museu manoir de l'automobile
in

Le Manoir de L'Automobile, quem estaria interessado?

Tenho visitado museus de automóveis em toda a Europa há mais de 5 anos e poucos excederam as minhas expectativas tanto quanto este. Le Manoir de L'Automobile que traducido quiere decir algo así como «el señorio del automóvil» es uno de esos sitios en donde los amantes de los coches como yo pierden la noción del tiempo, se olvidan del apetito y es posible de que no se acuerden de si han venido acompañados ou não.

Este museu não pode ser entendido sem uma figura entusiasta como Michael Hommell. Para quem não o conhece, Michael Hommell criou, junto com um amigo, a revista Echapement, em 1968 com pouco mais de 20 anos e sem nenhum estudo. A partir dessa revista criei o grupo editorial Hommell, um verdadeiro império com mais de uma dezena de revistas publicadas do mundo do automobilismo na França, por exemplo Auto Hebdo, Echapement Classic, American Muscle Cars, Nitro, 2cvmag o VW Super Mag. Tamanha é sua paixão por automóveis que com a ajuda de vários membros da redação de uma de suas revistas, em 1994 criou uma marca de automóveis com sobrenome próprio.

300 habitantes, 30 hectares

Cinco anos depois de criar sua própria revista, ele começou a procurar uma casa de campo para se instalar. Ele estava procurando no Reino Unido, mas rejeitou a ideia de comprar uma casa do outro lado do Canal da Mancha porque era muito caro. Ele voltou para a França e devido à sua semelhança com a área que vinha procurando e as boas lembranças de sua infância durante as férias em Carnac, encontrou uma pequena cidade de cerca de 300 habitantes entre Rennes e Redon. Esta cidade é chamada de Loheac, localizada a cerca de 380 quilômetros a oeste de Paris. Então era uma cidade longe de tudo, ignorada pelos turistas; Só tinha lanchonete, açougue e restaurante ...

Em pouco tempo, Michael Hommell procurou um lugar para armazenar os cem veículos Eu tinha espalhado em vários lugares. Foi então que os cariocas lhe ofereceram uma fazenda com área de 30 hectares. Ele não tinha ideia de criar um museu, nem que naquela época as pessoas se interessassem em ver seus carros. Mas ele começou a ter cada vez mais pedidos para visitar sua coleção. Por volta de 1980 assume definitivamente o projeto e torna-se mais metódico com a compra de veículos. Ele contratou os melhores artesãos locais que levaram 10 anos para transformar edifícios em ruínas do século XVII que antes abrigavam vacas, porcos, galinhas e cavalos em mais de 14.000 m² de exposição espalhados por dois andares de vários edifícios conectados, mostrando mais de 400 veículos (incluindo 50 cavalos carruagens extraídas).

 

Cem manequins, 30 dioramas e mais de 3.000 carros em miniatura e milhares de objetos de todos os tipos completam a exposição. As instalações do museu não ficam apenas na área expositiva: o complexo conta com um circuito permanente de rallycross, pioneiro na França, um circuito asfaltado com auto-escola, um circuito de karting e algumas pistas de terra.

[su_note note_color = »# e9e9e9 ″]

Grupos B e carruagens

Assim que entramos na bilheteria e depois de deixarmos para trás uma butique interessante que deixaremos para o final se tivermos tempo, encontramos vários modelos franceses do pré-guerra, como Renault NN, Salmson Val 3, Citroen 5cv e CF, Mathis, Ballot ou Tracta junto com vários veículos vintage, como De Dion Bouton, Ford T, Leon Bollee, Le Zebre ou Panhard. Após este aperitivo, seguimos para a próxima sala do museu. Decorado com dezenas de pôsteres iluminados vintage, vários veículos participantes das 24 Horas de Le Mans aparecem no centro do navio: um Aston Martin DB7 1995, um Bugatti Eb110 S 1994, sendo esta a última unidade da marca alsaciana a rodar. o teste de resistência mítico.

[/ su_note]

[su_note note_color = »# e9e9e9 ″]

Um par de Coragem: um C41 1997 e um C36 1996; um Jaguar XJR11 de 1990 e um Alpine A210 de 1966. Esta sala está rodeada por uma impressionante coleção Alpine de não menos que uma dúzia de cópias, incluindo vários cabriolets muito raros. A estada é completada por várias motocicletas, as ocasionais DB, Panhard ou Dragter de corridas de aceleração tão tipicamente americanas. Sem recuperar o fôlego, encontramos uma coleção completa de modelos do antigo grupo B de ralis: Lancia Delta S4 e 037, Peugeot 205 T16 evo2, Citroen BX 4TC, MG Metro 6R4, Ford RS200, Renault 5 Maxi Turbo (ex Carlos Sainz), Nissan 240RS e o sempre imponente Audi Quattro S1 ex Walter Röhrl com um bom Libré Audi Sport.

Se optarmos neste momento por subir ao convés superior, continuaremos com o tema da competição: uma amostra de veículos Rallycross. Sem serem veículos tão selvagens como o anterior Grupo B, chama a atenção a diversidade de modelos como Citroen Xantia ou Ford Escort WRC, passando por Audi Quattro, Matra Murena ou Citroen Axe. Em seguida, várias unidades Hommell e protótipos feitos perto do museu são exibidos formando um corredor, estacionados com baterias, bem como carros esportivos "populares" como Bmw, Simca, Ford, Peugeot, Talbot, Renault, Fiat Abarth, Trabant, NSU. .. Frente nesta linha são empilhados em linha alguns Triumph, Lotus, Honda ou Volkswagen.

[/ su_note]

Corredores celestiais

Passamos para a próxima sala e o tema do museu muda completamente. Uma mostra de carruagens e cenas de antigos ofícios ambientados com inúmeros manequins vestidos com roupas de época que não faltam nos detalhes. Em uma sala próxima, vários carros Paris-Dakar são mostrados, como um Lada Poch dirigido por Jacky Ickx, uma curiosa caminhonete Renault 18 ou um Buggy dirigido por Hubert Auriol; várias motocicletas de competição, algumas treinando monopostos, enquanto uma aeronave Fouga-Magister está pendurada no teto.

Na última sala do andar superior encontramos várias dezenas de carros estacionados a bateria em ambos os lados, é outra amostra de carros esportivos: Venturi, Alfa Romeo, Lancia, De Tomaso, Mercedes, Audi, Porsche, Saab, Simca, Ford, Talbot, Aston Martin, Jaguar, Facel Vega e mais de meia dúzia de Maseratis. Realmente opressor. No fundo da sala há uma taberna vintage dos anos 50 que não era usado no dia que visitei. Neste ponto, é hora de falar sobre uma das desvantagens do museu: fecha ao meio-dia. Funciona das 10h13 às 14h19 e das XNUMXhXNUMX às XNUMXhXNUMX, por isso recomendo planear a visita (e o almoço) porque há muito para ver e as horas voam.

Grande e pequeno tampado

Após um rápido almoço e voltando ao andar inferior, fomos para a sala dedicada à Lamborghini com uma boa coleção de modelos da assinatura do touro até que passou a fazer parte do grupo Audi. Ao lado dos carros está a lancha Lamborghini off-shore chamada Colibri 4. A mesma que causou o acidente em 1987 no qual o ex-piloto de Fórmula 1 Didier Pironi e seus dois co-pilotos perderam a vida. Este barco esteve armazenado por vários anos, e apenas quando o casco estava começando a ser danificado foi simbolicamente comprado por um euro por Michael Hommell. Com a ajuda da própria Lamborghini e do fabricante de lanchas Lago di Como dos irmãos Abbate, o colecionador a restaurou para ser exibida ao público como uma homenagem ao piloto francês.

Depois de passar pela recriação de várias oficinas de conserto de automóveis, fomos para uma sala dedicada a carros em miniatura. Dezenas de mostruários classificados por marca, dioramas representando diferentes cenas militares ou de competição. Esta sala é ela própria um museu dentro de um museu. A variedade e a quantidade impressionam.

A área dedicada à Ferrari tem sua própria seção dedicada às miniaturas em mais de uma dezena de vitrines. Junto com eles, uma amostra de modelos que são muito difíceis de ver juntos: Dois 308 GTBs, um com carroceria de poliéster e outro para rally, um 288 Gto, 512BB, Testarossa, F40, 250 SWB e um Fórmula 1 de 1983.

[su_note note_color = »# f4f4f4 ″]

O capô do motor tem uma história peculiar. A poucos quilômetros de Loheac, um antigo castelo em ruínas foi comprado pelos americanos para ser desmontado pedra por pedra e enviado aos Estados Unidos. Restou apenas a capela anexa, que também foi cuidadosamente desmontada e enviada ao museu para formar uma sala para abrigar uma coleção de motores que mostram os avanços tecnológicos do século XX. Do único cilindro Aster ao Renault F6 1 cilindros V Turbo. Como pormenor, quando o visitante atravessa a entrada da capela, começa o som e também a história dos motores. Do som cacofônico dos primeiros motores ao som estridente dos motores V12 da Ferrari Fórmula 1.

A próxima unidade tem os veículos dispostos em 4 filas: uma para as vans, veículos industriais e um par de caminhões de bombeiros, duas filas para os grandes carros de luxo de várias épocas, como Rolls Royce, Cadillac, Horch, Talbot, Tatra, Lafayette, Packard ou Desoto, e a última linha é dedicada a carros de corrida antigos, como Citroen «Petit Rosalie», Aries, Benjamin, Le Zebre e Amilcar. No fundo desta sala destaca-se um camião de competição Man patrocinado pela Cepsa e pilotado na sua época por Antonio Albacete.

[/ su_note]

[su_note note_color = »# e9e9e9 ″]

Santuário da F1

Separados por uma divisória, é apresentado um bom repertório de veículos franceses das marcas Peugeot e Renault, bem como uma amostra de veículos anfíbios: desde o conhecido Amphicar até outros muito mais estranhos como Salmson, Voisin, Pocin e Croco com diferentes sistemas de motor. Vários carros Jeep militares completam a fila de carros.

Na ultima sala do museu encontramos os fogos de artifício finais, uma grade de 18 carros de Fórmula 1. Nas paredes laterais há vitrines cheias de peças, capacetes, imagens e macacões de pilotos e motores ímpares.

Portanto, lembre-se, se você vai passar alguns dias na região da Bretanha, ou acabou de visitar a abadia do Monte Saint-Michel, em menos de uma hora e meia de carro você tem uma visita obrigatória. Planeje a visita e reserve um dia inteiro para ela, você não ficará desapontado. Além disso, se tiver sorte, poderá admirar um carro da exposição que sai do local para passear.

[/ su_note]

O que você acha?

Imagem de espaço reservado de Sergio Calleja

Escrito por Imagem de espaço reservado de Sergio Calleja

Meu nome é Sergio Calleja CARcedo, nasci em Vitoria-Gasteiz em 1982 e meus pais dizem que a primeira palavra que falei foi trator. Com este pano de fundo, não é de estranhar que desde pequeno comecei a guardar as revistas de automóveis que os meus tios Olegário e Álvaro me passavam ... Veja mais

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores