in

Panda Raid, para o deserto

Entre 7 e 16 de março, a VI edição do Panda Raid foi realizada no Marrocos.

Panda Raid é uma viagem pela geografia do país do Magrebe que se divide em sete etapas a partir de um percurso marcado pela organização e secreto até a entrega do roadbook, para veículos Seat Panda, Seat Marbella e Fiat Panda anteriores a 2003.

Para a preparação da viatura, a organização obriga a ter uma série de elementos obrigatórios, tais como guarda cárter, extintor de 2 kg, anel de reboque, eslinga de no mínimo 5 metros; manilhas, ferramentas básicas, duas rodas sobressalentes e bidão de 20 litros. É aconselhável trazer também algumas peças de reposição básicas.

Da mesma forma, para a segurança das equipas participantes é obrigatório ter os seguintes elementos: bússola, mapa de Marrocos, especificamente Michelin 742; cinco litros de água por pessoa, tomada de isqueiro no carro, kit básico de primeiros socorros, localizador SPOT, saco de dormir por pessoa e barraca.

Subtítulo
Para entrar nas encostas do Marrocos você tem que estar bem equipado com elementos de apoio

Apesar dos diferentes motores do Panda, a escolha de um mesmo modelo de carro permite que as equipas se sintam mais apoiadas na hora de encontrar uma peça sobressalente ou completar os seus conhecimentos mecânicos para resolver imprevistos que possam surgir em automóveis com mais de 20 anos.

A máquina

No nosso caso, depois de estudar as possibilidades dos carros que eram oferecidos no mercado de usados, adquirimos um Fiat Panda Trekking 4 × 4 da 92 com motor 1100 e caixa de 5 velocidades. O Panda é um tipo de carro que está na moda no meio rural e, apesar da aparente carga de trabalho, é no campo onde se podem ver as unidades a circular em melhores condições. Mais especificamente, o Panda 4 × 4 é normalmente encontrado em áreas montanhosas, onde os invernos são mais rigorosos.

Para preparar o Panda, que já estava em muito bom estado quando o adquirimos, bastava limpar o motor, trocar as velas, os cabos, a tampa da correia dentada quebrada -importante para que não entre poeira-, novo delco, alguns cabo de conexão e pouco mais. Tivemos que colocar duas tomadas de isqueiro e um interruptor manual para o ventilador elétrico. Também trocamos os para-choques, que tinham colchetes quebrados e não seguravam bem por novos - muito baratos, aliás - e alguns moldes quebrados.

Subtítulo
Saindo da montanha para ir para o deserto ...

As peças sobressalentes são fáceis de encontrar, há várias páginas para escolher e a Fiat ainda tem algumas.

Para a skid plate, que se tornou essencial durante a viagem, partimos com uma certa vantagem. Os modelos 4 × 4 vêm de fábrica com uma placa deslizante em forma de H que só precisa ser forrada. Para isso levamos para a oficina que se encarregou de instalá-lo, e também aproveitamos para soldar dois anéis de reboque.

Também na nossa oficina de confiança consertaram alguns pontos de ferrugem que estavam nas portas e colocaram alguns assentos que fornecemos, que eram muito mais confortáveis ​​e envolventes do que os que o modelo traz de fábrica. Este último é altamente recomendado, pois você passa muitas horas sentado ao volante.

Subtítulo
Placa protetora e assentos um pouco mais confortáveis ​​são duas coisas que não devem ser esquecidas

No interior, além dos bancos dianteiros, também foram retirados os traseiros e a bandeja, deixando os cintos que serviam para prender parte da bagagem. Nossa intenção era - e é - deixar o Panda de origem novamente quando a viagem terminar.

Em relação às luzes, trocamos as lâmpadas R2 originais por lâmpadas halógenas com soquete H5 europeu. Como a instalação já possui os relés correspondentes que permitem a troca, não houve problema. Encontramos também um kit de luz auxiliar específico para o Fiat Panda, marca Lester que foi integrado na grade. Dá para ver nas fotos e acho muito estético.

[su_note note_color = »# f4f4f4 ″]

El viaje

A nossa equipa saiu de Maiorca e tivemos a possibilidade de fazer as verificações em Madrid ou Algeciras. Devido às combinações das rotas de ferry decidimos ir direto para Algeciras e assim economizamos alguns quilômetros. O navio deixou-nos em Valência às 20h00 da sexta-feira, 7 de março, e sem incidentes chegamos a Totana, em Murcia, onde passamos a noite num hotel muito confortável.

Na manhã seguinte partimos no caminho para a vila de Cádiz e o carro comportou-se muito bem, só nas subidas foi um pouco difícil se reconstruir e às vezes parecia atropelado por alguns caminhões que hoje circulam por nossas estradas. Também encontramos o estranho Panda que carregava nosso próprio destino.

[/ su_note]

panda_raid_2014_03
panda_raid_2014_04
1- Chegada a Algeciras
2- Para a balsa, a aventura começa

[su_note note_color = »# f4f4f4 ″]

Chegamos a Algeciras sem incidentes e após a rigorosa visita ao recomendado bar de tapas e o consequente aceno e homenagem a Paco de Lucía, partimos para as verificações. Lá nos reunimos com outros viajantes e com o pessoal da organização e procedemos ao cumprimento dos procedimentos obrigatórios. Depois, um tanque cheio e o hotel para descansar.

[/ su_note]
 

Continue Página 2 ...

O que você acha?

Escrito por Miguel Angel Menendez

Miguel Ángel Menéndez, fã de aventura, conta como se saiu no Panda Raid deste ano.

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.3kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.1kSeguidores