in

Eu amoEu amo

O malfadado caso do 356 de quatro lugares com o Porsche Beutler

Em 1951, a própria Porsche testou um verdadeiro 356 de quatro lugares. Chamou-se Tipo 530 e ficou na fase de protótipo deslocado pelo interesse da marca em desenvolver uma encomenda feita pela Studebaker. No entanto, a possibilidade de um primeiro Porsche 2 + 2 permaneceu no ar, levando a uma série muito curta do encarroçador suíço Beutler em 1957. Uma criação que acabou em frangalhos não por causa de estudos de mercado pessimistas, mas por falta de entre a Porsche e a Beutler quando se trata de comercializar o modelo.

Hoje é absolutamente normal ver modelos da Porsche com quatro lugares. Inclusive com cinco portas como o Panamera ou o Cayenne. Não obstante, somente com a diversificação de seu leque a partir dos anos setenta começaram a ver criações onde o espírito esportivo era conciliado com um esquema prático 2 + 2. E não porque não tenha sido tentado antes. Algo que pode ser estridente para a maioria dos puristas. Quem se surpreende com a história de um Porsche ensaiando a possibilidade de construir um verdadeiro quatro lugares desde os anos cinquenta.

Nesse sentido, o melhor e mais conhecido exemplo é o de Digite 530 de 1951. Um protótipo comandado pelo próprio Ferry Porsche a dois engenheiros da casa e um responsável pela carroceria de Reutter. Tudo isso para criar "o mais rápido possível" uma variante 2 + 2 do 356 estendendo a distância entre eixos para 2 metros. Algo que ampliou a cabine. Exigindo uma nova carroceria resoluta com uma maior extensão das portas e uma queda da traseira que quase se parece com a de um três volumes. Porém, o projeto foi cancelado apesar do fato de que em apenas alguns meses o Type 530 já estava na fase de protótipo de rolamento.

Como causas são estudos de mercado desfavoráveis. Indicando que ligar o 356 esportivo com uma variante do sedan não teria viagens de vendas. Exatamente o que aconteceu com a Alpine com seu A110 GT4 1966. De qualquer forma, O principal motivo foi que a Porsche preferiu se concentrar no desenvolvimento do Tipo 542. O sedã com motor traseiro encomendado pela Studebaker para tentar conquistar o mercado americano com o exotismo extra proporcionado por um design assinado pela marca esportiva Stuttgart. Uma ideia que, ainda chegando a um protótipo, foi rejeitada em 1956 pelo próprio John DeLorean.

Outro empreendimento de negócios da Porsche como consultor externo. O que não apagou completamente aquela ideia materializada no Type 530. Claro, sabendo que naquele momento o seu sucesso estava na competição - depois do magnífico Estreia do Porsche Motorsport em 1951- e a produção do 356 de dois lugares. Por ele, a próxima tentativa da marca de criar um modelo 2 + 2 foi feita externamente. Apoiar, mas não participar diretamente, na produção do Porsche Beutler 1600.

PORSCHE BEUTLER 1600, ENFIM, A 356 2 + 2 CHEGA AO MERCADO

Fundado pelos irmãos suíços Fritz e Ernst Beutler, o pequeno fabricante de carrocerias Beutler usava o 356 como sua base preferida para trabalhar. Assim, sua primeira criação notável foi uma variante conversível do 356 apresentado no próprio espaço da Porsche durante o Salão Automóvel de Genebra de 1949. Um verdadeiro elogio por seu trabalho. A partir daí contando com a marca Stuttgart para o fornecimento de chassis e mecânica. Tratando Beutler como uma empresa independente, mas ao mesmo tempo um parceiro. Exatamente como a FIAT fez com Abarth.

A essa altura, os irmãos Beutler consolidavam sua oficina dos anos XNUMX como referência artesanal em unidades Porsche customizadas. Atividade com a qual eles combinaram propor à Porsche a produção de novos modelos em curto prazo. Precisamente o caso do Porsche Beutler 1600. Com o qual a possibilidade de produzir um 530 356 + 2 foi recuperada alguns anos após o cancelamento do Tipo 2. Desta vez em um curto prazo e por uma marca externa. Dotado, sim, de todo o suporte material e comercial da casa oficial.

Desta forma, a Porsche forneceu à Beutler vários chassis 356A com a exigência de que o design a ser feito pelos irmãos suíços pudesse ser relacionado à imagem de sua marca em um relance. Algo que nos fala sobre ele tentativa de criar um modelo externo, mas ao mesmo tempo pode ser assumido pela própria Porsche. Condição de que a carroceria suíça está em conformidade com o Porsche Beutler 1600. Apresentado no Salão Automóvel de Genebra de 1957 com a aprovação da casa oficial após ter construído dois protótipos funcionais com a mecânica 356A.

UMA DISPUTA COMERCIAL QUE ACABOU COM O PORSCHE BEUTLER

Uma das características de cada pequena empresa é a possibilidade de dar um tratamento personalizado a cada cliente. Uma forma de trabalhar compartilhada pela Beutler, que tratou individualmente cada cliente Porsche que passou por suas oficinas na Suíça. Graças a ele, a circulação de seus modelos foi breve, mas altamente valorizada. Desfrutar da manutenção gerenciada em detalhes de uma maneira que uma grande empresa de produção em massa nunca faria. Um ponto onde começaram as disputas que terminaram com o Porsche Beutler logo após sua apresentação.

E é que, após o sucesso obtido no Salão Automóvel de Genebra, a Porsche deu luz verde à Beutler para a fabricação do modelo 2 + 2. No entanto, a essa altura, eles precisaram negociar como fazer o marketing. Enquanto a Porsche queria fazer isso por meio de seus revendedores - em grande escala - os irmãos suíços queriam fazer isso em sua oficina - em pequena escala. Dois modelos antagônicos ao operar no mercado, surgindo uma disputa que terminou com a recusa da Porsche em fornecer mais chassis e mecânica para a Beutler.

Portanto, a produção do Porsche Beutler terminou depois de cinco unidades, embora algumas fontes afirmem que eram seis. Um dado variável que contrasta com a garantia de que, hoje, apenas três deles estão preservados. Todos eles com mecânica de 1 litros do 6B em sua variante 356CV. Não muito longe do 85CV do 1600 Carrera GT. Embora o suficiente para um modelo que não buscou tanto esportividade como exclusividade e manuseio agradável em viagens curtas com lazer como a bandeira. De qualquer forma, teria sido realmente interessante ver como este primeiro Porsche 2 + 2 teria sido tratado no mercado. Por mais curto que fosse.

Fotografias: Beutler / Gooding & Company

PD A unidade escolhida para ilustrar parte deste artigo é a última que foi leiloada para o Porsche Beutler. Especificamente, foi oferecido em 2020 nos leilões de Amelia Island para Gooding & Company.

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores