dardo gsm
in

GSM Dart. Dois sul-africanos, muita fibra de vidro e um chassi deformável

Revendo o que sabemos sobre o carro clássico na África do Sul, obtemos poucas referências. Mas sim, todos eles muito interessantes. Para começar, e como seguidores confessos da Scuderia, nos lembramos de Jody Scheckter. O piloto sul-africano de F1 que correu de 1972 a 1980, sagrou-se campeão em 1979 a bordo da Ferrari 312T4, dando também a Maranello seu sexto título de construtor. Em segundo lugar, não podemos esquecer o entrevista com o gentil Jethro Bronner. O apaixonado alfista que cruzou toda a África em sua jornada da África do Sul à Irlanda a bordo de um Giulia Sprint GT 1964. A propósito, sem avarias notáveis.

E, claro, não podemos ignorar a história do BMW 333i E30. A variante local do M3 projetada da Alemanha pela BMW Motorsport em colaboração com a Alpina para evitar embargos comerciais durante os últimos anos do Apartheid. Uma besta montada na África do Sul sob o capô, com o motor de seis cilindros em linha de 3,2 litros do 733i. A engenhosidade conhecida como Big Six, cujo tamanho obrigava os compradores a escolher entre ar condicionado ou direção hidráulica.

Porém, e para ser sincero, após essas três referências não podíamos falar mais nada sobre o mundo dos clássicos na África do Sul além de algumas indicações sobre a fabricação de alguns modelos da Alfa Romeo no local. No entanto, há poucos dias descobrimos a história do GSM e seu primeiro modelo. Um pequeno carro esportivo artesanal com carroceria de fibra de vidro do qual apenas cerca de 168 unidades foram feitas, contando as montadas no Reino Unido, que eram pouco mais de cinquenta. O sonho de dois jovens engenheiros que só conseguiram sobreviver de 1958 a 1964 e hoje é uma raridade para os conhecedores.

GSM DART. SONHOS EM FIBRA DE VIDRO

Quando a Chevrolet lançou o Corvette em 1953, colocou os benefícios da fibra de vidro na mesa. E, até então, nenhum carro esporte produzido em massa tinha uma carroceria feita desse material. Um composto que facilita bastante as coisas para os pequenos fabricantes, já que seu custo é muito mais barato que o do alumínio. Além disso, ao trabalhar com chapas de alumínio, são necessários fisiculturistas especialistas ... Moldar a fibra de vidro é muito mais fácil. Por tudo isso, Durante os anos cinquenta e sessenta, países como Itália e Reino Unido experimentaram uma verdadeira explosão quando se trata de pequenos carros de corrida artesanais com carroceria com este material..

Na verdade, se não fosse pela fibra de vidro, não estaríamos falando sobre o GSM. Uma marca que, mesmo no nome, revela a influência deste material: Glass Sport Motors. Mas, Por que era tão importante para os jovens engenheiros Bob Van Niekerk e Willie Meissner? Simplesmente porque lhes permitiu avançar com sua ideia de negócio. E é que, recém-formados, tinham os meios técnicos para fabricar um chassi e os contatos para conseguir os motores. No entanto, na África do Sul pouco industrializada, era impossível encontrar fisiculturistas.

Algo que mudou quando Meissner viajou para o Reino Unido, descobrindo os benefícios da fibra de vidro por lá. Além disso, e depois de escrever uma carta a Niekerk solicitando sua presença na Inglaterra, eles conheceram o estilista sul-africano Verster de Wit. Colaborador na concepção de Raio De Sol AlpinoFoi ele quem os ensinou a trabalhar com o novo material. Com este treinamento eles voltaram para a África do Sul, onde depois de doze ou treze tentativas eles finalmente conseguiram moldar um molde corporal válido. Assim, a única coisa que faltou fazer foi fabricar um chassi simples com longarinas sobre o qual montaram motores de 1.300 cc, principalmente do Ford Anglia 100E e 105E.

BOM DESIGN, EXCELENTE COMPORTAMENTO E SEGURANÇA PIONEIRA

Uma das coisas interessantes sobre os dardos GSM é seu caráter como peças quase únicas. Devido à sua fabricação artesanal, muitas unidades vão além do normal para montar peças que não foram selecionadas originalmente. É por isso que algumas unidades GSM Dart são movidas por eixo de comando de válvulas duplo Alfa Romeo 1300 ou motores Coventry Climax. No entanto, é verdade que a maioria dos corpos é altamente homogênea. Com aquelas barbatanas traseiras que parecem inspiradas no Alfa Romeo BAT de Franco Scaglione e o vidro traseiro invertido que três anos depois -em 1961- popularizou o Citroën Ami 6 da primeira série.

Além de seu design, algo interessante sobre o GSM Dart era seu baixo peso. Uma vantagem pela qual alcançaram resultados notáveis ​​em corridas sul-africanas e britânicas, trazendo as cores de carros muito mais potentes graças à sua excelente relação peso / potência. Desta maneira, Por seis anos, certos círculos automobilísticos britânicos ecoaram essa pequena marca africana, que foi a segunda no país depois da estreia do Protea em 1957 e seu pequeno carro de corrida. Porém, como informação muito interessante, devemos destacar a preocupação do GSM com a segurança.

E é que o GSM Dart é um dos primeiros carros com zonas de deformação programadas no chassi. Elemento essencial para a segurança atual, mas inexistente nos pequenos carros de corrida fabricados há seis ou sete décadas. Um motivo que, por si só, já tornaria o nosso protagonista digno de um lugar de destaque nos anais do automobilismo. No entanto, devido a problemas financeiros, o GSM foi dissolvido em 1964, seis anos após sua fundação. Ele só teve tempo de lançar o Dart e um modelo V8 interessante que se parece com o Cheeta em sua abordagem. Algo sobre o qual informaremos em artigos futuros sobre a história do GSM.

P.S: Curiosamente, o GSM Dart tem um preço muito mais barato do que pode parecer. Embora seja complexo encontrar uma unidade para venda, quando surge oscila entre os 9.000 e os 14.000 euros. Apenas o que foi planejado para o leilão que Bonhams realizará uma cópia em 17 de julho.

Fotografias: Bonhams / GSM / Museu Frankschhoek

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores