in

Eu amoEu amo

Concurso de Elegância de Biarritz. Primeira edição desde 1958

Realizado de 1929 a 1958, o Concurso de Elegância de Biarritz voltou a prometer se tornar um evento de referência internacional em ocasiões futuras. Para isso, foi lançado com uma seleção de modelos tão interessantes quanto exclusivos, entre os quais encontramos alguns difíceis de ver em outros concursos mais próximos. Tudo isso tendo como pano de fundo a cidade termal de Biarritz. Um local que, mesmo com o passar dos anos, continua a evocar a época em que era ponto de encontro do jet-set francês.

Fotografias: Sergio Calleja

Durante séculos, a caça à baleia foi uma das principais atividades econômicas dos marinheiros bascos. Tanto que já no século XNUMX seus navios ousavam explorar os confins do Atlântico Norte em busca da baleia franca. Um gigante do qual já foram registrados exemplares com mais de 20 metros de comprimento e até 72 toneladas de peso. Anteriormente abundante, mas tão anterior até tempos recentes que sua população atual é estimada em apenas cerca de 400 espécimes.

Resultado de uma obra que apoiou a população de Biarritz até meados do século XIX. Momento em que as elites parisienses do governo de Napoleão III - o último monarca da França - descobriram as possibilidades recreativas da cidade graças à qualidade de suas águas. Então coisas -e como outros lugares como Santander ou San Sebastián- Biarritz deixou de vender carne de baleia para cuidar das carnes magras da burguesia. Classe social que durante o século XIX investiu não poucos esforços para dotar-se do mesmo decoro e pompa que a aristocracia possuía em tempos anteriores a 1789.

Nesse sentido, Eugenia de Montijo - esposa de Napoleão III - mandou construir o que hoje se conhece como o Hotel de Palais de Biarritz em 1854. Possivelmente o edifício mais representativo do resort de verão de luxo da cidade. Convertido por décadas em um hotel imponente, que serviu de ponto de encontro para el Concurso de Elegância de Biarritz realizado nos dias 17, 18 e 19 de setembro. Sem dúvida, uma declaração de intenções do que pretende ser este concurso, que em breve espera cruzar com outros como Villa D'Este ou Peeble Beach.

CONCURSO INTERNACIONAL DE ELEGÂNCIA BIARRITZ. A IDADE DA PRATA

Comumente conhecida como Idade de Prata, é aquela que visa não apenas continuar, mas até mesmo emular uma anterior claramente bem-sucedida. Definição na qual o presente Concurso de Elegância de Biarritz pode muito bem se enquadrar. Já que É-nos apresentado como a reedição daquele celebrado de 1929 a 1958. Concurso em que boa parte da alta sociedade do momento - designers e costureiros incluídos - se reuniu em torno de uma panóplia de impressionantes automóveis que, décadas depois, se tornaram clássicos dignos das melhores competições internacionais.

Liga que você quer se aproximar Carros Clássicos Bascos. Organizador do evento Biarritz, no qual foi escolhido o mais alto nível possível num ambiente com claras reminiscências da época áurea desta cidade termal. Um local que oferece o cenário ideal para exibir esses clássicos. Entre os quais encontramos mais de setenta espécimes no nível mais alto, incluindo dezesseis pré-1940. Categoria que não pode faltar em um concurso de elegância que afirma ser uma referência, já que aqui estão muitos dos carros mais fascinantes e exclusivos da história.

Estado de preservação radiante

Um fato endossado por modelos como o chassi Isotta Fraschini Type 8A nº 843 de 1925. Verdadeiramente sensacional. Ainda mais se levarmos em conta que esta unidade nunca recebeu uma restauração completa. Fato que nos fala sobre a qualidade do modelo, que foi concebido como um "Rolls-Royce Italiano" capaz de somar uma conta ainda maior do que a de um Duesenberg J. No entanto, para todos aqueles que preferem o cânone britânico, Rolls-Royce foi representado no Concurso de Elegância de Biarritz com três unidades. Trio em que se destaca um exemplar intimamente ligado à época áurea deste evento: o Rolls-Royce Phantom II S Coupe Continental vencedor da última competição da primeira era.

OS GRANDES MODELOS PRÉ-GUERRA. ELEGÂNCIA CLÁSSICA

Atualmente depositado no Museu Torre Loizaga, o Phantom II S Coupe Continental 1932, encorporado pelo australiano Martin & King, é um dos Rolls-Royce mais marcantes de todos os preservados na Espanha. Vencedor da edição correspondente a 1958 -último do primeiro período-, este modelo foi o elo entre passado e futuro em Biarritz. Um exemplar que já é conhecido dos fãs graças à sua presença na Classic Auto Madrid ou na Rétromobile Paris. Amostras onde serviu para enriquecer a história dos Continentais, pensados ​​por Henry Royce como modelos mais adequados para as estradas do continente europeu do que para as da ilha britânica.

Vencedor do espetacular Rolls Continental da edição de 1958

Um personagem que pode ser visto em seu chassi mais curto no qual são montadas molas de lâmina mais duras. Especificações que fazem do Phantom Continental um veículo com melhor resposta em altas velocidades. Exatamente o que um motorista britânico poderia sentir nas longas retas francesas, em vez da lentidão das pistas sinuosas da Inglaterra rural. Além disso, com o Continental Rolls-Royce, ele queria se concentrar em uma clientela com certos ares esportivos. Ela aspirava dirigir seu carro com rapidez, em vez de andar no banco de trás de um modelo de chassi longo dirigido por um motorista perito e despreocupado.

A varredura pela França também se destacaram dois Delage. Especialmente o D6 11S de 1933. Um lindo conversível em tom creme com um enfeite de capô sobre a grade de vidro Art Déco. Muito representativo dos tempos áureos de Biarritz antes da Segunda Guerra Mundial.

Além disso, o Museo de la Torre Loizaga também carregava um Hispano-Suiza K6 de 1936. Um dos modelos mais interessantes de todo o Concurso de Elegância de Biarritz, que já corresponde ao Hispano-Suiza fabricado na fábrica parisiense de Bois Columbes.

Sua carroceria sem um pilar central assinado pela oficina VanVooren pode parecer um coupé. Ainda que na realidade esconde quatro portas com as traseiras em abertura suicida. Uma obra engenhosa e elegante, sob a qual se esconde um motor de seis cilindros com 140 CV. Apenas vinte abaixo dos entregues pelo Bugatti Type 57C Cabriolet de 1939 co-vencedor do Concurso de Elegância de Biarritz. Um modelo que, apesar de sua estética aristocrática, tem o chassi da versão C idealizada em 1937 como variante de corrida do Type57.

Bugatti Type 57C co-vencedor do concurso

ANOS 50 E 60. O MAIS NUTRITIVO DA COMPETIÇÃO

Ainda absorvido pelos grandes clássicos do pré-guerra - infelizmente escassos nas exposições e eventos convocados na Península Ibérica - passamos a glosar os modelos dos anos cinquenta e sessenta. A grande maioria neste Concurso de Elegância de Biarritz, onde se destaca até pelo nome o Cadillac Eldorado Biarritz 1959. E é isso, da segunda geração daquele que é possivelmente o modelo mais icônico dos anos cinquenta nos Estados Unidos, a versão conversível recebeu o nome da cidade francesa. Curiosa homenagem transoceânica, ainda mais quando a versão de capota rígida recebeu o apelido de Seville.

Cadillac Eldorado Biarritz

Além dessa conexão atlântica, a verdade é que, exceto um AC Cobra e um BMW 507, todos os modelos dessas décadas eram europeus. E isto Afirmamos isto para dar alguma razão a quem considera estes dois últimos modelos tão americanos como as criações europeias.. Ou vice-versa. No caso do AC Cobra por causa do chassi britânico. E no 507 porque, mesmo sendo BMW, ainda é uma criação inspirada no importador nova-iorquino Max Hoffman. Ansioso por um roadster leve para vender aos californianos que anseiam por um toque europeu.

BMW 507

Um fio condutor que continua até no nome do Talbot-Lago T14 America Coupé 1957 com motor BMW V8. Último modelo da casa francesa, da qual apenas 12 ou 14 unidades foram fabricadas como um epílogo ao 40 do Talbot-Lago Sport do qual deriva. Uma verdadeira raridade daquelas que confirma a altitude das vistas para esta nova etapa do Concurso de Elegância de Biarritz. Trazendo modelos muito específicos, capazes de ultrapassar meio milhão de euros em leilões organizados pela Bonhams.

Tlabot-Lago T14 America Coupé

Em uma nota mais pessoal, como fãs de Lancia, foi interessante ver duas Aurelia muito diferentes. O mais famoso e verdadeiro marco do conversível Pininfarina B24, mas, acima de tudo, o B50 anterior e muito menos conhecido. Sem dúvida muito mais rude nas linhas, mas muito interessante para quem se dedica a captar raridades da casa de Vicenzo Lancia.

Um bom nível que se seguiu com raridades como o Abarth-Simca 130S. Um pequeno modelo de corrida onde se reúnem o melhor das tradições automobilísticas italianas e francesas, das quais RM Sotheby's para a unidade de leilão 0091 dentro da coleção Guikas.

Mais um evento clássico muito próximo da Península Ibérica, na costa sul da França, de que estaremos muito atentos em novembro pela profusão de veículos de competição. No entanto, antes de acelerar para outros destinos continuaremos descrevendo o Concurso de Elegância de Biarritz com o qual para muitos tem sido uma decepção. Estamos falando sobre o Pegaso Z-103. Sucessor do mítico Z-102 e que, embora tenha sido anunciado como um modelo de 1958, é na verdade uma réplica feita em 1991. Como sempre acontece quando se fala em Pégaso, sua história exata dá origem a muitos e acalorados debates.

No entanto, em termos gerais e esclarecedores, pode-se dizer que apenas um dos veículos a serem construídos nos únicos três chassis Z-103 foi concluído. Claro que para 1991 a IVECO - herdeira do negócio da Pegaso - autorizou a construção de cerca de doze réplicas. Réplicas que, para adicionar um pouco mais de mistério se possível a tudo relacionado a esses carros, não têm um número claro de cópias construídas. De qualquer forma, sabemos que o modelo exposto em Biarritz pertence a esta saga de réplicas. Algo que, por mais bem recriado que seja o corpo, pode ser visto apenas abrindo o capô. Muito interessante de qualquer maneira.

PRESENÇA DE MODELOS FERRARI BEM SELECCIONADOS

Obviamente, qualquer evento com o pretexto de ser prestigioso a nível internacional deve ter uma certa quantidade de cavaleiros. Algo que eles parecem ter entendido muito bem no Concurso de Elegância de Biarritz, já que não apenas 12 modelos da Ferrari foram exibidos. Mas entre eles espécimes tão raros de ver ao sul dos Pirineus foram vistos como uma Ferrari California Spyder. Co-vencedor do concurso juntamente com o Bugatti Type 57C. Modelo que entendeu a mistura de potência e elegância, que foi acompanhado por outros dois 250 GT Cabriolets. Um da série 1 e outro da 2.

Além disso, um 275 GTB, um F40 - o carro mais moderno da competição - e até um 288 GTO de 1985 também puderam ser vistos. Boa seleção entre os quais também encontramos dois dinos. Vá em frente que, mesmo não tendo um poderoso V12, nós os consideramos Ferrari para desgosto de alguns puristas. Um 246 e um 308GT4, o único modelo fabricado em série pela casa italiana desenhado por Bertone.

F40 e 288 GTO

Um 2 + 2, assim como o Lamborghini Espada, do qual havia uma unidade de 1971. Lamborghini exclusivo deste Concurso de Elegância de Biarritz, acompanhamento perfeito para modelos interessantes como o Iso Grifo Série 2 ou um DeTomaso Mangusta. Um dos designs mais interessantes de Giorgetto Giugiaro. O que definiu este carro esportivo projetado para o mercado americano por um argentino que emigrou para a Itália antes de completar trinta anos. Mais um desses exercícios de estilo - impossível esquecer a abertura das janelas traseiras - muito raro de ver mas presente desta vez em Biarritz.

POR MEIO DE UM EPÍLOGO: MOTOCICLETAS E UM E-TIPO MUITO ORIGINAL

Como estamos vendo, o Concurso de Elegância de Biarritz 2021 foi um bom renascimento após a paralisação registrada desde 1958. Prova disso não é só o ambiente ou a seleção de modelos -expostos sem fita em volta, contando totalmente com o respeito dos torcedores-, mas também que gostaria de fazer uma categoria de motocicletas. Excelente ideia que não pôde ser concretizada devido aos poucos inscritos. Mas isso nos próximos anos será certamente o mais interessante. Principalmente se levarmos em conta o quão pouco, mas bom, foi visto como 2021. Nesse sentido, destacamos um índio com um carro lateral. Mas, acima de tudo, o BMW restaurado por Natxo Barral. Um especialista basco em motocicletas BMW que acompanharemos de perto a partir de agora.

Relativamente a outros tipos de trabalhos na carroceria de veículos clássicos, a intervenção do artista foi muito curiosa. Anne Monde. Especialista en la técnica del collage, su trabajo consistió en cubrir con multitud de recortes relativos aa los años sesenta un Jaguar E-Type Serie II de 1969. Algo que para muchos es polémico debido a los daños que podrá producir en la pintura original del coche , mas que sem dúvida é uma homenagem marcante e curiosa aos sessenta anos deste esportivo inglês.. Possivelmente o design britânico mais estiloso até hoje, o que não poderia faltar em Biarritz.

Uma consulta que parece ter voltado para ficar e para a qual recomendamos que vá nos próximos anos. Ao fim e ao cabo, esta cidade na costa francesa fica a apenas cerca de quarenta quilômetros de San Sebastián. Acessível pelo menos para quem vive no norte da Península, mas também para todos aqueles que desejam fazer uma viagem para encontrar clássicos impossíveis de ver em outros compromissos mais próximos.

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores