in

Em resposta a Sixt e Continental

No último dia XNUMX de fevereiro as empresas Sixt y continental tornou públicas as conclusões do estudo que efectuaram sobre o envelhecimento do parque automóvel espanhol. Dentre eles, destacaram-se dois que afetariam terrivelmente a conservação do patrimônio cultural industrial de nosso país: a recomendação de sucatear todos aqueles carros com mais de trinta anos de antiguidade e a proibição de venda ou troca entre pessoas físicas de todas as pessoas com mais de quinze anos. Os objetivos que justificariam a adoção de tais medidas são maior segurança ao volante e um ambiente mais limpo.

Vamos direto ao assunto: o objetivo deste artigo é simplesmente "desmontar" seus argumentos e, em seguida, exigir que essas duas empresas se retratem publicamente. Por uma questão de transparência, começaremos citando literalmente as informações publicadas em El País sobre a apresentação do estudo, que, por ser da agência de notícias EFE, também foi publicado pelo jornal The World. A seguir, reproduziremos a notícia da Europa Press da declaração conjunta que a Sixt e a Continental emitiram dois dias depois para esclarecer a sua posição em relação aos clássicos, e que também foi ecoada por meios de comunicação de dimensão nacional, desta vez especializados, como Expansão o O economista.

Fiat Panda (1980-2003)
Fiat Panda (1980-2003) (cortesia da Fiat)

[su_spoiler title = 'Continental e Sixt pedem que a vida útil dos veículos seja limitada a um máximo de 30 anos' show = 'true']

A Continental e a Sixt pedem que a vida útil dos veículos seja limitada a um máximo de 30 anos

 
EFE ECONOMÍA Madrid 5 FEV 2013 - 14:48 CET - Notícias do «El País»
 
O fabricante de pneus Continental e a locadora de veículos Sixt solicitaram às autoridades espanholas uma legislação que limite a vida útil de um veículo a um máximo de 30 anos e que, após esse período, seja descartado.
 
Num relatório sobre a situação da frota automóvel espanhola, tanto o construtor como a locadora propõem a proibição da troca de automóveis há mais de 15 anos entre particulares.
 
Ambos os pedidos têm como objetivo contribuir para uma maior segurança rodoviária e redução das emissões de substâncias nocivas, aspectos que estão garantidos com as novas gerações de automóveis.
 
A Sixt e a Continental realizaram em conjunto um inquérito aos proprietários de automóveis com mais de doze anos, no qual ao final se indica que a idade média destes automóveis está fixada em 16 anos.
 
Uma característica geral que preocupa os promotores da pesquisa é que a maioria dos consultados se diz feliz com o desempenho desses carros, apesar da idade avançada.
 
Defendem também o aumento progressivo da idade média da frota automóvel espanhola devido às inspeções de rotina pela DGT do piso dos pneus e à proibição de acesso aos centros urbanos de automóveis altamente poluentes.
 
Alguns dados da pesquisa mostram que, devido à idade do veículo, apenas 2% incorporam controle de estabilidade, 57% não possuem ABS e 35% não possuem airbag.
 
Apesar da falta desses elementos essenciais hoje em um carro novo, os proprietários desses modelos antigos indicam em 87% dos casos que se sentem seguros ao dirigir, 96% afirmam que seu carro não é um risco para acidentes e 88,5% isso freia bem.
 
Outro dado preocupante é que 78,2% dos proprietários desses carros expressam o desejo de não trocá-los nos próximos anos.
 
Outra característica de despreocupação com os elementos de segurança é que 26% desses carros possuem pneus desiguais, ou seja, suas características não coincidem em marca ou características e o mesmo percentual admite que possuam desgaste excessivo nas rodas.
 
15% vão ao revendedor oficial para reparos e manutenção, mas a grande maioria opta por reparos do tipo doméstico ou em oficinas de bairro.
 
Para os responsáveis ​​de ambas as marcas, estes dados permitem concluir que os proprietários deste tipo de viatura não frequentam as campanhas de segurança rodoviária da Direcção-Geral de Trânsito (DGT). [/ su_spoiler]

Opel Calibra (1989-1997)
Opel Calibra (1989-1997) (emprestado pela Opel)

[su_spoiler title = 'Sixt e Continental, contra a remoção dos clássicos de circulação' show = 'true']

RELATÓRIO SOBRE O ENVELHECIMENTO DO PARQUE

Sixt e Continental, contra a retirada dos clássicos de circulação

 
MADRID, 7 de fevereiro (EUROPA PRESS)
 
As empresas do sector automóvel Sixt rent a car e Continental emitiram uma declaração conjunta em que esclarecem que não são a favor da retirada de circulação de veículos clássicos, históricos ou de colecção.
 
A locadora e o fabricante de pneus e componentes realizaram uma coletiva de imprensa conjunta na última terça-feira para apresentar um relatório sobre o envelhecimento da frota de automóveis, e na qual pediram a retirada obrigatória dos carros com mais de trinta anos.
 
Ambas as empresas afirmam que em nenhum momento desta conferência de imprensa se fez alusão - ou foi incluída - a este tipo de automóvel ao recomendar que a vida de um veículo do tipo turismo tivesse um tempo máximo de utilização.
 
“Tanto a Sixt quanto a Continental estão cientes da importância dos veículos clássicos na história automotiva. Seria um absurdo duas empresas com mais de 100 anos de história cada uma buscarem o desaparecimento ou a eliminação de qualquer tipo de veículo chamado clássico e em perfeitas condições ”, acrescentam.
 
Sixt também lembra que é um dos principais patrocinadores de uma das mais importantes competições de carros clássicos: a Mille Miglia; e a Continental, por sua vez, é fornecedora de pneus para veículos históricos em todo o mundo, além de patrocinadora e fornecedora de competições de motocicletas clássicas também na Espanha.
 
“Portanto, é totalmente incerto, e foi afirmado na conferência de imprensa, que a Sixt ou a Continental em nenhum momento recomendaram - ou são a favor - a retirada dos veículos clássicos ou históricos das estradas espanholas”, concluem.

[/ su_spoiler]

Renault 12 (1969-1980)
Renault 12 (1969-1980)

Depois que essa informação for exposta, vamos ao que interessa. A partir daqui, vamos usar o relatório «Mantendo a nossa herança de transporte móvel» publicado em outubro de 2006 pelo Movimento Europeu a favor dos Veículos Antigos, patrocinado pela Federação Internacional de Veículos Antigos (Federation Internationale des Vehicles Ancienes, FIVA), que é o primeiro documento que tenta definir e quantificar o amor pelos veículos antigos no Velho Continente nas suas várias vertentes. Para quem não sabe inglês, existe também um versão traduzida para o espanhol. Além disso, utilizaremos a experiência que a corretora Seguros Sergio Romagosa SL acumulou ao longo de 24 anos de serviço.

Em primeiro lugar, e para quem não conhece a FIVA, diremos que é a organização internacional que garante a conservação e a correta manutenção dos veículos antigos, em todo o mundo. É composto por federações nacionais de mais de 50 países, incluindo o FEVA espanhola, que por sua vez incluem os fãs-clubes que atuam em seu território e que desejam fazê-lo. A partir de A Escuderia Acreditamos que é particularmente importante afiliar-se à FEVA, uma vez que é a nossa representante perante as Administrações Públicas, da mesma forma que a FIVA o é perante a União Europeia. Assim, unidos, nos damos a conhecer e expomos nossos pontos de vista na hora da elaboração de novas leis que podem nos prejudicar injustamente.

Da mesma forma, vale definir o que esta federação entende por "veículo antigo" Ou, de forma menos técnica e clássica: qualquer veículo com mais de 30 anos será considerado como tal, independentemente do seu tipo; que não é utilizado para viagens regulares e que é preservado em sua condição original. Automóveis, motociclos, camiões, autocarros, tractores ou qualquer outra máquina que sirva ao transporte de pessoas e que cumpra os requisitos exigidos é abrangido e protegido pela FIVA e, na Europa, pelo seu Movimento Europeu a Favor dos Antigos Veículos.

Seat 127 (1972-1982)
Seat 127 (1972-1982) (Imagem da Seat, compartilhada por John Lloyd)

Este conceito é o único para o qual se chegou a um consenso internacional, mas isso não significa em nenhum caso que veículos mais modernos devam ser sucateados, pois se isso fosse feito, obviamente, os "clássicos" do futuro estão sendo destruídos e, como veremos a seguir, o patrimônio cultural industrial continental. E a única coisa que pode transformar um velho veículo em tal coisa é a passagem do tempo.

Na verdade, é difícil pensar em algo que tenha transformado as sociedades europeias mais do que o transporte rodoviário mecanizado. Mas, além disso, o desenvolvimento desta tecnologia ocorreu em grande parte no Velho Continente, razão pela qual se tornou ainda mais uma de suas marcas, de sua cultura. É isso que torna os veículos antigos um patrimônio histórico a ser conservado; além disso, um património mantido única e exclusivamente pelos seus proprietários e que é depois usufruído por toda a sociedade através das diferentes actividades que muitas vezes organizam de forma altruísta.

E30 da BMW (e E21) (1982-1994)
E30 da BMW (e E21) (1982-1994) (cortesia da BMW)

AS CONCLUSÕES DO RELATÓRIO

Dito isso, vamos nos concentrar no referido relatório: para atingir seu objetivo, a FIVA enviou cerca de 750.000 questionários a entidades afiliadas (clubes e outras), seus membros e as empresas diretamente envolvidas no setor de veículos antigos em um total de onze países do União Europeia, representante das outras 12 (no total 23) que têm delegações na federação. Assim, não inclui os adeptos que façam parte de entidades não associadas, nem as empresas que participem “à margem” do sector, nem as pessoas que utilizem um veículo antigo como principal ou segundo veículo. Os números para suas conclusões, que apresentaremos a seguir, são, portanto, necessariamente conservadores.

[su_quote] 1- Do ponto de vista econômico, o setor de veículos antigos dá trabalho a 9.000 empresas, que geram um faturamento anual de cerca de 16.600 milhões de euros. 57% dessas empresas exportam para outros países da UE, enquanto 45% o fazem para o resto do mundo.

Por outro lado, os proprietários deste património despendem directamente em produtos e serviços relacionados com o seu hobby, tais como veículos, combustível, manutenção, livros e revistas, seguros, automóveis ou vestuário, entre outros, 4.900 mil milhões de euros.

Os clubes, por sua vez, fazem uma despesa anual adicional de 39 milhões. [/ su_quote]

Renault 4 (1961-1992). Alguém poderia vir resgatá-lo ...
Renault 4 (1961-1992). Alguém poderia vir para resgatá-lo ... (Para Tony harrison)

[su_quote] 2- Em termos de emprego e estabilidade vital, vivem no setor automóvel antigo cerca de 55.000 seres humanos, dos quais 68% trabalham a tempo inteiro e 24% correspondem a pessoas com mais de 55 anos.

Além disso, muitas vezes são funcionários de empresas que estão no mercado há mais de 10 anos (especificamente 67% dos 9.000 mencionados acima), o que mostra que estão firmemente estabelecidos e desejam continuidade.

Por outro lado, 71% dessas empresas oferecem uma formação especializada que irá qualificar o aprendiz ou aluno e que irá dotá-lo de competências que, por se tratar de um setor minoritário, irão diferenciá-lo para o resto da vida. [/ su_quote]

Todo mundo gosta de veículos antigos
Sociedade espanhola gosta de veículos antigos

[su_quote] 3- Quanto ao número de veículos antigos existentes e ao tipo de utilização que lhes é dada, na União Europeia existem pelo menos 1.950.000, dos quais 1.530.000 estão em condições legais para circular. A Comissão Europeia de Transportes estima que existam atualmente cerca de 255 milhões de veículos - em geral - registrados na UE, Por este motivo, os veículos antigos matriculados constituem apenas 0,8% desse montante.

83% dos veículos mais antigos são usados ​​menos de três vezes por semana e 71% viajam menos de 1.500 quilômetros por ano. Menos de 10% viaja mais de 3.500. Enquanto todos os veículos cadastrados circulam anualmente uma distância de 2,2 milhões de quilômetros, os veículos antigos percorrem apenas 1.400 milhões, ou seja, 0,07% da referida quilometragem. [/ su_quote]

O 600 também era um carro antigo
O 600 também era um carro velho ... (Para Diego torres silvestre)

[su_quote] Finalmente, no que diz respeito ao âmbito cultural e social, descobriu-se que o valor de mercado de 78% dos veículos antigos é inferior a 15.000 euros e que 29% dos seus proprietários têm um rendimento familiar inferior a 30.000 euros um ano.

Além disso, os fãs sujeitos à investigação compareceram a aproximadamente 265.000 eventos fora de seus países de origem. Eles também dormiram 2.680.000 noites fora de casa por causa de seu hobby; Ambas as ações resultam na promoção do turismo e no fortalecimento dos laços intercomunitários e interculturais.

Por outro lado, existem cerca de 2.000 clubes filiados à FIVA, que reúnem pelo menos cerca de 786.000 entusiastas. 165.000 deles pertencem a entidades localizadas fora de seu país de residência. Os clubes arrecadam 1.800.000 euros anualmente para instituições de caridade.

As mais importantes revistas especializadas em veículos antigos têm uma circulação anual de cerca de 20 milhões de exemplares; e, finalmente, existem cerca de 700 museus de transporte na UE, atraindo 75 milhões de visitantes anualmente.

[/ su_quote]

Opel Kadett E (1984-1991)
Opel Kadett E (1984-1991) (emprestado pela Opel)

AS CONCLUSÕES ERRADAS DA SEXTA E CONTINENTAL

É fácil pensar que se os nossos carros forem destruídos à força ou se forem colocados obstáculos e obstáculos à sua sobrevivência, a parte espanhola de toda a riqueza cultural, social e económica descrita será significativamente reduzida ou mesmo desaparecerá. Da Continental somos aconselhados a torná-los históricos, algo que sem dúvida é uma possibilidade. No entanto, isso é feito sem perceber que muitos possível Os veículos antigos não serão encontrados nas mãos de um aquarista antes dos 15 anos, data a partir da qual, se fosse legislado no sentido recomendado pelas empresas alemãs, seria impossível vendê-los. Assim, a solução promovida, dado o seu custo entre 600 e 1.000 euros, constitui mais um motivo adicional para enviar para o sucateamento grande parte deste futuro património nacional.

Francamente, ambas as propostas, de sucatear aqueles carros com mais de 30 anos e de proibir a venda e troca entre indivíduos com mais de 15 anos, são desproporcionais: novamente estão tentando matar moscas com tiros de canhão; ou seja, resolver os problemas da segurança viária, do meio ambiente e do setor automobilístico da maneira mais fácil, cujo caminho prejudicará injustamente os direitos de quem menos o merece. A partir de A Escuderia Queremos que o consenso prevaleça sobre o radicalismo, as nuances sobre a simplificação. Senhores da Sixt e da Continental, vocês podem fazer melhor e, aliás, varrer menos em casa. Por certo, Você sabia sobre o relatório da FIVA?

Seat Ibiza (1984-1993)
Seat Ibiza (1984-1993) (Para Stricker rudolf)

Por outro lado, da experiência que a corretora de seguros Sergio Romagosa, SL acumulou ao longo de 24 anos de serviço, especializada na intermediação de seguros especialmente concebidos para veículos com idade mínima de 20 anos e com limite de quilometragem anual - o tipo de seguro do qual os fãs tendem a tirar proveito - as recomendações das duas multinacionais parecem quase absurdas. E é que, para além da referida limitação contratual -5.000 km para automóveis de passageiros-, que fala por si em termos de poluição, a frequência de acidentes dos veículos que é objecto da obra de Sergio Romagosa é de 2%, cinco vezes inferior a 10 % do cálculo global do ramo de seguros de automóveis. Ou seja, em cada cem apólices contratadas, apenas duas - ante dez - registram sinistro, graças a uma utilização do risco segurado muito inferior à média. Além disso, e novamente de forma significativa, em 80% dos casos a falha é do veículo oposto.

Um veículo, a partir dos 20 anos, muitas vezes circula esporadicamente, funcionando como segundo veículo ou veículo substituto em vez de principal; ainda mais quando se trata de máquinas com mais de trinta anos, às quais corresponde a taxa de seguro mais econômica. Isso porque, por não serem mais adequados para o tráfego diário, dificilmente se movem. À luz desses dados, questionamos se a Sixt e a Continental consultaram corretamente as estatísticas de acidentes do setor segurador.

Uma das fotos da apresentação da Sixt e Continental corresponde a um 1500 como este
Uma das fotos da apresentação em PowerPoint da Sixt e Continental, da qual
vamos conversar no final, corresponde a 1500 assim (Para Francisco Gonzalez)

Em suma, conselhos separados para sucatear os carros com mais de 30 anos e para proibir a venda e troca entre indivíduos com mais de 15 anos são difíceis de justificar, especialmente quando se estima que não haja mais do que cerca de 150.000 veículos em circulação em Espanha, aquelas que se dedicam a segurar corretoras especializadas como a de Sergio Romagosa.

Assim, decidimos enviar uma carta a ambas as empresas exigindo que retirem publicamente suas conclusões com a mesma pretensão midiática com que foram veiculados; informando-os de que, caso não o façam, não teremos escolha a não ser entrar em contato com suas respectivas sedes na Alemanha, com a FIVA e com a Seção Alemã de Veículos Históricos ADAC. Em qualquer caso, uma cópia deste artigo chegará aos ministérios e entidades públicas que tenham interesse em seu conhecimento.

Por fim, o leitor deve saber que não é por acaso que não oferecemos um link para um resumo oficial ou para o relatório original apresentado pelas multinacionais alemãs. Depois de solicitá-lo por e-mail à Continental em duas ocasiões, em 14 de fevereiro e 19 de março, finalmente o que nos foi enviado após essa segunda tentativa foi o documento do tipo PowerPoint que provavelmente serviu de guia de exibição no evento de apresentação e divulgação. conclusões questionadas neste artigo.
 
 

 
 

Avalie esta notícia e Comente!

O que você acha?

Javier Romagosa

Escrito por Javier Romagosa

Meu nome é Javier Romagosa. Meu pai sempre foi apaixonado por veículos históricos e eu herdei seu hobby, enquanto crescia entre carros clássicos e motocicletas. Eu estudei jornalismo e continuo fazendo isso porque quero me tornar um professor universitário e mudar o mundo ... Veja mais

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores