in

Eu amoEu amo SurpresoSurpreso RI MUITORI MUITO Pero qué ??Pero qué ??

Renault R16. O versátil membro da família que quebrou o esquema de três volumes

Após a Segunda Guerra Mundial, houve um "baby boom" na França, que também foi paralelo à expansão das classes médias urbanas. Nesse sentido, em meados dos anos 1965 a Renault identificou um novo tipo de público baseado em famílias jovens com necessidades cotidianas e gosto por viajar. Assim as coisas, apresentadas em 16 o RXNUMX. Um veículo versátil com uma grande porta traseira, suspensões de longo curso e assentos modulares. Um cruzamento entre um saloon e uma van que a própria marca reconhece como um precedente para seus atuais SUVs.

São cada vez mais os casos em que os modelos atuais buscam sua legitimidade em referências clássicas. Uma forma de projete o futuro reivindicando o passado com o qual várias marcas vêm fazendo campanhas publicitárias poderosas há algum tempo. Nesse sentido, os exemplos mais banais poderiam ser os da BMW com o Mini e da FIAT com o 600. Porém, ultimamente marcas francesas como Peugeot ou Renault também aderiram a essa tendência. Ambos apresentando protótipos elétricos com referências claras a conceitos de sucesso no passado.

Fato exemplificável com o e-Legend -inspirado no 504 Coupé- ou no novo R5 -datado para o próximo 2024-. Dois cases com muito barulho na mídia graças ao seu design inovador e cuidadosa campanha publicitária. Algo muito mais modesto no lançamento do Renault arkana. Um SUV multifuncional do segmento C produzido na Rússia. Que está a ter um certo avanço no mercado graças ao seu misto de habitabilidade e versatilidade, apresentando-se como um automóvel pensado para famílias jovens com necessidades quotidianas mas também de lazer.

Este conceito vem ganhando mercado há alguns anos, mas na realidade não é tão jovem quanto se poderia imaginar. Na verdade, parte da estratégia de publicidade da Arkana foi baseada em junte-se àquele que foi um dos primeiros veículos verdadeiramente versáteis do mercado europeu: o Renault R16. Uma família de 1965 com a qual a marca Diamond estreou o que muitos consideram um antecedente dos SUVs graças às suas suspensões de longo curso, facilidade de carregamento e espaço interior modular.

r16

Uma mistura de salão e van que como Arkana, teve famílias jovens como o principal destinatário. Claro, os dois modelos também compartilham outra qualidade: sua estética criticada.

RENAULT R16. UM NOVO CARRO PARA UMA NOVA GERAÇÃO

Independentemente de gostos e filiações, a verdade é que um automóvel deve, antes de mais, ser fiel ao fim para o qual foi criado. Do jeito que está, existem modelos de corrida, salões elegantes e veículos onde a praticidade é a chave. Um deles é o Renault R16. Um familiar projetado de dentro para fora priorizando o espaço interior e as acessibilidades. Contém uma cabine ampla e iluminada onde os assentos modulares têm até sete configurações possíveis. Característica pela qual o R16 passa em minutos de uma perua de cinco passageiros a uma van de carga com fácil acesso a partir de seu enorme portão como uma quinta porta.

Um tipo de corpo ao qual estamos acostumados hoje. Mas que em 1965, quebrou todos os moldes ao levar o conceito de três volumes para o segmento de sedan. Claro, isso não foi feito por um simples capricho estético. Longe disso, na Renault eles perceberam que em meados da década de XNUMX os filhos do boom populacional do pós-guerra já estavam se tornando pais. Além disso, beneficiados pela expansão econômica, não conviviam mais com as dificuldades dos pais.

r16

Eles tiveram acesso a treinamento técnico, empregos mais bem pagos e capacidade de consumo. Por isso, não só precisavam de carros para o dia a dia, mas também de preparações para passeios recreativos. Além disso, morando nos novos subúrbios da periferia, eles não faziam mais pequenas compras diárias a pé. Mas grandes cestas semanais adquiridas nos novos centros comerciais equipados com estacionamento. Em suma, era uma geração totalmente nova que precisava de um carro prático e versátil. Projetado para as necessidades de uma família jovem e moderna. Exatamente a lacuna que o Renault R1965 veio ocupar de 1979 a 16.

r16

PIONEIRA DA VERSATILIDADE

Compreendendo o contexto do Renault R16 é impossível não ser benevolente com suas formas. E é que sua estética não é virtuosa por causa de suas proporções, mas pela praticidade que permite. Montagem que aliás trouxe os engenheiros da fábrica de Sandouville -lançados para este modelo- de pernas para o ar pela complexidade de soldar um teto tão alto. Com relação a como suportar o peso variável de várias cargas, as suspensões foram adaptadas a um esquema suave de longa viagem. O que garantiu conforto em marchas suaves, mas também grande distância ao solo. Uma qualidade que permitiu ao Renault R16 percorrer estradas -se fosse leve- e encher-se até a borda -com o fundo caindo no chão-.

r16

Em relação à competição, pode-se dizer que nenhum dos salões da época possuía a mesma versatilidade que o Renault R16. Se a isso acrescentarmos que seus motores de 1470cc e 58CV -em sua versão mais básica- deram bastante dinamismo aos seus 980 quilos, temos um conjunto de boa média que só poderia ser atribuído a ter freios fracos. Para clientes mais exigentes em termos de motor, 1973 viu o aparecimento da versão TX. O topo de gama. Com deslocamento aumentado para 1647cc para atingir 93CV. Uma das oito variantes produzidas, totalizando 2.193.000 unidades montadas entre as duas fábricas na França, Austrália e Iugoslávia.

r16

Um sucesso que alcançou em 1966 o título de Carro do Ano na Europa. O reconhecimento da boa média entre as diferentes qualidades que o Renault R16 representa. Adaptar-se a um novo mercado derivado da época em que foi desenvolvido. Sem dúvida, a principal virtude deste carro, que, no entanto, os vendedores da Renault não tinham em alta estima como o consideravam "Mais feio do que inteligente". Porém, como já dissemos há carros cuja beleza ou charme reside na utilidade de sua proposta para o dia a dia.

Fotografias: Renault Classic

O que você acha?

32 Pontos
Upvote Downvote
Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores