in

Eu amoEu amo

Hispano-Suiza Alfonso XIII, o pioneiro do esporte

O Hispano-Suiza é um dos modelos mais icônicos da história da marca. Não só por ser o seu desportivo de maior sucesso, mas também por ter conseguido impor-se nos circuitos da Peugeot e ter assistido à transferência da produção para os arredores de Paris. Além disso, esta carroceria de cauda de barco mantém intacto todo o charme dos dias dourados.

Hoje a Peugeot é uma das principais marcas generalistas da Europa. Desta forma, na sua gama podemos encontrar vários modelos destinados ao uso prático e diário. No entanto, há mais de um século, a companhia de leões também dominava em várias taças e troféus primitivos de automobilismo. Tanto que seus modelos superaram os de Hispano-Suiza e outras empresas com ares esportivos em todos os tipos de competições. Um domínio arrebatador. Em que mesmo envergonharam a marca espanhola durante a Copa da Catalunha. Criado por Alfonso XIII para servir de vitrine e campo de testes para as criações da fábrica de Barcelona.

No entanto, aqueles primeiros dias do automobilismo progrediram a uma taxa exponencial. Desta forma, as mudanças foram acompanhadas de avanços capazes de fazer grandes diferenças. Algo típico de um momento em que tudo estava para ser descoberto e, portanto, cada passo resultava em desenvolvimentos decisivos. Assim as coisas, de 1909 Hispano-Suiza apresentou um ambicioso plano de carreira para “voituretas". Uma categoria na qual, apesar do regulamento aberto, poderiam caber modelos com menos de 2 litros de cilindrada e máximo de 750 quilos. Desta forma, o engenheiro Marc Birkigt projetou um motor de quatro cilindros de 2665 cc com cerca de 45 CV de potência.

Com esse motor como principal argumento, Hispano-Suiza se lançou para enfrentá-lo com a Peugeot nos circuitos. Uma aventura que foi vencedora não tanto pela potência, mas pela confiabilidade. E é que o motor Birkigt suportou tão poucos o ataque de velocidade enquanto o Peugeot L3 ou EX3 não parecia ser tão preciso a este respeito. Neste contexto, o Hispano-Suiza venceu o Grande Prêmio de Ostend e Boulogne em 1910. Duas das corridas mais prestigiadas do momento. Cuja aura de prestígio deu asas à empresa para produzir em massa um modelo derivado da competição. Assim nasceu o Hispano-Suiza Alfonso XIII em 1911.

HISPANO-SUÍÇA ALFONSO XIII. TESTEMUNHA DA TRANSFERÊNCIA PARA A FRANÇA

Após a experiência vertiginosa e malsucedida da Primeira República, o cenário político espanhol voltou a um regime de consenso e distribuição de poder conhecido como Restauração. No entanto, durante as últimas décadas do século XIX, o poder das organizações operárias cresceu ao mesmo tempo que a própria industrialização. Desta maneira, o início do novo século foi marcado por inúmeras greves e manifestações. Muitos deles em Barcelona. Cidade em que os sindicatos mexeram com as consciências em momentos como a greve que abalou a Hispano-Suiza em 1910.

Um transe do qual saiu com um terço a menos de produção e uma infinidade de pedidos perdidos. Motivos pelos quais a direção da empresa decidiu transferir parte de sua produção para a fábrica Levallois-Perret, nos arredores de Paris. Uma mudança de época da qual o Hispano-Suiza Alfonso XIII foi a principal testemunha. De qual apenas as quinze unidades da primeira série foram montadas em Barcelona. Um número curto. Muito longe dos 500 fabricados em 1914, último ano do modelo em produção. Porém, apesar de nascer em um momento de transição para a empresa, o Hispano-Suiza Alfonso XIII tornou-se um dos modelos mais desejados e bem-sucedidos da época.

Na verdade, ainda hoje é um dos veículos-chave para entender o conceito de corrida de carros esportivos. E não é por menos, já que seu motor de 4 cilindros superou o de corrida e atingiu os 3619 cc. Desta forma, a potência foi aumentada para 60CV, alcançando um 120 km / h de ponta para seus 660 quilos graças à tração traseira e uma caixa de câmbio de três velocidades. Além disso, o carburador Weber e outros detalhes como a ignição magnética reafirmaram o bom design de Birkigt no Hispano-Suiza Alfonso XIII. Que passou a ter este nome devido ao grande interesse que o monarca demonstrou em criar um carro desportivo de série.

NOVA POSIÇÃO PARA O MOTOR

Embora tenha nascido da competição, o Hispano-Suiza Alfonso XIII vendeu seus benefícios entre os entusiastas do automobilismo que raramente participavam das corridas. Por ele, apenas algumas unidades do modelo permanecem prontas para competir. Um daqueles com carroceria reduzida ao mínimo e o arco da roda descoberto para maior eficácia e menor peso. Longe disso, a realidade é que a maioria das unidades conservadas incorpora detalhes como faróis ou rack. Um equipamento que fez do modelo um carro esportivo, mas também adequado para uso na cidade e na rodovia.

Algo como um GT de tempos arcaicos, que exibia uma abordagem esportiva em detalhes tão sutis quanto a posição do motor. Tornado visível ao ver Alfonso XIII de lado, notando como o motor se projeta abaixo na posição longitudinal, mas muito atrás do eixo dianteiro. Desta forma, melhora-se a distribuição de pesos, alcançando resultados muito diferentes dos automóveis pesados ​​e de subviragem da época. Uma das características que tornam este modelo tão eficaz nas corridas. Claro, estando ainda longe da época em que os carros de corrida podiam ser dirigidos por uma única pessoa.

Para aqueles momentos, separados de nós por mais de um século, o co-piloto ainda era essencial na categoria de mecânico. Sempre ciente de mudar as rodas ou bombear gasolina e óleo em determinados momentos. E isso sem falar do enorme esforço para se agarrar à vida agarrando-se onde quer que seja, para não cair nas curvas. Um uso extremo do Hispano-Suiza Alfonso XIII que, nesta unidade de chassi alongado datado de 1913, não acreditamos que fosse o caso devido ao carroçaria delicada "rabo de barco". Um dos mais bem preservados - e restaurados - exemplos deste modelo básico dos primeiros dias do automobilismo.

Fotografias: RM Sotheby's / Adão Warner

PD A unidade utilizada para ilustrar essas linhas é aquela marcada com o número do chassi 2192. Protagonista do leilão organizado pela RM Sotheby's em Paris em 5 de fevereiro de 2020. Hoje é um dos exemplares mais bem preservados de Hispano-Suiza Alfonso XIII.

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores