in

Golf Bimotor, um modelo que (quase) conseguiu reinar em Pikes Peak 1987

Em 1987, a corrida Pikes Peak viu um desempenho espetacular de Walter Röhrl em seu Audi quattro S1. Porém, por muitos minutos este Bimotor Golf esteve prestes a vencer a prova.

Visto de qualquer perspectiva, o Audi quattro era um veículo verdadeiramente sensacional. Para começar, sua tração nas quatro rodas conseguiu abrir uma nova era no mundo dos ralis, banindo os modelos de tração traseira no que era uma verdadeira revolução tecnológica. Além disso, com dois títulos mundiais de pilotos e outros dois de construtores, entrou para a história como um dos grandes ícones do Grupo B.

E bem, do ponto de vista contábil, este modelo foi o melhor embaixador possível para o Audi padrão. Demonstrar os benefícios da tração quattro ao mesmo tempo em que impregna a marca com uma imagem obviamente esportiva. Não obstante, em 1985 foi completamente varrido pelo Peugeot 205 T16. De fato, naquela temporada ele só conseguiu vencer uma das doze edições da Copa do Mundo.

Além disso, conforme os engenheiros da Audi tentavam melhorar o carro, eles só conseguiam torná-lo cada vez mais incontrolável. Em suma, não importa o quanto você queria, o chassis quattro já não aceitava mais evoluções nem seu corpo mais adições aerodinâmicas. Uma situação problemática que, no final das contas, estava causando um triste choque na equipe oficial.

Neste ponto, da direção da Audi, decidiu-se olhar para outros horizontes esportivos, deixando de lado o Campeonato Mundial de Ralis. Fato que, aliás, foi corroborado pelo abrupto fim do Grupo B e futuro Grupo S em 1986. Desta forma, na casa alemã puderam se ver livres para conquistar novos desafios nos Estados Unidos. Um país cujo mercado eles queriam entrar usando o sistema quattro como marca registrada.

Da mesma forma, a Audi já tentava se destacar desde 1984 em uma prova tão simbólica na América quanto Pikes Peak. Além disso, em 1985 e 1986 o quattro conquistou a vitória com verdadeiras demonstrações de direção esportiva. Claro que o melhor ainda estava por vir em 1987. Ano em que, com Walter Röhrl no comando, o Audi quattro S1 venceu novamente estabelecendo um recorde de 10 minutos e 47 segundos. No entanto, esse não foi o único marco para o Grupo Volkswagen durante aquela edição da icônica subida.

MOTOR VOLKSWAGEN GOLF TWIN, PROJETADO PARA PIKES PEAK

Desde o seu aparecimento em 1976, o Golf GTI teve uma presença discreta mas constante nas corridas. Aliás, foi protagonista de vários copos monomarca tanto na Europa como nos Estados Unidos. No entanto, nos anos oitenta A Volkswagen Motorsport queria entrar no topo do Campeonato Mundial de Rally. Além disso, em uma exibição tecnológica, eles decidiram experimentar veículos bimotores para obter a tão esperada tração nas quatro rodas.

Assim, isso se refletiu em dois caminhos diferentes, mas complementares. Por um lado, aquele relacionado com a própria marca a trabalhar no Scirocco bimotor 1983 de olho no Grupo B. E do outro, tudo confiado ao especialista Kurt Bergman. Encomendado para explorar os limites de um modelo bimotor baseado na plataforma Jetta.

Agora, daqui para a frente, a verdade é que essas histórias tiveram um percurso fugaz. Para começar, o Scirocco Twin nunca chegou à série devido ao aumento da tração quattro. Não surpreendentemente, ter dentro do Grupo Volkswagen tal tecnologia era um absurdo apostar na fórmula bimotor. Obviamente, muito mais pesado e complexo do que os sistemas de tração integral também desenvolvidos pelos grupos FIAT ou PSA.

Da mesma forma, a queda daqueles planos relacionados à introdução da Volkswagen no Grupo B acabou arrastando consigo o trabalho de Kurt Bergman. Claro, endurecido nas corridas por décadas, aquele designer austríaco ainda tinha um ás na manga. Um ás que, aliás, teve o apoio da própria Volkswagen Motorsport. Estamos a falar do Twin-Motor Golf destinado a competir na subida ao Pikes Peak em 1987. Um design realmente impressionante, com dois motores do GTI, embora dispostos aqui em conjunto com dois turbocompressores KKK separados.

No total, com 652 CV por apenas 1020 quilos dados na balança. Não muitos sem levar em conta a complexidade de um bimotor, que deve se desdobrar em uma infinidade de elementos mecânicos. Além do mais, até que você precise abandonar pouco antes de chegar à linha de chegada devido a um problema de suspensão, este Twin Engine Golf estava estabelecendo o tempo mais rápido em Pikes Peak 1987 com Klaus-Joachim Kleint nos controles.

Então, quem sabe. Se não tivesse esse problema, talvez hoje o golfe fosse, juntamente com o Audi quattro, um dos grandes ícones da história da mítica corrida de montanha americana.

Fotografias: VW Classic

O que você acha?

foto de avatar

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

60.2kfãs
2.1kSeguidores
3.4kSeguidores
3.8kSeguidores