fnm onça
in

FNM Onça. Linhas Mustang e motor Alfa Romeo para este brasileiro de 1966

Nas últimas semanas, falamos várias vezes sobre o mesmo caso. De um país em pleno desenvolvimento industrial, mas ainda prejudicado pelo atraso tecnológico. Neste sentido, Durante o século XNUMX, existem muitos exemplos de fábricas nacionais trabalhando sob licença estrangeira. Enquanto governos ou consórcios privados finalizavam as linhas de produção, o próprio objeto se tornou uma realidade a partir de designs estrangeiros muito mais avançados. Essa lógica, aplicada ao automobilismo, tem expoentes bem conhecidos na Espanha. Da própria SEAT trabalhando com licenças FIAT para FADISA com a Alfa Romeo. Também passando pela história de Barreiros com a Chrysler.

No entanto, hoje não vamos continuar a mergulhar na história da Espanha, mas do Brasil. E, afinal, durante as décadas de XNUMX e XNUMX, suas economias tinham características semelhantes. Em primeiro lugar, ambos precisavam de um forte impulso. Tão determinado que o precário capital privado ainda não o poderia fazer, reservando a liderança automotiva para o músculo do estado. Assim, se na Espanha estava no comando a ENASA dos primeiros anos de Franco, no Brasil era a Fábrica Nacional de Motores fundada em 1942 por Gétulio Vargas.

Com um credo intervencionista, o FNM brasileiro passou a montar bicicletas, mas também motores de aviões, caminhões e até munições. Tudo o que é necessário para dotar o país de um mínimo em termos de transporte industrial, essencial para lançar a economia brasileira para além dos paradigmas da dependência. Nesse sentido, a comercialização massiva de motores diesel sob o capô de todos os tipos de vans parecia normal e correta. Um caminho que, anos depois, termina numa surpresa inesperada: a contratação da Alfa Romeo e o desenvolvimento de um desportivo nacional com uma curiosa semelhança com o Mustang. Estamos falando do FNM Onça.

fnm onça

FNM. DE CAMINHÕES A TURISMOS

Com o progresso técnico, a mesma história sempre acontece. Primeiro vem a mecanização do campo. Um avanço que libera um grande número de empregos na área agrícola, que são absorvidos pela crescente indústria urbana. Nesse ponto, as cidades começam a declinar com a mesma intensidade que as cidades a crescer. Uma mudança demográfica que, à medida que o crescimento urbano se instala, necessariamente traz uma economia mais diversificada. Justamente o ponto em que certos setores populares começam a se sair melhor graças à sua incorporação ao setor de serviços. Algo que o automobilismo entende muito.

Na verdade, na Espanha era um carro, o SEAT 600, o símbolo mais recorrente para ilustrar a decolagem da economia nacional e o surgimento das classes médias urbanas. Processo que também foi replicado no litoral brasileiro dos anos 50, onde o surgimento dessa população obrigou o FNM a ir além dos caminhões e vans. Uma atividade que vinha se desenvolvendo já que em 1949 ele assinou um acordo com a italiana Isotta Fraschini para a fabricação sob licença de veículos comerciais. Após o desaparecimento de Isotta, apenas dois anos depois, no início dos anos XNUMX, o acordo foi assinado com a Alfa Romeo da mesma forma que a FADISA fez na Espanha.

fnm onça
Caminhão FNM sob licença da Isotta Fraschini

Porém, e ao contrário do caso do Alfa made in Avila, o caso brasileiro foi muito mais longe. E é que, no início dos anos sessenta, a FNM começou sob licença a produção de um sedan a cópia exata do Alfa Romeo 2000 cinco portas do momento.

fnm onça
Emblema da FNM após assinatura da Alfa Romeo. Uma interpretação brasileira do emblema milanês

Desta forma, e como na Espanha, a SEAT lançou o 1963 em 1500, o FNM atendeu com sucesso às necessidades de uma classe média em crescimento com a capacidade de consumo necessária para proporcionar um veículo amplo, confortável e útil para longas viagens de lazer. Porém, para os engenheiros brasileiros isso não foi suficiente. Eles queriam seu próprio carro esporte.

fnm onça

FNM ONÇA. A TENTATIVA DE CRIAR UM ESPORTES BRASILEIRO

Em 1966 o FNM deu o sinal com a apresentação de um protótipo para analisar com pausa: o FNM Onça. Em primeiro lugar, o que mais chama a atenção é a linha do corpo. Uma cópia atrevida da primeira geração do Ford Mustang, lançada apenas dois anos antes. Um estilo bem americano onde se destaca o contraste da característica grelha triangular em que está inserido o emblema da Alfa Romeo. Homenagem feita à casa italiana por dois motivos. A primeira é porque a mecânica do FNM Onça é tirada do mesmo Alfa Romeo 2000 que mencionamos antes.

fnm onça

Um coração de 1 litros, quatro cilindros e 9 CV que animavam este veículo com proporções muito diferentes de qualquer carro esportivo da casa milanesa da época. E aí vem a segunda razão. Porque os da FNM queriam que a Alfa Romeo lhes desse a sua bênção inesperada para a inclusão do Onça na gama não só da empresa brasileira, mas também da italiana, mesmo que fosse apenas para comercializá-lo na América do Sul. A fim de persuadir o Alfa Romeo, A FMN fabricou cerca de cinco protótipos, enviando pelo menos um para Milão para exame da matriz. Exame que, obviamente, foi totalmente suspenso por Onça.

fnm onça
FNM Alfa Romeo Furia GT. O mais esportivo de todos os FNMs com motor Alfa Romeo

Não era apenas a estética que colocava problemas. Também o chassis, as suspensões de uma certa altura e outros detalhes estavam nos antípodas do que a Alfa Romeo considerava realmente desportivo. Além disso, as qualidades eram desprezíveis, com sérios problemas aerodinâmicos que até estouraram o forro internoà medida que as entradas de ar o direcionavam para as lacunas sem saída dentro do corpo de fibra de vidro. Decepcionado com a experiência, o FNM abandonou o projeto. Também evitando uma demanda mais do que certa da Ford como resultado da cópia óbvia do Mustang.

Hoje acredita-se que apenas três permanecem dos cinco a dez protótipos construídos pelo FNM em 1966. Um exemplo interessante do que poderiam ter sido os Alfa Romeos brasileiros.

Fotografias: FNM

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores