SEAT Ibiza Twin Engine
in

Eu amoEu amo SurpresoSurpreso

SEAT Ibiza bimotor, um produto 100% nacional

Voltamos à nossa máquina do tempo particular, embora desta vez fiquemos relativamente próximos, viajaremos apenas até os anos 80, a década em que se apresentou o nosso protagonista, um dos SEATs mais especiais.

O SEAT Ibiza, a estrela indiscutível desde o primeiro dia de seu lançamento, é um carro vital para a SEAT, modelo líder em sua categoria com vendas respeitáveis ​​e referência no segmento. Mas nem sempre foi assim e apesar de querermos recordar uma das suas versões mais raras e originais, o SEAT Ibiza bimotor, não podemos ignorar o início do modelo.

A criação do Ibiza era uma necessidade urgente para a SEAT, que também não tinha muitos meios para colocar em circulação um modelo completamente novo e, como se isso não bastasse, desenhado e desenvolvido por eles a partir do zero. Isso fez, entre outras coisas, utilização da plataforma SEAT Ronda, que foi uma evolução daquela utilizada no SEAT Ritmo, cujo design foi obra da FIAT. No entanto, o Ibiza tem a honra de ter sido o primeiro modelo que a SEAT desenhou e desenvolveu sozinha.  

É verdade que esta plataforma já tinha alguns anos atrás e não era propriamente a última das últimas tecnicamente falando, mas a SEAT estava abaixo do mínimo e não podia investir numa nova, embora esta também tivesse algumas vantagens como como uma grande cabine para seu segmento. O resto do carro foi o resultado de múltiplas colaborações industriais, com carroceria desenhada pela Italdesign (o mestre Giugiaro), que reciclou um projeto para a segunda geração do Golf que a Volkswagen rejeitou (pelo menos é o que se diz), Karmann ajudando na industrialização e Porsche colocando seus conhecimentos para a tecnologia dos lendários motores «System Porsche».

As origens

Já sabemos o resultado da soma de todos os fatores: a primeira geração do SEAT Ibiza, cuja primeira unidade deixou a Zona Franca de Barcelona em 27 de abril de 1.984 e que em 1.993 foi inaugurada a fábrica de Martorell. O SEAT Ibiza preencheu a lacuna do Fura e não menos que 1.308.461 unidades da primeira geração foram vendidas. 

Foi o início da projeção internacional da marca com exportações de 69% E teve inúmeras variantes das quais, inevitavelmente, deve ser destacada a mais desportiva e potente de todas: o SEAT Ibiza SXi, que estava equipado com o motor "System Porsche" de 1.500 centímetros cúbicos de 100 CV e que tem muito a oferecer. fazer com o SEAT Ibiza bimotor (desse Ibiza, do SXi, posso contar várias anedotas porque meu primeiro carro era preto, mas não quero me envolver muito).

Foi quando apareceu o SEAT Ibiza SXi, exatamente onde queríamos ir. Naquele ano foi criado o Ibiza mais raro de todos, que, não vamos nos confundir, era um projeto externo à SEAT, embora a marca tenha participado da criação e acabado construindo uma unidade à imagem e semelhança da primeira. Mas isso diremos a vocês mais tarde, que não temos pressa.

Um projeto complexo de José María Serviá

Os arquitectos do bimotor SEAT Ibiza foram José María Serviá e o seu mecânico de confiança Valentín, que realizou o projeto nas oficinas do Motor Park em Barcelona. Eles usaram dois motores 1.5 'System Porsche' com suas respectivas caixas de câmbio e embreagem de forma que cada unidade de tração manuseia um par de rodas, ou seja, um motor dianteiro para mover as rodas dianteiras e outro atrás para mover as rodas traseiras. 

Isso, como esperado, Era uma complexidade técnica importante, uma vez que ambos os grupos de propulsão deveriam ser coordenados já que só havia pedal de acelerador, pedal de embreagem e seletor de marcha e a ideia era evitar transmissões e diferenciais intermediários. O mais complexo, e sempre de acordo com nossas fontes, acabou sendo o engate de engrenagem, o que não me surpreende, pois é algo que já é delicado em um carro convencional e aqui duas transmissões tiveram que ser coordenadas.

O uso de dois motores foi outro problema, o chassi obviamente não foi projetado para esta finalidade.r, por isso foi resolvido com outra ideia não menos complexa: duas seções dianteiras do chassi. Assim, como está, incluindo o esquema de suspensão McPherson, que também foi muito mais eficiente do que o eixo rígido com mola cruzada que o carro tinha de série (garanto que o eixo rígido com mola original é um incômodo em estradas mal pavimentadas. quando você fica um pouco "feliz"). Ainda por cima, o motor traseiro não tinha uma refrigeração que dizemos, aceitável, o que significava colocar as entradas de ar que ficam bem nas janelas laterais traseiras.

Portanto, Sob a carroceria aparentemente convencional do bimotor SEAT Ibiza, duas partes dianteiras unidas estão escondidas, com dois motores 1.5 "System Porsche" com suas respectivas caixas de câmbio e embreagem que também possuíam um grupo curto e autotravante para cada eixo, além de dois esquemas de suspensão McPherson projetados para o eixo dianteiro. Que panorama ... Mas aqui os elementos duplicados não acabam, pois o painel de controle tinha dois contatos, dois contadores de rotação, dois medidores de temperatura e dois outros indicadores de pressão de óleo.

Bom desempenho e alguns resultados notáveis

Ao todo, 250 cv foram entregues ao solo, 125 cv extraídos de cada motor após algumas modificações. Porém, não são números exatos, pois segundo a fonte, eram 132 cv por motor, oferecendo um total de 264 cv. O desempenho foi muito bom, mas sua configuração e direção foram um pouco delicadas.. Serviá mencionou que o habitáculo estava muito quente porque o segundo motor, o traseiro, não era isolado e também comentou que a inércia da aceleração fazia o motor dianteiro trabalhar entre 1.500 e 2.000 rotações acima do traseiro. E não havia direção hidráulica, o que tornava a pilotagem um exercício físico notável. 

A SEAT, através da, na época, recém-criada a SEAT Sport, acabou fabricando outra unidade exatamente igual ao qual José María e Valentín criaram, com a exceção de que a mecânica atingiu 140 cv, e estes dados são precisos e corretos, já que a própria SEAT o confirmou enviando o Ficha técnica SEAT Ibiza Twin Engine.

Com o curioso logótipo "1.5 X 1.5" na tampa da bagageira, a aventura durou apenas três temporadas, 1.986, 1.987 e 1.988, com Serviá no carro que ele próprio construiu e Toni Rius no da SEAT Sport, conseguindo várias vitórias no Campeonato Espanhol de Rally Gravel, onde terminou como vice-campeão nas temporadas 86 e 87, sendo terceiro em 1.988.

Embora seja verdade que a versão com mais palmas no rally e realmente reconhecida mundialmente é o espetacular SEAT Ibiza Kit Car, que foi feito com os títulos de 1.996, 1.997 e 1.998, O SEAT Ibiza bimotor é um carro de corrida 100% nacional que apareceu quando a marca não estava no seu melhor e além disso, é a versão mais corrida e surpreendente da primeira geração do modelo. A intenção era registrar o carro no Grupo S., mas o cancelamento do Grupo B e, portanto, do Grupo S, derrotou os objetivos da SEAT e o Ibiza Twin só poderia competir na pátria.

O que você acha?

Javi Martin

Escrito por Javi Martin

Se você me perguntar de onde vem meu amor por motores, eu não saberia como responder. Sempre esteve lá, embora eu seja o único na família que gosta deste mundo. Meu pai trabalhava como desenhista em uma empresa metalúrgica com muita produção de autopeças, mas nunca houve uma paixão como a que eu posso ter.

Gosto muito da história do automóvel e neste momento estou a criar uma biblioteca pessoal dedicada exclusivamente à história do automóvel em Espanha, sem esquecer as motos que tanto prestaram serviço na nossa "velha" Espanha. Também tenho uma coleção enorme de material digitalizado.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores