fiat 130
in

Eu amoEu amo SurpresoSurpreso

FIAT 130 Familiare. 50 anos deste ensaio usado pelo Agnelli

Em 1969, a FIAT lançou o 130 como um sedã topo de gama, concebido para competir com o BMW 2800 e o Mercedes 280. No entanto, o seu motor nunca esteve ao nível dos alemães. É por isso que entrou para a história como um modelo com pouco sucesso, apesar dos esforços da FIAT para atualizá-lo. O mais importante em 1971, quando lançou uma variante coupé desenhada pela Pininfarina e até flertou com a ideia de produzi-lo numa carroceria de perua.

Qualquer gestão da realidade requer uma certa análise e um plano de ação para o futuro. Desse modo, políticos e empresários se dotaram de ideologias com as quais podem compreender e moldar a forma e a maneira como o ser humano vive em sociedade. No entanto, uma das grandes lições do passar dos séculos é a primazia dos fatos. Desta forma o acaso e o imprevisto estão sempre acima de qualquer agenda previamente constituída. Algo que não deveria levar ao cinismo cego, mas para reconhecer e aplicar a flexibilidade necessária que está por trás de qualquer acordo ou negócio.

Nesse sentido, é interessante ver como grandes empresários do setor automotivo conseguiram fechar acordos imprevistos para continuar com sua empresa. Na Espanha, temos um exemplo claro com Eduardo barreiros. Um exemplo claro de instinto e perseverança, que Pôde trabalhar em conjunto com o governo de Fidel Castro para continuar a desenvolver a sua atividade empresarial. Um exemplo de adaptação econômica. Dedicando-se aos motores diesel na fábrica cubano-soviética Amistad em Havana, depois de ter forjado seu passado com Dodge e Simca sob licença da Chrysler em Villaverde.

Um exemplo da falta de fronteiras para conhecimentos técnicos e ânsia de negócios, que o clã Agnelli simbolizava na Itália. Financiadores conhecidos e reconhecidos da democracia cristã que bloquearam o caminho para o disciplinado Partido Comunista da Itália. Mas na hora negociadores habilidosos com o Lada soviético para a fabricação licenciada de 124. Uma saga de empreendedores talentosos nascidos no início do século XNUMX que souberam fazer da FIAT uma empresa global em todos os sentidos.

fiat 130

Ou pelo menos quase todos eles. Pois, embora fossem referência em compactos urbanos na época em que controlavam a Ferrari, Eles nunca souberam como arrancar o reinado nos salões dos alemães. Prova disso é o polêmico FIAT 130. Um top de linha que nunca alcançou o sucesso pretendido mesmo conhecendo interessantes testes com o corpo familiar que já completam meio século.

FIAT 130. O TOPO DA GAMA QUE EU QUERIA MAS NÃO PODERIA SER

Em meados dos anos XNUMX, a FIAT já era um dos fabricantes generalistas mais importantes do mundo. Um gigante em crescimento devido ao sistema de manufatura licenciado. Graças a que países tão diferentes como a Espanha do catolicismo nacional ou a Rússia soviética incorporaram em seu progresso econômico modelos derivados da casa italiana. Assim, seus compactos e automóveis foram referência em diversos segmentos. Situação ainda mais óbvia com a irrupção do bem-sucedido FIAT 124 em 1966.

Porém, quando se tratou de modelos FIAT mais exclusivos, não conseguiu acertar a marca com um bom produto. Devido ao seu insucesso quando se trata de automóveis de luxo, este segmento promissor em uma Europa com cada vez mais quilômetros de rodovias permaneceu nas mãos dos alemães. Por isso, BMW e Mercedes -com a ponta britânica contribuída pela Jaguar- dividiram o mercado com uma FIAT ferida em seu orgulho. Problema que ele queria remediar apresentando o FIAT 1969 em 130. Um top de linha tão ambicioso quanto malsucedido.

No papel, a verdade é que um veículo com estética conservadora, motor V6 e suspensão independente nas quatro rodas, parece promissor para um sedã representativo. Ainda mais se um interior espaçoso e confortável com várias opções e grande luminosidade. Dados que colidiam com a realidade de apenas 140CV fornecidos por um motor que carecia de cilindrada com seus 2866cc. Muito pouco para um top de linha voltado para viagens longas com cerca de 1.600 quilos na balança. Desse modo, nem mesmo que o ajuste da mecânica fosse assinado por um engenheiro de tanto prestígio como Aurelio Lampredi poderia salvar a cara do FIAT 130.

1971. MEIO SÉCULO DA TENTATIVA DE RESGATE DO FIAT 130

Desde que foi apresentado em 1969, o FIAT 130 já parecia obsoleto em comparação com seus rivais. Na verdade, a própria marca sabia disso. Adicionando à marca diferentes melhorias técnicas em séries sucessivas para aumentar a potência para pouco mais de 160CV. Vãs tentativas de melhorar o número de vendas, muito baixas com pouco mais de 15.000 salões vendidos em oito anos de produção. Dados nos quais você certamente ficará impressionado ao ver a palavra saloon para diferenciar essa variante das outras. E é que em 1971 a FIAT veio ao resgate de seu modelo topo de gama incorporando um modelo coupé desenhado por Paolo Martín -Pininfarina-.

Muito mais moderno em suas linhas. Reto e refinado para mostrar uma porta dupla com deslocamento aumentado para 3235cc e 165CV. A priori atraente, mas com alto consumo e um preço três vezes superior ao de um 132 saloon impossibilitou o resgate comercial do FIAT 130, apesar de ter vendido cerca de 4.500 unidades. Desse modo, o FIAT 130 foi condenado, embora ainda estivesse vivo nas concessionárias da marca até 1977. Uma história de pouco sucesso, na qual nunca conseguiu vencer seus concorrentes: o BMW 2800 e o Mercedes 280.

Porém, para os fãs da marca italiana, o FIAT 130 hoje representa um modelo interessante e curioso especialmente em sua variante coupé. Que não ganhou tanto com o tempo quanto FIAT-Dino V6 embora mantenha um encanto dado pela sua escassez. De qualquer forma, Se o que você procura é o FIAT 130 mais desconhecido, diremos que são quatro dos quais três são preservados. Todos foram encomendados pela família Agnelli, que utilizou dois para uso privado e doou um terceiro ao seu antiquário de referência. Além disso, o Centro Stile FIAT valorizou fazer esta versão de vagão no boom das peruas na Europa. Uma ideia que acabou nos protótipos que já têm meio século.

Fotografias: FCA Heritage

O que você acha?

12 Pontos
Upvote Downvote
Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores