in

Ralis na Espanha, Ferrari 308 Michelotto de Antonio Zanini em 1984

Nascidos no final dos anos 308 devido ao esforço do técnico Michelotto e à aprovação da própria Ferrari, os 4 GTB do Grupo 1984 são uma raridade na brita na história de uma marca focada nas corridas no asfalto. Além disso, uma das últimas páginas de glória dessas Ferraris foi vivida na Espanha, com a vitória de Antonio Zanini no Campeonato Espanhol de Rally de XNUMX a bordo não de um, mas de dois desses modelos.

Embora a Ferrari sempre tenha sido uma marca que optou por centralizar suas atividades esportivas na Scuderia, a verdade é que também soube terceirizar em algumas ocasiões. Nesse sentido, a primeira e mais recorrente coisa é nomear a prolífica relação entre Maranello e North American Racing Team. A equipe fundada em 1958 por Luigi Chinetti. Um velho amigo de Enzo Ferrari. Quem, além de ser importador da marca nos Estados Unidos contribuiu para o aparecimento de alguns modelos de competição solicitados pelo próprio. De fato, possivelmente o exemplo mais marcante dessa relação foi o espetacular 512 BB/LM com o qual ele considerou seriamente vencer as 24 Horas de Le Mans.

No entanto, há outra empresa responsável por ter colaborado com a Ferrari no surgimento do que, ainda hoje, ainda são alguns dos “Cavallinos” mais estranho e inesperado em toda a história. Referimo-nos a Michelotto e ao seu 308 GTB Group 4. Fundado em 1969, este concessionário e formador de Pádua teve em meados dos anos setenta uma das ideias mais inesperadas de toda a história da Ferrari. Pegue um desses carros esportivos nascidos por e para as pistas de asfalto para competir nas pistas de terra. Algo como se, no mundo do ciclismo de estrada, Bianchi ou De Rosa decidissem adaptar um modelo de contrarrelógio a caminhos de lama e pedras.

Curiosamente, a ideia não caiu muito mal na mente conservadora de Enzo Ferrari. Por isso, a fábrica de Maranello forneceu à Michelotto chassis e mecânica para a variante de rally do 308. Além disso, carrocerias de fibra de vidro chegaram das oficinas Scaglietti. Uma raridade já que apenas cerca de 800 primeiras unidades das 308 apresentadas em 1975 foram feitas neste material. Deixado de lado diante das críticas de clientes que consideraram seu uso pela Ferrari pouco profissional. No entanto, quando se trata de concorrência, a fibra de vidro baixou tanto a escala que era, sem dúvida, muito mais preferível.

Fato que ajudou a extrair ainda mais potência do V8 com quase três litros, alimentado na maioria das unidades preparadas pela Michelotto com sistema de injeção Bosch. Além disso, melhorias na suspensão e barras estabilizadoras, reforço na parte inferior da carroceria, aumento das cavas das rodas e novos pneus fez do Ferrari 308 GTB Michelotto um excelente exemplo do Grupo 4. Assim, tudo estava pronto para entrar na competição. Isso sim, a potência dos contemporâneos Lancia Stratos e FIAT 131 Abarth, bem como a irrupção do novo Audi Quattro não facilitou as coisas para estes 308. Ainda menos quando, apesar de contar com o apoio oficial da Ferrari na fase de fabricação, de Maranello lavavam as mãos ao dar qualquer apoio na competição.

ANTONIO ZANINI APARECE EM CENA

Apesar de não serem máquinas recorrentemente vitoriosas, a 308 Michelotto conseguiu vencer o Targa-Florio em 1981 e o Tour de France o mesmo, bem como os seguintes. No entanto, a aparição em 1982 do Grupo B deixou completamente de lado esses modelos nascidos no final da década anterior. E é que, afinal, já entrou nos anos oitenta nem a injeção nem a propulsão traseira não tinham nada a ver com o potente motor turbo combinado com a tração nas quatro rodas. De fato, a melhor prova disso foi o Lancia 037 e seu título de construtores no Campeonato Mundial de Rally de 1983. Um canto de cisne diante do poder avassalador do Audi Quattro, proclamando dos telhados a chegada de uma nova era . .

De qualquer forma, a Ferrari 308 Michelotto ainda era um carro muito bom. Especialmente para ralis onde havia muitas etapas de asfalto. Desta forma, mesmo ficando de fora das competições internacionais, ele ainda era visto em muitos eventos franceses e italianos. Países aos quais a Espanha foi adicionada quando Antonio Zanini de Barcelona escolheu-o para competir no Campeonato Espanhol de Ralis de 1984. Ativo desde 1970, antes do início da temporada de 1984, o seu nome estava no topo do automobilismo nacional, tendo conquistado sete vezes o Campeonato Espanhol de Ralis. Além disso, em 1980 ele havia vencido o Europeu enquanto em 1983 ele conseguiu subir ao pódio como terceiro lugar.

Tudo isso dirigindo carros tão icônicos quanto o Porsche 911 SC com o qual ele venceu o Campeonato Europeu de Rally. O Talbot Lotus Sunbeam com o qual alcançou o espanhol em 1982. Ou o FIAT 131 Abarth graças ao qual alcançou o topo do campeonato nacional em 1978 e 1979 com a equipa SEAT Competición. Assim, é óbvio entender como Antonio Zanini é um dos maiores nomes do automobilismo espanhol. Ainda mais se levarmos em conta que, com sua vitória no Campeonato Espanhol de Rally em 1984, Zanini deixou até oito títulos, sendo cinco deles consecutivos de 1974 a 1978.

O PROBLEMA DOS DOIS FERRARI 308 MICHELOTTO

Neste ponto, tudo deve estar normal. Antonio Zanini escolheu uma Ferrari 308 Michelotto, vai correr com ela e assim vencer dois anos antes de se aposentar do campeonato nacional. No entanto, a complicação vem do fato de que ele correu a temporada de 1984 com dois desses modelos. Sim, não simultaneamente. Portanto, para colocar ordem em toda essa bagunça, é melhor começar do início. Depois de ter seguido detalhadamente o caminho de cada número de chassis graças às classificações oficiais e aos dados fornecidos pelo especialista da Bonhams Philip Kantor.

Para começar temos o primeiro dos dois Ferrari 308 Michelotto. É o chassi número 24783. Trazido para a Espanha pelo importador de Barcelona Fernando Serena. E com o qual toda a temporada de 1984 deveria ter sido disputada do início ao fim. Chegados a este ponto, Antonio Zanini foi à Itália buscar nas oficinas Michelotto as peças necessárias para sua conversão às especificações do Grupo B.. Depois disso, a montagem final seria realizada nas oficinas Serena. No entanto, o trabalho demorou tanto que o 308 Michelotto não ficou pronto para o início do campeonato no dia 17 de fevereiro no Rally Costa Brava.

Assim, Zanini não conseguiu competir na primeira prova. E mais, dado que o trabalho na oficina ia demorar muito, a largada na segunda também estava em perigo. Por esse motivo, ele entrou em negociações com a equipe italiana Pro Motor Sport para alugar um de seus 308 Michelotto. E ele consegue. R) Sim, em 17 de março ele conseguiu estar na linha de partida do Rally Costa Blanca alcançando a segunda posição com esta Ferrari curiosamente pintada de branco e com chassi número 18869. Muito reconhecível graças à publicidade de Saba e Martini. Depois disso, o carro viajou para a Itália junto com o próprio Zanini para correr o Targa-Florio naquele ano, terminando em terceiro.

Alguns dias depois, eles estavam de volta à Espanha para pegar a saída de Montseny em 7 de abril. Venceu assim somando sua primeira vitória apesar de ter começado sem marcar no primeiro teste. E bem, a partir daí Ferrari de Zanini venceu o Rally Sierra Morena. A Vila de Madri. O Grande Prêmio da Caixa Econômica. E o basco-navarro. Além dessas vitórias, ocorreram dois abandonos consecutivos devido à quebra do alternador e do cardan, respectivamente. No entanto, os pontos já deram a Antonio Zanini e sua Ferrari 308 Michelotto o Campeonato Espanhol de Rally daquele ano de 1984.

Enfim, rever fotos daquela temporada costuma surgir uma dúvida recorrente. Como é possível que na maioria das corridas o carro fosse branco e, de repente, fosse vermelho nas últimas? A resposta não está em uma rápida e inesperada camada de tinta. Mas nisso antes do final da temporada, finalmente o 308 Michelotto importado por Serena e com o qual Zanini iria correr estava pronto. Portanto, o arrendado da Pro Motor Sport foi devolvido à Itália. Terminando a temporada com o que deveria ter sido o primeiro e único carro. Marcado com o número do chassi 24783 Graças ao qual ganhou o Rally de Osona, colhendo outro rally naquele 1984 tão vitorioso para Antonio Zanini e seu co-piloto Josep Autet. Sem dúvida uma das melhores histórias da Ferrari em relação à Espanha.

Imagens: Bonhams/RM Sotheby's

PD Segundo informações sobre a história do modelo com chassis 18869, parece que esta é uma das quatro unidades que foram adaptadas às especificações do Grupo B. E, recordemos, os 308 Michelotto nasceram para serem homologados no Grupo 4.

foto de avatar

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

60.2kfãs
2.1kSeguidores
3.4kSeguidores
3.9kSeguidores