in

Mercedes 300 SEL 6.8 AMG «Red Pig»: Uma história incrível com um final ruim

FOTOS MERCEDES 300 SEL 6.8 AMG «RED PIG»: RM SOTHEBY'S

Talvez a mesma coisa aconteça com você também. Ter tido um professor capaz de despertar a dúvida e a curiosidade entre seus alunos. Algo que é sempre bom fazer com argumentos amplos, mas também com máximas que simplificam a mensagem. Um deles é o "A primeira regra geral é que nunca existe uma regra geral". Seguido pelo sempiterno "Cada regra geral tem como sua primeira regra geral encontrar exceções". Bem, não apenas os anos provaram que o ex-professor estava certo. Também a história de Mercedes 300SEL 6.8 AMG.

E é que este sedã pesado é um dos maiores marcos na competição da Mercedes. Ou bem, melhor diríamos naquele do preparador AMG, já que os de Stuttgart sempre se distanciaram do projeto. Um projeto liderado por Hans-Werner Aufrecht y Erhard Melcher, dois engenheiros que decidiram deixar a Mercedes se ela abandonasse definitivamente as corridas. Assim, de uma paixão desenfreada pela competição, nasceu a história deste treinador no início dos anos setenta. Uma história em que seu primeiro capítulo seria o Mercedes 300 SEL 6.8 AMG.

Um carro que representa muito bem aquele que em toda regra há exceções porque, vejamos. Um enorme salão de luxo participando com sucesso em corridas de resistência contra carros esportivos leves? Até hoje ainda parece rebuscado. No entanto, a verdade é que o Mercedes 300 SEL 6.8 AMG alcançou o segundo lugar na classificação geral nas 24 Horas de Spa de 1971. E a partir daí tornou-se peça chave no desenvolvimento da aeronave supersônica Concorde!

réplica mercedes 300 SEL Red Pig

Uma história fabulosa como poucas outras que, infelizmente, acabou em um ferro-velho. Um daqueles finais em que você só pode dizer "Mas como diabos isso aconteceu?". Seja como for, a verdade é que não sobrou nada do Mercedes 300 SEL 6.8 AMG. Nada além de memória e réplicas como esta recentemente leiloada em Paris por RM Sotheby's. Uma tentativa de fazer justiça a "Porco Vermelho", apelido que os torcedores alemães deram ao carro pelo guincho estridente que seu enorme motor dava nas retas dos circuitos. Como um porco indo para o matadouro.

MERCEDES 300 SEL 6.8: O INÍCIO INCOMUM DE AMG

Não há dúvida de que uma das grandes marcas do automobilismo é a Mercedes. No entanto, a verdade é que no final dos anos setenta parecia pouco interessado nos circuitos. De fato, Seu principal objetivo era a fabricação de sedans com base em acabamentos de excepcional qualidade. Algo facilmente verificável quando se dirige um dos modelos da Mercedes lançados nos anos setenta; duro como pedras. No entanto, dois engenheiros contratados pela empresa discordaram dessa estratégia de negócios.

Eles acreditaram no potencial da Mercedes nas corridas. Tanto que decidiu fundar AMG, uma pequena empresa focada em preparações esportivas da Mercedes como padrão. Foi neste ponto que eles alcançaram o que chamamos “O dilema da Ferrari”. E é isso, embora as corridas o interessem numa relação inversa à comercialização de produtos em série ... A verdade é que só a venda em massa de carros pode financiar equipes vencedoras.

Nesse contexto, Hans-Wermer Aufrecht e Erhard Melcher decidiram comprar do mercado de segunda mão um Mercedes 300 SEL 1969. Seria essa a base para um carro de corrida? Um salão enorme, pesado e luxuoso? Bem sim vcuma aposta mais arriscada que até hoje ainda parece a escolha mais incorreta. Mas de qualquer maneira, você se lembra do velho professor? "A primeira regra geral é que nunca existe uma regra geral". Afinal, o Mercedes 300 SEL 6.8 AMG é uma exceção maravilhosa às regras do automobilismo.

TÃO GRANDE E PESADO QUANTO IMPERTAMENTE RÁPIDO

Com os olhos postos nos grandes testes de resistência, os AMGs começaram a conceber o Mercedes 300 SEL 6.8 AMG de uma forma quase artesanal. Assim, aos poucos eles foram modificando o pesado salão para tirar dele o máximo de esportividade. A primeira coisa foi clarear, porque os 1761 quilos dados pela versão de rua eram ultrajantes. Especialmente se você os comparar com o intervalo adequado de seus oponentes: de 800 a 1100 quilos.

Portas de alumínio, rodas de magnésio ... Um arsenal com o qual o Mercedes 300 SEL 6.8 AMG perdeu para cerca de 1500 quilos. Sem dúvida, uma redução significativa, mas isso ainda o tornou cerca de 300 quilos mais pesado do que seus rivais já pesados. Assim, a estratégia era clara: a única maneira de tornar o carro competitivo seria potência. Se tivesse que ser o mais pesado, pelo menos era de longe o mais poderoso.

E bem, a verdade é que nesse aspecto houve bons resultados. Expandindo o deslocamento original da versão de rua em meio litro -fixado em 6.3-, os do AMG conseguiram o V8 para atingir 420CV. Embora o Mercedes 300 SEL 6.8 AMG fosse o mais desajeitado nas curvas devido à inércia causada pelo seu peso… Em linha reta era implacável. Uma locomotiva capaz de recuperar em uma parte do circuito o que perdeu em outra. Algo que foi demonstrado nas 24 Horas de Spa em 1971.

DA VITÓRIA NAS 24 HORAS DE SPA AO DESENVOLVIMENTO DO CONCORDE

Não é preciso muito esforço para recriar os rostos do público que assistiu à estreia do Mercedes 300 SEL 6.8 nas corridas. Rostos de descrença indulgente. Uma indulgência que o surpreendeu quando nas 24 Horas de Spa de 1971 ele alcançou, contra todas as probabilidades e após testes um tanto desastrosos, um segundo lugar no ranking absoluto. Algo que acompanhou o vitória na classe dele, a dos veículos com mais de três litros de cilindrada. Um resultado magnífico que não foi fácil de conseguir, já que o peso fez seu papel, desgastando os pneus em um ritmo acelerado.

Infelizmente, as vitórias do Mercedes 300 SEL 6.8 AMG não tiveram muito mais continuidade. Nas 24 Horas de Nürburgring desse mesmo ano um problema mecânico obrigou ao seu abandono, que foi apenas o anterior do que ocorreria em 1972, quando poderia até se classificar para as 24 Horas de Le Mans. No entanto, naquele mesmo ano, ele alcançou sua segunda e última vitória no circuito: as 200 milhas de Nuremberg. Quando algumas semanas a FIA proibiu ultrapassar os cinco litros de deslocamento no Campeonato Europeu de Carros de Turismo ... Nosso herói assinou sua morte.

Ou pelo menos sua morte nos circuitos, desde AMG vendeu para Matra. Mas cuidado! Não sua divisão de esportes motorizados, mas sua divisão de aviação, que estava interessada no Mercedes 300 SEL 6.8 AMG para testes de decolagem na pista relacionados ao desenvolvimento de Concordes. E é que este carro atingiu reta máxima de quase 290 km / h. Algo que, somado à sua espaçosa cabine onde é possível montar todo tipo de equipamento de registro de dados, o tornou um veículo perfeito para os testes de pista de aeronaves supersônicas do Concorde.

DA GLÓRIA AO DESAPARECIMENTO: AS RESPOSTAS

Incrivelmente, o Mercedes 300 SEL 6.8 AMG acabou perdido. Um carro que foi o início da AMG, um dos desportivos mais inesperados dos anos setenta, personagem da história das 24 Horas de Spa e actualmente valorizado como um dos Mercedes mais curiosos de todos os tempos ... Perdido na massa de ferro de algum velho ferro-velho. Um fato lamentável que se tentou amenizar com a fabricação de algumas réplicas.

O mais famoso de todos foi o que a própria Mercedes fez no seu 40º aniversário. Uma maneira bacana de fechar o círculo ao desprezo que a marca originalmente fez da criação da AMG, tentando se afastar o mais possível de um preparador que, ironias da história, acabaria comprando. Outra é que é ilustrado pelo texto que você está lendo, que é assinado por Arthur Bectel Classic Motors.

Feito para o gerente sul-coreano James Goo Kim, esta unidade viajou menos de 800 quilômetros. Embora agora talvez ela faça muito mais com seu novo dono, que a levou no leilão do que RM Sotheby's realizada em Paris em 5 de fevereiro. E por falar nisso, se você está se perguntando o preço… Realmente não parece a parte mais importante para nós. Esta réplica deve ser considerada uma homenagem a um carro verdadeiramente lendário: "Porco Vermelho".

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores