jaguar ghia
in

Eu amoEu amo

Jaguar XK140 Ghia. Peça única vestida pelo cocheiro de Torino em 1956

Embora nascido de forma improvisada, o Jaguar XK é um dos carros esportivos mais icônicos de todos os tempos. Além disso, o encarroçador Ghia desenvolveu vários projetos exclusivos em sua base. Entre eles está o apresentado no Salão do Automóvel de Paris em 1956 a pedido de um cliente francês sobre um XK140 -segunda série-, que acaba de ser leiloado enquanto se aguarda um projeto de restauração necessário.

Sob a proteção do governo italiano, a FIAT adquiriu o controle da Ferrari e da Lancia em 1969. OUOperação comercial que protegeu duas das mais emblemáticas marcas nacionais da capital norte-americana, que passou por sérias tentativas de compra pela Ford. Um fato que enfureceu o povo de Dearborn, certo de que, com o golpe de um talão de cheques, poderiam obter emblemas da engenharia e do design transalpinos. Mas esse não foi o fim da atuação da empresa americana no país.

E é que, numa espécie de explosão promovida pela impotência da derrota, Ford aproveitou a difícil situação financeira de Ghia para adquiri-la em 1973. Uma compra que liquidou a independência deste fisiculturista de Torino, que assinava desde 1916 algumas das criações mais sugestivas do design italiano. Claro, curiosamente muitas vezes seguidores do design futurista e espacial que com seus brilhos cromados vieram do outro lado do Atlântico. Prova disso é o Abarth FIAT 1100 Ghia. Modelo na linha de carrocerias do tipo Supersônico projetadas sobre bases FIAT e Jaguar de Giovanni Savonuzzi.

Outro dos culturistas italianos de primeira linha que passou pelo escritório de Ghia, que se junta a Pietro Frua, Mario Boano e até mesmo Giovanni Michelotti. Empresas que encontraram nesta casa a possibilidade de dar rédea solta à experimentação graças a projetos ousados ​​feitos por encomenda. Apenas o caso de Jaguar XK140 Coupe com chassis 810827D. Uma peça única encomendada pelo industrial francês Hans Altweg ao fabricante de carroçarias de Torino no final de 1955 e foi apresentada no Salão Automóvel de Paris no ano seguinte.

JAGUAR XK140. A EVOLUÇÃO CONSERVADORA

Quando o designer-chefe da Jaguar, William Lyons, apresentou o salão Mark V em 1948, tudo parecia permanecer no lugar. E é isso, embora tenha introduzido inovações mecânicas como suspensão dianteira independente, freios hidráulicos ou indicadores de direção a abordagem geral permaneceu fiel às idéias conservadoras da Jaguar. Fato que se manifesta principalmente na carroceria, que deve suas linhas aos modelos anteriores à Segunda Guerra Mundial. No entanto, tentando ganhar presença na mídia para apoiar o lançamento do Mark V, os Jaguars recorreram a algo imprevisto.

Um carro pequeno, esportivo e leve que seria a embalagem perfeita para apresentar um novo motor de seis cilindros chamado XK. A priori, nada mais do que uma operação de mídia de curta duração apelidada de XK120. No entanto, o sucesso deste modelo foi de tal calibre que apenas Durante sua apresentação no British International Motor Show, mais de trezentos pedidos de compra foram registrados. Uma surpresa que pegou a marca desprevenida, que mal teve tempo de terminar o desenvolvimento do modelo antes de sua produção em série com base em um chassi Mark V encurtado.

Cupê Jaguar XK120

Assim sendo, o XK120 teve mais duas séries em produção até 1961 sendo um dos maiores marcos do automobilismo inglês. Em relação ao segundo, foi denominado XK140. Ganhando 30CV pela primeira vez para aumentar o desempenho de seu motor de 3,4 litros para 190CV. Sem dúvida um bom avanço que, no entanto, contrastava esteticamente com o apego a linhas que já estavam começando a ficar desatualizadas na rápida evolução do pós-guerra. Ciente disso, a Jaguar ofereceu a possibilidade de comprar o chassi e a mecânica sem carroceria. Opção que facilitou o aparecimento de trabalhos únicos por encarroçadores italianos usando o XK140 como base.

1955. GHIA ENTRA NO PALCO

Assim que apareceu em 1954, o XK140 Jaguar começou a fornecer até onze chassis diretamente para a Ghia. Entre eles estão os quatro que serviram de base para o Savonuzzi Supersônico. Que são semelhantes aos que já fiz em vários FIAT 8V bem como alguns chassis do XK120. Além disso, em uma linha de estilo menos refinada, Ghia assumiu corporativamente a autoria de outros projetos, como o que foi executado no chassi do 810827D. O primeiro XK140 a chegar às oficinas de Torino. Que foi apresentado no Salão Automóvel de Paris de 1956 ostentando um corpo de alumínio que aliviou o peso do pequeno, mas não exatamente leve XK140.

Vantagem que melhorou o desempenho do carro, iluminando em mais de 100 quilos os cerca de 1300 do modelo de fábrica. Em relação à história da maquete, deve-se dizer que uma primeira análise de suas fotografias convida ao erro, pois vemos duas grades muito diferentes. No entanto, isso tem uma explicação simples. Já que Depois de sofrer um acidente na área do farol esquerdo em 1959, este XK140 foi enviado de volta a Ghia para reparos.. Momento em que foi utilizado para atualizar suas linhas, incorporando uma grade bem mais espartana.

Provavelmente provocado pelo novo proprietário Berthelot-Mariat, que usou o carro em vários ralis e corridas de ascensão. Motorista amador que manteve o carro até 1969, quando ele passou para as mãos do colecionador Jaguar Roland Urban. Uma autoridade na história da peça única do Jaguar. Qual continuou a usar o carro em corridas incorporando melhorias, como freios a disco ou novos carburadores. Uma vida ativa para este XK140 que, no entanto, ficou parado desde 1979 degenerando até acumular ferrugem e múltiplos danos.

Fotografias: Bonhams / Jaguar Media Press

PS As fotografias utilizadas para ilustrar este artigo provêm do catálogo preparado por Bonhams para The Zoute Sale. Leilão realizado em 10 de outubro onde o XK140 foi atribuído a um novo proprietário. Ele deve colocar o carro em um cuidadoso trabalho de restauração.

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores