in

Pero qué ??Pero qué ?? RI MUITORI MUITO Eu amoEu amo SurpresoSurpreso

Em leilão está este praticamente desconhecido Boschert B300 “Gullwing”

Em 1989, um carro extremamente especial apareceu no Salão Automóvel de Frankfurt: o Boschert B300 "Gullwing", um Mercedes 300 CE com portas tipo "asa de gaivota" e frente R129. Esse carro, o único já fabricado, está em leilão pela RM Sotheby's.

Por ocasião do Salão Automóvel de Frankfurt de 1989, foi apresentada uma criação extremamente especial com a estrela na frente. Sob o nome de Boschert B300 “Gullwing”, um impressionante 300 CE de 1988 deixou todos sem palavras pelo seu sistema de abertura de portas e pelo notável trabalho realizado para a sua instalação. A intenção era fabricar 300 unidades, mas mais de 10 carros nunca foram concluídos e Apenas um deles possuía o sistema de portas revelado no evento alemão.

Aquele carro, O único Boschert B300 com portas “asa de gaivota” está à venda na casa de leilões RM Sotheby's., embora não seja a primeira vez que aparece. Foi descoberto no eBay por Tino Zovko e ele conseguiu arrecadar o dinheiro para finalizar a compra, e depois investir ainda mais dinheiro e tempo, para restaurá-lo ao seu estado original, para colocá-lo à venda em 2019 pelo não desprezível cifra de um milhão de euros.

Agora você não espera conseguir tanto, A RM Sotheby’s prevê que o seu preço fique entre os 265.000 mil e os 320.000 mil dólares, entre os 249.000 mil e os 300.600 euros. O carro foi recentemente submetido a um restauro pela CarSystems, avaliado em 16.216 euros, mais 4.771 euros em pintura, estofos e reparações interiores da Auto Leder Toczek. Investimentos realizados com vista à sua colocação à venda.

UM MERCEDES 300 CE EXTREMAMENTE ESPECIAL

Se perguntarmos a qualquer fã da Mercedes sobre o melhor carro que a empresa alemã já fabricou, muitas das respostas terão o mesmo protagonista: o Mercedes W124. Esse modelo, que se tornou um sucesso de vendas e de crítica, foi, diz-se, o último Mercedes desenvolvido sem levar em conta custos, e obviamente, isso nos permitiu criar um carro absolutamente sensacional e totalmente superprojetado, ou seja, era desnecessariamente bom. Talvez por isso seja tão fácil ver unidades em circulação em quase qualquer lugar da Espanha, certo?

A geração W124 foi, para muitos, o último Mercedes “real”, mas também foi, e não há dúvida disso, o último Mercedes sem versões desportivas, ou pelo menos, sem as versões a que estamos habituados há muito tempo. Naqueles anos, a marca ainda não contava com a AMG, a associação surgiu um pouco mais tarde, embora os fãs da estrela alemã pensem no Mercedes 500E ou no “Hammer”, o Mercedes 300 E 5.6 AMG “Hammer” equipado com um V8 de 360 ​​cv. E eles estariam parcialmente certos, mas apenas parcialmente, porque o 500E não era um verdadeiro carro esportivo, era um carro de luxo muito rápido, mas não um carro esportivo, e o Hammer foi obra da AMG quando ainda vivia separada – A Mercedes assumiu o controle total da AMG no final da década de 90.

Naqueles anos, a Mercedes ainda tinha aquela imagem de um carro muito imponente, muito sofisticado e, obviamente, muito caro. Sin embargo, no contaba con modelos que fueran realmente llamativos, todo era muy correcto, elegante y nada estridente, y quizá por eso, cuando se abrieron las puertas del salón de Frankfurt de 1989, el Boschert B300 “Gullwing” llamó tanto la atención de todo o mundo. Basicamente, tratava-se de um Mercedes 300 CE – a versão cupê do W124, cujo código interno era C124 –, para o qual foi alterada a frente e no qual foram instaladas portas espetaculares. que tinha abertura para cima, com pivô no teto e, portanto, estilo “gullwing” ou “Gullwing” em inglês. A imagem do carro com as portas abertas apareceu em todas as capas de revistas e ainda hoje é lembrada pelos seguidores do modelo alemão.

DESENVOLVIDA JUNTO COM A ZAGATO, A MERCEDES NÃO TEVE NADA A VER COM

Um dos modelos mais icónicos da Mercedes é, sem dúvida, o Mercedes 300 SL, as míticas “asas de gaivota”, um carro lançado na década de 50 e que estava algumas décadas à frente de todos os seus rivais, tanto pelo design, algo nunca visto na marca alemã naquela época, como por muitos detalhes técnicos, como uma construção em alumínio. algumas unidades podem orgulhar-se disso – como, por exemplo, um motor movido por injeção direta. Pérolas técnicas e de engenharia, que ficaram totalmente ofuscadas pela abertura de suas portas, que giravam no teto por necessidades técnicas, já que seu chassi impedia o uso de portas convencionais. Essa forma de solucionar o problema marcou a imagem do modelo e tem sido objeto de desejo e obsessão de muitos fãs de automóveis.

Entre esses fãs estava Hartmut Boschert, engenheiro alemão – de Emmendingen, no sul do país – que queria criar uma “versão moderna” do 300 SL. Não são poucos os que trabalharam em algo semelhante, e também não são poucos os que nunca alcançaram algo notável. Não é um projecto simples, nem de concepção nem de engenharia, mas o peso histórico também é demasiado elevado para que possa ser executado por qualquer pessoa. De fato, A própria Mercedes levou várias décadas para fazer algo semelhante, o que se refletiu no sensacional Mercedes SLS AMG, surgiu na segunda década do século XXI.

Boschert não tinha os mesmos recursos que a Mercedes tinha, de fato, Ele nem contou com a ajuda da marca para seu projeto.. A empresa alemã estava em vias de lançar o novíssimo Mercedes SL R129, herdeiro direto do 300 SL, automóvel em desenvolvimento desde 1984 e apresentado no Salão Automóvel de Genebra de 1989, ou seja, pouco antes para Boschert apresentar sua criação. É lógico que a empresa alemã não quisesse saber nada sobre um projeto como aquele e se recusasse a oferecer a sua ajuda, embora isso não tenha impedido o engenheiro alemão. Além disso, para substituir a Mercedes, a Boschert contou com a colaboração de ninguém menos que a Zagato e ainda por cima instalou a frente do novo R129 na carroceria do Mercedes 300 CE. Um carro que, uma unidade de 1988, que ele comprou com dinheiro próprio para desenvolver a sua ideia.

OBJETIVO: PRODUZIR UMA EXECUÇÃO LIMITADA DE 300 UNIDADES

O desenvolvimento do Boschert B300 ocorreu quase ao mesmo tempo que o SL R129 e não foi exatamente simples, pois há muito mais mudanças do que adicionar portas de abertura no teto ou na frente do mencionado R129. Por exemplo, a plataforma teve que ser revista e redesenhada quase completamente, pois parte da estrutura foi alterada e o sistema de abertura de portas exigiu outros esforços e outras necessidades. Não à toa, o orifício de acesso ao habitáculo é muito maior e além de expandi-lo para trás, também forçado a mover o pilar C 25 centímetros para frente. Instalar o front-end do R129 foi o trabalho mais fácil. A presença da Zagato no projeto permitiu que o resultado final fosse de altíssimo nível, quase como se a própria Mercedes tivesse se encarregado dele.

Harmut também deixou claro que o seis cilindros original, o M103 desenvolvido pela marca, não era suficiente para a “ressurreição” do “asa de gaivota”, por isso modificou o motor. Especificamente, foram adicionados dois turbos sequenciais – um turbo funciona em baixas rotações e outro em altas rotações –, um intercooler e alguns detalhes adicionais, até conseguirmos extrair 288 HP.

O projeto finalizado foi apresentado com grande ambição e grandes esperanças. A recepção foi sensacional, teve um impacto enorme, a imprensa fez eco à sua apresentação e enfim, o carro estava por todo o lado. As expectativas de Boschert estavam aumentando, mas O seu preço, 186.000 mil marcos alemães – quase 95.000 mil euros sem ter em conta a inflação – era, naquela altura, demasiado.. Após o seu lançamento, o Boschert B300 “Gullwing” acabou esquecido, embora tenham sido recebidas 10 encomendas da versão “económica”, que tinha portas convencionais.

Fotografias de RM Sotheby's.

Escrito por Javi Martin

Se você me perguntar de onde vem meu amor por motores, eu não saberia como responder. Sempre esteve lá, embora eu seja o único na família que gosta deste mundo. Meu pai trabalhava como desenhista em uma empresa metalúrgica com muita produção de autopeças, mas nunca houve uma paixão como a que eu posso ter.

Gosto muito da história do automóvel e neste momento estou a criar uma biblioteca pessoal dedicada exclusivamente à história do automóvel em Espanha. Também tenho um acervo enorme de material digitalizado e escrevi o livro "Os 600, um sonho sobre rodas" (Editora Larousse).

Deixar uma resposta

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

60.2kfãs
2.1kSeguidores
3kSeguidores
3.8kSeguidores