in

Eu amoEu amo

Anos setenta, conversões SAVA Diesel para o SEAT 131

Durante o período pós-guerra, a conversão para diesel era uma prática comum. Tanto que foi assim que começou a história automotiva dos Barreiros. No entanto, mesmo na década de 131, os motores diesel continuaram a ser oferecidos para serem incorporados em carros como o SEAT XNUMX. Uma linha de negócios breve, mas que existia no catálogo Pegaso-SAVA

Impulsionada pela necessidade, a frota de veículos na Espanha do pós-guerra gerou todo tipo de alternativas aos motores a gasolina. Dessa forma, surgiram modelos elétricos de natureza industrial. Uma área em que se destacou a Autarquia de Veículos Elétricos de Barcelona, ​​já com o nome da fórmula isolacionista que condicionou tal grau de inventividade. Além disso, geradores a gás e, claro, conversões para diesel também abundavam. Uma iniciativa em que se destacou o galego Eduardo Barreiros, que começou por acaso com essa proposta em 1949, adaptando os caminhões de sua empresa familiar voltados para a construção. No entanto, tal foi o seu sucesso que em 1951 mudou-se para Madrid para se dedicar exclusivamente a esta actividade.

Ponto de partida para a história industrial de Barreiros no mundo automóvel, criando a empresa Galicia Industrial no sul da capital. Precisamente o prólogo e ponto de partida para a Barreiros Diésel SA Plataforma definitiva para a descolagem do audacioso empresário, tornando-se um grande fabricante com projetos próprios pensados ​​para o mundo agrícola e industrial. E é que a Espanha dos anos cinqüenta estava mudando sua aparência em relação aos anos difíceis do pós-guerra.

Marcados pelo racionamento e empobrecimento industrial, aqueles eram tempos de sobrevivência em completo isolamento internacional. Situação que acabou quando o regime de Franco se posicionou como aliado dos Estados Unidos contra a União Soviética. Assinar em 1953 uma série de pactos em que a implantação de bases militares americanas foi recompensada em termos de desenvolvimento econômico. Assim, a indústria espanhola pôde ter acesso a melhores bens de capital, bem como a um abastecimento melhor e mais regular de combustíveis. Características essenciais para a descolagem económica do país, encontrando um símbolo disso na apresentação do SEAT 600 em 1957.

Uma das primeiras conversões para gasóleo feitas pela Barreiros

No entanto, aquele desejo de economia e sobrevivência marcado no subconsciente popular durante os anos do pós-guerra ainda estava vivo. Obviamente com menor intensidade dependendo da população acessada a sociedade de consumo, embora ao mesmo tempo visível nas diversas conversões para diesel que continuaram a ser oferecidas na indústria automotiva. muitos deles mesmo para modelos de turismo como o Renault 12 fabricado pela FASA ou o 131 pela SEAT. Dois carros sintomáticos dos anos setenta, mas nos quais ainda se faziam aquelas operações popularizadas por Barreiros em plena autarquia.

Fábrica SAVA na cidade de Valladolid

SAVA, ESPECIALISTAS EM DIESEL

Dentro da história do parque industrial móvel na Espanha, a menção ao SAVA não pode ficar de fora. Nascida nos tempos difíceis que se seguiram à Guerra Civil, esta empresa de Valladolid começou a produzir todo o tipo de artigos em alumínio. Na verdade, até em 1957 adquiriu o nome de Sociedad Anónima de Vehiculos Automóviles (COMO VAI) recebeu o nome ilustrativo de Fábrica de Artigos de Alumínio. Claro, isso não a privou de entrar no promissor campo dos automóveis. Um dos veículos mais populares do pós-guerra, prestando um serviço simples e econômico a muitos indivíduos e pequenas empresas.

A partir daí, decidiu-se dar o salto para o mundo das carrinhas já na época da SAVA, encontrando nos Barreiros um aliado para o fornecimento de motores diesel. Sem dúvida, uma operação que disparou os alarmes na estatal ENASA. preocupado em ver como iniciativa privada estava comendo parte do terreno projetado para a serra Pegaso. Além disso, quando o SAVA J1965 foi apresentado em 4, o medo da ENASA era enorme. Resultando na absorção da SAVA pela ENASA em 1969. Uma operação que teve duas consequências muito marcantes.

A primeira foi incorporar a SAVA como marca associada à Pegaso. Oferecendo através dele uma ampla variedade de veículos industriais leves para complementar a gama de caminhões Pegaso. A segunda diz respeito à tecnologia diesel adquirida pela SAVA graças ao acordo firmado com a British British Motor Corporation. Chegados a este ponto, Os planos para o motor diesel projetado por Morris com 1,5 litro chegaram aos escritórios da ENASA, quatro cilindros e até 48CV na versão de 1968. Um motor muito eficaz para o mundo dos veículos a diesel, precedido por uma merecida reputação de confiabilidade e baixo consumo.

Uma unidade do SAVA J4 já pertencente ao momento em que a marca foi absorvida pela Pegaso

CONVERSÕES DE CARRO DOS ANOS SETENTA

A essa altura, a virada que vamos fazer de vans para carros de passeio de três volumes pode surpreendê-lo. Popular, mas obviamente não tão popular quanto o 124 ou R5. No entanto, isso ocorre por razões muito específicas. E é que, embora o SEAT 131 e o R12 fossem os principais destinatários dos motores diesel fabricados pela SAVA, é preciso destacar quantas de suas unidades receberam um uso muito intenso por comerciais e outros profissionais com a estrada como escritório. Ou seja, justamente por serem modelos espaçosos, rodoviários e mais chamativos do que um utilitário popular, foram escolhidos em massa por guildas especializadas em fazer milhares de quilômetros.

Obviamente, a consequência de tudo isso foi um enorme desgaste na mecânica. Que, aliás, eles suportaram com resignação e altos sinais de confiabilidade. Pelo que, realmente, estas incorporações do motor SAVA Diesel aos modelos turísticos durante os anos setenta foram bastante escassas. Além disso, diríamos muito escassos. Na verdade, mesmo fazendo uma busca silenciosa pelo mundo da compra e venda Foi-nos impossível encontrar uma unidade do SEAT 131 com motor SAVA Diesel. Será que vai existir? A verdade é que duvidamos, porque no seu tempo esses carros desgastados com mecânica a diesel sóbria eram pura sucata.

Destes motores BMC vêm os blocos diesel que a SAVA ofereceu para suas conversões nos anos setenta

Além disso, devemos levar em conta mais um fator para explicar sua escassez. E é que em 1978 a SEAT lançou a versão diesel do 131 com um motor Perkins de 1.760cc e 49CV. Tudo isto gerido através de uma caixa de cinco velocidades na Supermirafiori, capaz de melhorar muito o consumo e manuseio. Ou seja, esta versão de fábrica deixou pouco espaço para as conversões oferecidas pelo SAVA. As quais foram realizados nas oficinas credenciadas SAVA-Pegaso, podendo escolher entre um bloco com 1,5 e outro com 1,8 litros. Curiosamente, ambos totalmente dependentes dos desenhos ingleses que chegaram em 1961 à primitiva fábrica da ainda independente SAVA.

No que diz respeito ao desempenho destes motores SAVA Diesel, foi estimado em cerca de 52CV a 4.200rpm e consumo de cerca de 7 litros em estrada mesmo a uma velocidade de cruzeiro razoável. De qualquer forma, na Espanha dos anos setenta, substituir o motor de um 131 ou R12 em vez de fazê-lo por um carro completamente novo só se justificava em casos muito específicos. Ao fim e ao cabo, o país já havia entrado na sociedade de consumo com todos os seus vícios e virtudes.

Uma situação em que aqueles tempos de conversões mecânicas e reaproveitamento de peças eram apenas parte de uma memória distante. Sim, paradoxalmente Eduardo Barreiros terminou a carreira como começou. Dedicado a veículos a diesel e industriais em um país onde, como na Espanha dos anos quarenta, é preciso fazer uma virtude da necessidade. Cuba.

O que você acha?

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

52.3kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.4kSeguidores