renault h
in

Eu amoEu amo SurpresoSurpreso

Projeto H. A «joint venture» entre a Peugeot e a Renault para a gama alta

Em 1968, as fronteiras comerciais foram abertas entre os seis sócios fundadores da Comunidade Econômica Européia. A eliminação das taxas alfandegárias que liberalizou o comércio, semeando preocupação entre os fabricantes franceses que ainda não tinham um salão capaz de enfrentar os alemães além do Citroën DS. Uma situação em que a Peugeot e a Renault juntaram forças para projetar um modelo inovador equipado com uma nova mecânica. Isso foi chamado de Projeto H.

Se falamos do Renault H, o mais recorrente é pensar na gama de motores com baixa cilindrada e turboalimentador disponíveis no Dacia Sandero, Renault Captur ou Megane IV. No entanto, para os seguidores da história industrial francesa, esse nome pode soar como um protótipo. Isso sim, partilhado no seu desenvolvimento com a Peugeot. Responsável junto à Renault pela concepção deste salão. Estranho e complexo até para os mais conhecedores no que diz respeito à trajetória das duas marcas. E não é à toa. Afinal, retirando algumas fotos da imprensa dos anos XNUMX, o Projeto H só foi visto no espaço do Renault Classic durante a 2020 Retromobile.

Uma peça tão desconhecida como significativa, pois tem a qualidade de testemunhar um dos processos-chave da história automóvel europeia. Nesse sentido, a primeira coisa que temos que fazer é nos concentrar em 1968. Ano-chave em que a Europa teve convulsões em ambos os lados da Cortina de Ferro. Com jovens barricados em Paris e tanques soviéticos prestes a suprimir as mobilizações em Praga. Um daqueles anos em que os acontecimentos acontecem rapidamente, marcando a transição entre uma era ou outra. No entanto, apesar disso, a verdade é que 1968 produziu um equilíbrio sombrio.

A libertação no Leste foi esmagada pela realpolitik do Kremlin e os estudantes ocidentais descobriram que a areia da praia não estava escondida sob os paralelepípedos. Um aglomerado de ilusões quebradas e bandeiras quebradas entre as quais se destaca um dia tão crucial quanto influente em nosso dia a dia atual. Em 1 ° de julho de 1968. Momento em que foram eliminados os direitos alfandegários entre os seis países da Comunidade Econômica Européia. Desse modo, as indústrias automobilísticas nacionais não podiam mais se valer do protecionismo contra a concorrência estrangeira. Algo especialmente problemático para os fabricantes franceses, que foram varridos pela Mercedes e BMW no campo das gamas altas e médias.

renault h

Por esta razão, já em 1966, a Peugeot e a Renault assinaram um acordo de colaboração, unindo forças para desenvolver modelos comuns. um “Joint venture” entre a marca do leão -privado e em horários baixos- e a do losango -completamente estatal e com novas necessidades de engenharia-. Projetos como o M121 surgiram disso. Porta-malas comum dos veículos utilitários Peugeot 104 e Renault 14. Mas especialmente um protótipo que nunca foi produzido em série, apesar de ter o DS e os salões alemães à vista. O H.

renault h

PEUGEOT / RENAULT PROJETO H. ASSALTO NO SEGMENTO SUPERIOR

Após a Segunda Guerra Mundial, o crescimento econômico foi tão expansivo que não apenas as classes médias urbanas, mas também uma classe alta em crescimento se estabeleceram. Desta forma, as marcas de automóveis criaram veículos utilitários como o FIAT 500 e carros compactos como o Renault R16. Mas também grandes salões como o Citroën DS. Uma das melhores vitrines tecnológicas da França. Ainda mais se tivermos em conta que dificilmente encontrou concorrência no mercado nacional. E é que, afinal, A Peugeot não fabrica veículos sofisticados desde que lançou o 1934 em 601.

Estiagem compartilhada pela Renault, que nos anos sessenta ofereceu o R16 e o ​​R12 como os top de linha. Dois modelos muito eficazes em seus respectivos nichos de mercado, embora obviamente muito distantes dos salões com a classe e o nível do Mercedes W110. Principal inimigo a bater no ramo dos sedans, principalmente para um mercado francês onde a única alternativa era o DS. Um veículo de referência, mas que já está no mercado desde 1955. Neste contexto, o pacto entre a Renault e a Peugeot contemplou a necessidade de criar um top de linha que, de acordo com os planos, seria vendido pelas duas empresas com retoques diferentes em cada uma das marcas.

Quanto ao design, este foi dividido em duas grandes áreas. Por um lado, a carroceria seria da responsabilidade da Renault, enquanto, por outro, a mecânica seria da responsabilidade da Peugeot. Para o primeiro, a Renault optou por algumas linhas clássicas que priorizavam o espaço interno e o brilho da cabine. O que mais, a porta traseira cai da forma típica de três volumes dominante em salões para aparecer com uma quinta porta de uma queda longa e lisa. Muito interessante e ousado. Embora menos charmoso do que o futurismo determinado do DS ou o classicismo canônico do W110.

Dúvidas que chegaram aos responsáveis ​​da Peugeot. Aqueles em um ambiente colaborativo cobriram suas costas encomendando secretamente um design alternativo da Pininfarina. Obra que foi confiada a Aldo Brovarone. Que, longe das suas formas musculares habituais dos anos sessenta, optou por um desenho retilíneo que inspirou o 604 de 1975. Primeiro bar sofisticado na casa do leão em quarenta anos. Porém, entre este e os três modelos estáticos fornecidos pelos designers da casa do diamante, o design do conjunto preservado pela Renault Classic foi o que mais se aproximou de uma série.

renault h
Protótipo proposto pela Peugeot

UM MECÂNICO QUE PROMETEU

Quanto à mecânica, a Peugeot optou por um novo V8 com 3 litros e uma potência que não foi determinada. Entre outras coisas porque antes do final da fase de desenvolvimento o projeto foi abandonado devido a cálculos comerciais. Uma sentença de morte que deixou o mecânico do Projeto H pela metade, privando-nos de ver como seu eixo traseiro impulsionaria este sedã cujo motor deveria ser colocado na posição dianteira. Claro que no início dos anos setenta a ideia de criar um motor de referência entre as duas marcas ainda era válida. É por isso que eles fizeram parceria com a Volvo para fazer o V6 PRV.

Um dispositivo robusto e de muito sucesso, que - como uma curiosidade - se tornou o coração do DeLorean. Mas por que o Projeto H foi abandonado? Afinal, o “Joint venture” A Peugeot e a Renault esperavam fabricar de 150 a 200 unidades por dia. Um prognóstico muito otimista. Parado pela visão realista de alguns executivos que não viam credibilidade em colocar tamanha quantidade de vendas inclusive agregando o mercado nacional com as exportações. Portanto, foi decidido interromper o Projeto H antes de prosseguir. Focalizando energias em modelos compactos e o desenvolvimento compartilhado de elementos mecânicos.

Um final triste para o que poderia ter sido o sucessor do DS no salão francês. Algo pelo qual ele realmente teve uma chance, mesmo contando com um sistema de suspensão oleopneumática no eixo traseiro. Inovação projetada por e para conforto. Na mesma direção que o controle de temperatura de duas zonas ou os bancos ajustáveis ​​nos bancos traseiros. Apenas algumas das razões pelas quais valeria a pena ver esta joint venture entre a Peugeot e a Renault entrar em série. Embora, claro, na indústria automotiva tudo esteja sujeito à lucratividade. Afinal, nunca devemos perder a perspectiva de que, quando falamos de carros, falamos de economia.

Fotografias: Renault Classic / Unai Ona

O que você acha?

16 Pontos
Upvote Downvote
foto de avatar

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

55.7kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.4kSeguidores