase 7 anos sem nunca me decepcionar e ter me dado 1001 aventuras.

127 sede

O 127 ficou estacionado ao ar livre por alguns anos em uma área privada. Um belo dia resolvi deixar como merecia: limpei a podridão que começava a ter, troquei os amortecedores, limpei o tanque, pintei de forma profissional. Foi estofado novamente, os assentos estofados foram trocados e eu o guardei em um depósito. De lá para cá não serão mais de 5.000 km, até porque fiz um rally de regularidade, me tornando o Clarita campeão de sua categoria.

Eu não uso nada no momento; Anos atrás, coloquei-o à venda por causa do hobby (e do amor) que tinha por ele. E tendo-o vendido, rachei-o e perdoei-o. Não sei porque, o fato é que é um carro nojento ...

Imundo hilário !! "

O que você acha?

21 Pontos
Upvote Downvote
Javi Martin

Escrito por Javi Martin

Se você me perguntar de onde vem meu amor por motores, eu não saberia como responder. Sempre esteve lá, embora eu seja o único na família que gosta deste mundo. Meu pai trabalhava como desenhista em uma empresa metalúrgica com muita produção de autopeças, mas nunca houve uma paixão como a que eu posso ter.

Gosto muito da história do automóvel e neste momento estou a criar uma biblioteca pessoal dedicada exclusivamente à história do automóvel em Espanha, sem esquecer as motos que tanto prestaram serviço na nossa "velha" Espanha. Também tenho uma coleção enorme de material digitalizado.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.3kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.1kSeguidores