Citroën Visa
in

Eu amoEu amo

Citroën Visa, o primeiro "by PSA"

Poderíamos dizer que o Citroën Visa é um daqueles carros completamente esquecidos, ou quase. Ele é difícil de ver mesmo em ralis clássicos, raramente é citado por um fã e mesmo os fãs da Citroën não gostam dele. Claro que as versões desportivas vão até ao tejadilho ... mas mesmo assim é um carro com alguma importância na história da marca.

A indústria automobilística de hoje é, por assim dizer, complicada. Você pode estar pensando em comprar um carro específico, por qualquer motivo, mas é bem possível que aquele carro dos seus sonhos seja um "potpourri". Hoje não dá para falar de marcas, é melhor falar de grupos industriais: VAG, PSA, General Motors, Hyundai Motors ... 

O último a adicionar ativos foi PSA, iniciais, caso alguém não soubesse, de "Peugeot Société Anonyme", cuja tradução para o espanhol é bastante clara. Esse ativo tem sido a Opel, uma marca propriedade da General Motors há décadas (em 1931 ela assumiu o controle total da marca) e que passou a trabalhar ao lado da Peugeot, Citroën e DS Automobiles. Para muitos, é uma forma de perder personalidade, para outros é uma forma de enganar os clientes e, para outros, é a única forma de sobreviver no mercado extremamente competitivo dos dias de hoje. 

Ao juntar vários fabricantes sob o mesmo teto, os custos de desenvolvimento são compartilhados e, portanto, mais fáceis de suportar. Isso, por outro lado, faz com que muitos carros sejam quase idênticos sob a carroceria: plataformas, motores, sistemas, tecnologia; até mesmo detalhes que às vezes passam despercebidos, como os pedais, o teclado ou controles secundários, como alavancas para indicadores de direção e limpadores de para-brisa. Por isso, há muitos usuários que afirmam que é uma forma de enganar as pessoas, vender o mesmo carro, mas com carroceria diferente e ganhar o dobro. 

Não vamos julgar esse tipo de coisa aqui, embora vamos comentar que é uma afirmação errada. Nosso objetivo é lembrar um modelo que nasceu de uma dessas fusões, ou melhor, queremos lembrar o primeiro carro que nasceu da criação do PSA. Bem, na verdade a nossa ideia girou em torno da versão mais performance deste carro, embora para isso tenhamos que rever um pouco o lançamento do protagonista: o Citroën Visa. 

PSA nasce

O PSA não é apenas mais um conglomerado industrial do setor automobilístico, é um dos mais importantes da Europa e o maior fabricante de automóveis da Espanha (contribui com cerca de 8 ou 9% do PIB) e após sua fusão com a FIAT-Chrysler Automobiles, tornou-se a quarta maior fabricante de veículos do mundo

No entanto, quando esse grupo industrial foi formado, ele não era tão grande e importante. Eram os anos 70 e após resultados ruins, a Citroën estava em sérios apuros. Tinham adquirido a Panhard em 1965, com o objetivo de aproveitar a experiência desta empresa para criar uma gama completa de modelos que preenchesse a lacuna entre o simples Citroën 2CV e o sofisticado Citroën DS. Uma gama que obviamente acabou chegando e que também acabou sendo o principal problema da marca.

Na época em que a Citroën tinha sua gama completa, a crise do petróleo estourou e a empresa francesa estava em apuros. Tinha um alcance muito grande, mas também muito desequilibrado, o que o impedia de se adaptar às necessidades que estavam surgindo. A Peugeot aproveitou a situação e assumiu o controle da Citroën em 1975, criando o grupo PSA no ano seguinte, em 1976.

Foi então que projetos mais conservadores e menos arriscados começaram a ser implementados.Bem, a vida como um todo começou sendo bastante complicada. As sinergias de grupo também começaram a ser postas em prática, compartilhando componentes e desenvolvimentos (despesas incluídas, como é de se esperar).

Citroën Visa aparece

Você pode estar pensando que antes ficamos confusos, que o primeiro produto Citroën dentro da PSA não é o Visa, mas o Citroën LN. Por um lado, você está certo, mas, por outro lado, o LN não é um produto da Citroën em si. Na realidade, o LN era um patch, uma correção que a Peugeot fez a partir de seu pequeno 104, para cobrir o mercado e resistir à tempestade, enquanto a bagunça da Citroën era "consertada" e um novo modelo era moldado.

Embora possa parecer uma mentira, A Peugeot não tinha uma conta à ordem tão forte como agora e, naquela época, todo o dinheiro estava sendo levado pelo Citroën CX, deixando poucas possibilidades de investimento em novos projetos. Assim, a Peugeot pegou seu 104 (que também era comercializado como Talbot Samba) e o "rotulou" como Citroën. Tinha algumas diferenças, como os motores, mas eram mínimas.

Não podemos esquecer o acordo de quase-colaboração entre a Citroën e a FIAT. Antes da chegada do leão francês, a Michelin fazia parte da participação acionária da Citroën. Quando a FIAT assumiu parte da Michelin, os franceses testaram a possibilidade de ter a base da FIAT 127 (plataforma, carrinhos, travões, direcção…) para desenvolver e colocar em circulação um modelo que substituísse alguns dos "antigos" modelos, como o Ami, o Dyane 6 ou o incansável Citroën 2CV. Obviamente, as coisas não funcionaram e a chegada da Peugeot salvou a situação com o lançamento do LN.

Enquanto isso, o projeto que daria origem ao Visa continuou em andamento, mas desta vez com ares renovados. Foi tomada a plataforma do Peugeot 104 de cinco portas (ligeiramente modificado), foi equipado com uma carroçaria e interior 100% Citroën e foi apresentado no Salão Automóvel de Paris. A recepção inicial foi boa, embora de todos os modelos da marca, o Visa seja um dos mais criticados por sua imagem, tanto na época como hoje.

O Citroën Visa foi, realmente, o primeiro projeto de PSA, pois foi um desenvolvimento que começou quando o conglomerado se formou e compartilhou coisas com o Peugeot 104, sem ser uma mera cópia, como se fosse o Citroën LN. Do pequeno modelo Peugeot tirou-se a referida plataforma, o eixo dianteiro, a direção e um dos motores, mas era um carro completamente diferente e não só pelo design. Inicialmente utilizava o motor 2CV (dois cilindros, 652 cc e 35 cv), mas pouco depois passou a oferecer o bloco de quatro cilindros e 1.124 cc com 48 cv da Peugeot.

Restyling, novos motores e até mesmo tração nas quatro rodas

Embora a imagem do carro não agradasse a todos, como sempre acontece com os modelos Citroën, as vendas estavam em alta, como também costuma acontecer com esta marca. Mas isso não significa que tudo estava perfeito e quando chegou 1981, O Citroën Visa passa por um restyling, uma atualização que atinge a frente (finalmente aparece o nariz que carregaria o eterno C15) na parte traseira, proteções plásticas nas laterais da carroceria e uma cabine que recebeu elementos totalmente novos, mais modernos, de melhor qualidade e mais equipamentos.

Sob o capô, todas as mecânicas também foram renovadas, surgindo os primeiros motores diesel (Visa 17 D e 17 RD). Eles não eram como os motores a diesel que temos agora, pois produziam 60 cv, vibravam muito e emitiam fumaça de escapamento que teria escandalizado todos os atuais defensores dos carros elétricos. Mas isso não era o melhor, ainda havia coisas por vir.

Um deles, mais do que interessante, era o Visa Chrono, que além de uma carroceria mais esportiva e aerodinâmica, tinha um motor mais potente, um 1.4 litro de quatro cilindros (1.369 centímetros cúbicos) e 93 cv. Mesmo propulsor usado pelo Visa GT, embora nesse caso a potência fosse de 80 cv. Não podemos ignorar as pistas do Citroën Visa 1000, basicamente um projeto para o Grupo B, animado por um 1.4 litros de 112 cv e tração nas quatro rodas, que não foi muito longe dadas as limitações estruturais do conjunto (e o Citroën BX 4TC foi desenvolvido).

Citroën Visa GTi, o canto do cisne

Nesse ínterim, apareceu a melhor versão de toda a gama, uma versão que oferecia funcionalidades e mais uma imagem, digamos, aceitável, e que conseguiu convencer muitos utilizadores. Sirva como exemplo de que foi e continua a ser um carro bastante comum no rally, esporte em que se destacou. Nós nos referimos a Citroën Visa GTi, o canto do cisne do Visa, visto que apareceu apenas três anos após o fim de sua produção, deixando seu lugar para o sucesso Citroën AX.

Quando o assunto é o pequeno "GTi dos anos 80", o Citroën Visa sempre acaba sendo o grande esquecido. Todos se lembram do FIAT Uno Turbo, do Renault 5 Turbo ou do Ford Fiesta XR2, mas poucos se lembram do Visa GTi. É mais fácil para os fãs mencionar o AX GTi do que seu predecessor, embora, no fundo, seja um carro particularmente interessante. Por um lado, escondeu debaixo do capô o mesmo 1.6 de 105 CV da primeira entrega do Peugeot 205 GTi, um modelo que hoje é objeto de culto e que na época já estava no mercado há dois anos.

O 205 GTi também ocupou todo o eixo dianteiro, o que forçou algumas mudanças. Esse eixo era mais largo que o próprio corpo do Visa e exigiu uma pequena adaptação, daí a presença de aletas de plástico. Por sua vez, isso fez com que o eixo traseiro ficasse muito mais estreito que o dianteiro, afetando sua direção até o limite, embora o Sr. Arturo de Andrés, na revista Automobile 101 de junho de 1986, classificasse o Visa GTi como um carro delicioso de se dirigir e uso, com freios soberbos, luzes altamente eficientes e versatilidade acima da média.

É preciso dizer, porém, que Arturo falava da próxima versão que surgia do Visa GTi, que aumentava a potência do motor para 115 cv, melhorando o desempenho, mas acima de tudo, a elasticidade e versatilidade de uso da hélice. O que mais, o Citroën Visa GTi era um carro extremamente leve, um peso pena em relação ao seu homólogo atual, o Citroën C3, pois tem cerca de 200 quilos de diferença. O Citroën Visa GTi pesava apenas 870 quilos (o C3 mais leve ultrapassa os 1.000 quilos), sendo especialmente ágil e divertido nas curvas, embora com um pouco de nervosismo no limite no eixo traseiro.

Atualmente é difícil encontrar unidades do Visa GTi porque grande parte delas terminou seus dias nas especiais.. Era um carro especialmente popular entre os fãs de rally e isso fez com que muitas viagens terminassem abruptamente. Se vir uma unidade em bom estado e com um preço razoável (não passam de 6.500 ou 7.000 euros), pode não ter de se preocupar muito com isso.

O que você acha?

Javi Martin

Escrito por Javi Martin

Se você me perguntar de onde vem meu amor por motores, eu não saberia como responder. Sempre esteve lá, embora eu seja o único na família que gosta deste mundo. Meu pai trabalhava como desenhista em uma empresa metalúrgica com muita produção de autopeças, mas nunca houve uma paixão como a que eu posso ter.

Gosto muito da história do automóvel e neste momento estou a criar uma biblioteca pessoal dedicada exclusivamente à história do automóvel em Espanha, sem esquecer as motos que tanto prestaram serviço na nossa "velha" Espanha. Também tenho uma coleção enorme de material digitalizado.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores