Jim Perkins morre, o homem que salvou o Corvette
in

Jim Perkins morre: o CEO que salvou o Corvette

O tempo não passa para os verdadeiros clássicos, mas para as pessoas que os criaram. Há menos de dois anos, Peter Schutz faleceu "O homem que salvou 911". E agora, alguns dias atrás, ele nos deixou Jim Perkins, responsável por salvar a saga do Corvette em suas horas mais baixas. Essa lenda americana da gestão automotiva alcançou a posição mais alta da Chevrolet, desde seu modesto início na catalogação de peças. Além disso, sua pequena aventura japonesa também vinculou seu nome ao da Toyota.

Dotado de um personagem direto e impetuoso, Jim Perkins se exibia como um típico texano. Um homem do sul que conseguiu seu primeiro emprego quando em 1960 começou a trabalhar classificando componentes devolvido sob garantia para um armazém Chevrolet. Esse foi o início de uma carreira meteórica chegando a gerente em San Diego, Dallas, diretor de marketing, gerente de vendas da Buick ...

Em suma, se a Chevrolet era o maior consórcio automobilístico do mundo, não era apenas por seus engenheiros, mas também por ter bons estrategistas comerciais. E Jim Perkins estava. Tanto que em 1980 ele se tornou CEO da empresa. Aquele garoto que começou de baixo agora se via no comando do Chevrolet com o desafio de continuar a fazer uma máquina de dólares com ele. Claro, o que ele ainda não sabia é que acabaria sendo o salvador do modelo mais mítico da marca: o Corvette.

corveta Jim Perkins
Junto com os engenheiros-chefes do Corvette McLellan, Hill e Duntov. Fonte: Corvette Action Center.

JIM PERKINS: PASSAR POR TOYOTA E VOLTAR PARA "CHEVY ORGULHOSO"

O mundo dos negócios é como o futebol. Mesmo que um jogador seja o ícone de uma equipe e isso lhe tenha dado tudo o que é ... O dinheiro acaba mandando fidelidade e repasse. Esta é a única maneira de explicar que em 1984 Jim Perkins deixou um Chevrolet no qual era o "capitão geral" para viajar ao Japão como vice-presidente da Lexus. A Toyota estava interessada em lançar sua divisão de carros de luxo e não poupou despesas, dando a Perkins um cheque que ela não poderia recusar.

No entanto, sempre se retorna ao que é por em 1989 ele voltou para a Chevrolet para substituir Robert Burger -a propósito, que morreu há poucos meses- como CEO. A priori tudo estava no seu lugar novamente, mas as coisas não seriam tão fáceis. A empresa estava passando por momentos de ansiedade no final dos anos 80, quando a competitividade com outras grandes marcas nos fez repensar muitas coisas. Além disso, as baixas taxas de vendas colocam carros-chave como o Corvette no centro das atenções.

Era hora de recuperar as vendas ou ir direto para uma catástrofe mais do que possível. Assim, Jim Perkins pegou o touro pelos chifres - expressão precisa para um texano como ele - e apelou ao orgulho do grande Chevrolet dos anos 60. Uma de suas primeiras medidas foi a distribuição de um distintivo a cada funcionário da empresa. Todos tinham que usá-lo, claramente visível, unidos sob o lema "Chevy orgulhoso" Orgulho da Chevrolet. No entanto, as soluções não seriam tão fáceis assim ...

CAMINHÕES E ESPORTES. CURANDO CONTAS CHEVY

Durante os sete anos desde que dirigiu a empresa, Jim Perkins criou uma estratégia de negócios baseada em duas linhas. Por um lado a divisão de veículos comerciais teve que ser fortalecida. E ele conseguiu. Graças às suas negociações com concessionárias, ele relançou as vendas de caminhões, ajudando a limpar as contas da Chevrolet. Mas por outro ... Ele não queria que a empresa perdesse sua imagem esportiva, líder na produção de muitos dos carros que fizeram o sonho dos fãs americanos.

corveta Jim Perkins
Com o C4, a saga do Corvette quase acabou. Fonte: Chevrolet.

Para isso, ele reforçou o programa da competição, alcançando títulos de 5 construtores na NASCAR bem como inúmeras vitórias em Indy. No entanto, embora tudo estivesse a correr bem nos circuitos, o maior desafio desportivo da Chevrolet foi jogado nos escritórios: salvar o Corvette. Mesmo que ele Corvette C4 lançado em 1984 Foi um grande passo na saga, os bons resultados comerciais do início começaram a estagnar no final da década. Levando em consideração o custo de desenvolvimento de tal modelo, entende-se que os auditores começarão a ficar nervosos em uma situação de declínio geral das vendas.

A OPERAÇÃO DISCRETA C5. SALVANDO A CORVETA

A pressão dos contadores estava aumentando e, no início da década de 90, tudo prenunciava que o C4 seria a última evolução da saga. No entanto, Jim Perkins se escondeu nas costas do resto da empresa. Sua intenção era financiar discretamente o desenvolvimento de um protótipo para o C5. Tudo foi jogado em tal silêncio que até 1995 - apenas um ano antes do lançamento comercial do C5 - a Chevrolet nada confirmava sobre a próxima geração do Corvette.

corveta Jim Perkins
O C5 veio para salvar o mito. Fonte: Chevrolet.

Com motores V8 de quase seis litros, o C5 chegou para enfrentar modelos como o Viper. Enquanto isso, a Chevrolet havia recuperado as vendas e passado o difícil período de um regulamento de pessoal. A empresa pode olhar para o futuro com confiança, sem nunca desistir de seu carro-chefe. Um Corvette que apesar de ser uma maravilha mecânica foi salvo por um gênio das vendas. Os fãs do Corvette não esquecerão Jim Perkins.

O que você acha?

foto de avatar

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

55.7kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.4kSeguidores