karajan sinfonia favorita
in

Sinfonia favorita - e inesperada - de Karajan

Naquele dia, na agenda lotada de Karajan uma nova entrevista apareceu. Para um homem altamente mediático, encontrar jornalistas era apenas outra rotina. Supomos que falariam sobre música clássica, a próxima gravação ou o último concerto. Uma simples entrevista, nada mais. Seguindo as perguntas habituais, o jornalista perguntou a Karajan sobre sua sinfonia favorita, e esta velha raposa endurecida em centenas de audiências deu-lhe uma resposta atípica: “minha sinfonia favorita é o som de uma Ferrari de 12 cilindros".

Poucas vezes um entrevistado te surpreende com um título tão inesperado. Supomos que Karajan, farto de uma entrevista como todas as outras… decidiu fazer daquela outra algo diferente. Em um mundo à primeira vista tão espartilhado como o da música sinfônica, que alguém tão renomado como ele desse essa resposta poderia ser considerado um verdadeiro desvio do tom. De qualquer forma, os gênios precisam ter certas licenças ... e no caso de Karajan, a resposta não era apenas excentricidade.

rali de carros clássicos frança
Como veremos, Karajan tinha pelo menos duas Ferraris, uma 275 GTB e uma 250 GT Lusso como a da foto (Foto: Unai Ona)

DIRETOR E CONDUTOR, MAS NÃO APENAS DE ORQUESTRAS

Na orquestra sinfônica, temos a seção de metais. Isso é precisamente o que Karajan estava apaixonado; se nos referirmos a metais que andam sobre rodas, é claro. Este austríaco nasceu em 1908, e quem Ele é certamente o maestro mais importante do século XNUMX, ele foi um verdadeiro devoto das duas e das quatro rodas. Em 1928 ele entrou no mundo do automobilismo com uma motocicleta, mas com estilo: não era nem mais nem menos que uma Harley Davision. Em 1934 ele comprou seu primeiro carro e, apenas quatro anos depois, seu primeiro carro de corrida: um BMW pronto para competir em ralis.

Embora não tenha sido tão fácil vê-lo vestido com um macacão de piloto como um fraque regendo uma sinfonia, não era estranho ver Karajan na fábrica do Porsche, por exemplo. Ele era um verdadeiro fã da marca. Que sabemos, teve um adorável 1959 RSK Spyder, uma das mais belas carrocerias alemãs. Pequeno e prateado, uma bala. Vibrar nos circuitos fez aos comandos do 908 de 1969, um verdadeiro carro de corrida. E imaginar ... imaginar, imaginamos o mal que Karajan faria com seu 911 RS Turbo nas curvas das passagens nas montanhas austríacas.

Karajan era verdadeiramente apaixonado por esportes motorizados. Ele até dirigia um temível Porsche 908 (Foto: Unai Ona)

Mas a paixão de Karajan não se limitava apenas à marca Sttutgart (ou pelo menos a uma delas). Por sua garagem eles passaram por um Mercedes 300 SL -as míticas "asas de gaivota" -, um Rolls Royce 1966 -algo mais "formal" para ir aos jantares de gala-, o espetacular Ford GT40, ou dois dos melhores carros de rally já vistos: o angular Lancia Stratos e o retilíneo Audi Quattro.

Porém ... houve uma marca que tirou seu carinho mais especial. Aquela que executou sua sinfonia favorita: Ferrari. Se você continuar ouvindo 250 GTO no vídeo a seguir e não continuar lendo o artigo, não se preocupe, garanto que o mesmo aconteceria comigo. Amamos Mahler, Wagner, Beethoven ... mas Enzo Ferrari deve receber crédito.

A SINFONIA DO CAVALO

Enzo Ferrari costumava dizer: “quando você compra uma Ferrari você compra o motor, o resto eu dou para você”. Essa é a importância suprema que a marca Maranello dá aos mecânicos. Y se existe um motor que define a Ferrari ... é qualquer um de seus 12 cilindros. Eles os têm desenvolvido desde 1947. O V12 Lampredi, o atual Tipo F140 ... São os motores que impulsionaram os carros de F1 mais vitoriosos e seus modelos de rua mais icônicos. E entre toda essa lenda viva do motor, continuamos - e acho que Karajan também faria isso - com o V12 Colombo. Um V12 Colombo foi o que impulsionou a primeira Ferrari: o 125S de 1947. Ou aquele que oprime os tímpanos sob o capô do 250 GTO, possivelmente o Ferrari mais lendário da história. O som desses motores é a melodia emblemática da Ferrari, sua "sinfonia de cavalos".

Karajan tinha duas Ferraris. Apenas duas Ferraris equipadas com este tipo de motor de 12 cilindros. Ambos são dois ícones da marca, embora curiosamente nenhum deles fosse vermelho: a 275 GTB 1966 em azul e um 250 GT Lusso prata, comprada em Viena em meados da década de 60. Ambos são tão poderosos quanto elegantes; quão poderoso e elegante é o som de uma filarmônica.

Se você perceber, Karajan ele entrou em verdadeiro transe ao dirigir certas passagens de algumas sinfonias como esta Die Moldau. Mas quem sabe, Talvez ali, rodeado de músicos e espectadores, só pensasse em voltar para casa o mais rápido possível, ir até a garagem, abrir a porta e lançar sua Ferrari para a estrada à noite.

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores