in

Schloss Dyck Classic Days 2017

TEXTO: MARIO LAGUNA / FOTOS: UNAI ONA / FOTO PÉS: JAVIER ROMAGOSA

No ano passado nós visitamos Dias clássicos do castelo Dyck com A Escuderia, então nossos leitores você já conhece as generalidades deste magnífico evento. Isso nos permitirá mergulhar diretamente e sem qualquer prelúdio à edição que acaba de ser realizada de 4 a 6 de agosto de 2017.

Não me refiro a mergulhar no sentido figurado, mas literalmente, porque quando chegamos aos inúmeros controles do palácio fortificado choveu muito. A temperatura de 14 graus não lembrava o sol quente da Península que deixamos quando embarcamos em nossa jornada para o norte.

Tanto que estacionamentos planejados foram inundados, carros derraparam e longas filas se formaram, enquanto parte do tráfego foi desviado para áreas de estacionamento improvisadas a uma distância respeitável das entradas principais.

O EURO NÃO IMPEDE A INFLAÇÃO

Já agora, o preço do estacionamento passou rapidamente de 1 euro pago há apenas dois ou três anos para 3 euros no ano passado e os 5 euros que eram necessários em Agosto. A suposta barreira à inflação, que deveria ser um dos efeitos do euro, é altamente questionada.

O preço do programa manteve-se nos 10 euros graças às páginas de publicidade, mas a entrada foi pago a 34 euros no sábado, com possibilidade de compra de bilhetes para sábado e domingo a 55 euros.

Depois desse capítulo chato, mas necessário mencionar, acrescentaremos que apesar do aumento dos preços, a pressão dos participantes não diminui, o que só incentiva os organizadores a manterem a tendência de alta. Nós, fãs, continuaremos a pagar, desde que consideremos a relação qualidade / preço razoável.

Como nos orientamos para resolver essa equação qualidade / preço? Principalmente pela quantidade e qualidade dos carros que participam. Mas não só isso, mas também pelo cuidado na sua apresentação, pela arrumação das bancas e pela presença de outros incentivos como a frequência de figuras motorizadas, as exposições de museus e comerciantes privados, a disposição dos restaurantes, bem como as lojas de peças e mercadorias relacionadas com viagens e automóveis.

Por ser um ambiente luxuoso, esteja preparado para encontrar restaurantes e lojas caras no segmento superior de suas respectivas especialidades. Mais onde Schloss Dyck equilibra a balança está na presença de uma série de veículos históricos em impecável estado de apresentação; admirar tamanha quantidade e qualidade de diferentes marcas e modelos nos fará esquecer, ou pelo menos justificar, o orçamento necessário para a visita.

MUSEUS E PROFISSIONAIS

Dentre os museus presentes destacamos Autostadt, que agrupa as marcas Volkswagen, Audi, Porsche, Lamborghini, SEAT e Skoda. Um Fusca de Volkswagen 1950 era muito admirado, mas não tinha cor ao lado de um Lamborghini LP 400 Countach de 1975 com um motor V12 de 375 cv. Lembre-se de que LP não se refere a registros jogo longo, mas na posição longitudinal traseira do motor. Foi vendido novo por 69.900 marcos alemães; Quem comprou alguns na época agora pode revendê-los fazendo um ótimo negócio.

Profissionais abundaram em todo o grandes espaços de exposição acessível. Seria difícil escolher o melhor apresentado, por isso vamos destacar um especialista na linha Mercedes-Benz SL e um distribuidor de produtos Alfa Romeo.

O primeiro deles trouxe dois exemplares muito bem escolhidos: um 280SL de 1968 com 350 km desde sua restauração total -isto é, praticamente novo- com um preço a discutir; e um 300 1986SL com 16.500 km desde que saiu da fábrica, à venda por 119.890 euros. Não é necessário lembrar que mercadoria boa de qualquer tipo não é barata.

Em relação a Alfa Romeo interessante era o contraste entre um grande cupê Sprint 2600 1966, do qual apenas 1984 cópias foram feitas, e uma produção atual 4C. Eles mostraram bem a evolução da marca de acordo com as tendências e gostos dos compradores. O 4C significa que existe uma clientela muito jovem e rica; o comprador de um 4C deve ser necessariamente jovem, caso contrário não conseguiria entrar no carro e muito menos sair. Digo isso por experiência própria, já que instalados no volante quase tiveram que me tirar de quatro.

Renault, por sua vez, deu a oportunidade de observar as mudanças entre seu carro esporte de maior sucesso, o alpino original, e a ressurreição do mesmo, que cresceu em tamanho de acordo, mas manteve as linhas gerais, como a janela traseira envolvente ou o nariz pontudo.

MONSTROS NA CAVE

Em contos e lendas, quase todos os palácios possuem monstros que se escondem em porões e dão bons sustos quando se dignam a aparecer em público.

Schloss Dyck Ele não é exceção e de vez em quando permite que seus monstros saiam para respirar a brisa fresca da floresta ao redor. Podem ser devido ao seu tamanho ou aos seus atributos excepcionais que podem causar medo em quem o observa ...

As duas coisas possuem o FIAT Tipo S76, escrito assim na placa de identificação de fábrica (o que nos lembra de não escrever Fiat em caixa baixa), e que nos parece uma monstruosidade com seu motor de 4 cilindros e 28,7 litros de cilindrada. Isso significa que apenas um de seus cilindros tem mais capacidade do que um V8 americano inteiro e nenhum dos menores. O carro de 1911 foi usado em tentativas de recorde de velocidade.

Na categoria das monstruosidades por seu tamanho, mas não menos admiradas por suas qualidades mecânicas, traremos pela primeira vez a estas páginas caminhões e tratores, que são bem merecidos por seu interesse histórico. Entre os caminhões presentes destacamos um da marca Südwerke e um motor Deutz 200 HP capaz de puxar um tanque com 20.000 litros de combustível.

A marca de tratores Hanomag é conhecida em Espanha porque foram fabricados com esse nome pela Barreiros, embora possivelmente não tão grandes como o Robust 800 alemão. A tradução é desnecessária.

Outros carros como este, como este Bentley, pareciam pequenos em comparação com o Tipo S76.

A ELEGÂNCIA

Os carros que migram para Dias clássicos do castelo Dyck Eles fazem isso na esperança secreta de voltar para casa com um dos muitos prêmios do Concurso de Elegância que, como sabemos, não se concentra em um O melhor do show mas para premiar as 8 categorias que estiveram presentes este ano, mais o prêmio FIVA e a escolha do respeitável público.

Não podendo por motivos óbvios detalhar cada um deles (não precisaríamos de um artigo, mas de uma enciclopédia), nos limitaremos à rainha da ocasião, que foi a de Ferrari em homenagem aos 70 anos da marca.

Todos os modelos foram representados, desde os carros de prestígio com motor V12 na posição dianteira (tecnicamente centro-dianteiro), até os mais dinâmicos da produção atual com motores V8 em que o motorista está na frente, em vez de atrás do motor, solução que sempre pareceu estranho para seu criador Enzo Ferrari.

Os carros dos anos oitenta eles estão começando a ser reconhecidos em concursos de elegância. Assim, o prêmio da classe 'Moderno' Foi atribuído a um Ferrari 288 GTO 1984. Recorde-se que o preço deste modelo já ultrapassa os dois milhões e meio de euros.

Não foram poucos os espectadores que teriam preferido a Ferrari 250GT Lusso ou o Dino 246GT em seu modo de pára-choque largo, que eram o grande esquecido pelo júri.

O concorrente tradicional da Ferrari sempre foi a Porsche e a guerra dos circuitos agora se move para os concursos de elegância, como lembrado pela presença de um Porsche 911 2,7 RS, uma das versões mais apreciadas, com preços dos melhores exemplares já situados em um milhões de euros. Um deles ganhou o terceiro prêmio da classe 'Setenta'.

CURIOSIDADES

Autostadt moveu-se com grande habilidade, transplantando para o jardim do palácio até alguns veículos usados ​​dentro do museu para transportar visitantes.

Heidi Hetzer, gozando de excelente saúde e força aos oitenta anos, ele chegou ao palácio dirigindo seu Hudson 8 1930 com o qual completou a volta ao mundo após viajar 181.855 quilômetros. Heidi (sim, como nos desenhos animados), comprou o carro com o único objetivo de dar a volta ao globo viajando pelos cinco continentes (agora nas escolas dizem que são seis continentes, suponho que o comitê olímpico terá que mudar urgentemente o bandeira).

Heidi não fala espanhol e por isso achou difícil a travessia de toda a América do Sul. Demorou um pouco mais do que Cantinflas e o recorde de 80 dias terá que esperar. Ele chegou a Berlim 950 dias após sua partida (ele tem Um website onde conta suas aventuras e alegrias que não deixamos de recomendar aos nossos leitores).

O que você acha?

Mario laguna

Escrito por Mario laguna

Mario Laguna, autor do livro “The Pegaso Adventure”, estudioso e observador da história do automobilismo, marcas e personagens. Visitante regular em competições automobilísticas, sejam de categorias atuais ou históricas, concursos internacionais de elegância, conferencista ... Veja mais

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores