r12 rally
in

Eu amoEu amo SurpresoSurpreso RI MUITORI MUITO

R12 Break Sinpar 4 × 4. A perua que venceu o difícil Rallye Côte-Côte 1977

Um dos carros que este ano vai se tornar um clássico é o Volvo 850. Um modelo da marca sueca que será sempre lembrado por duas qualidades. Em primeiro lugar, o seu grande avanço em termos de segurança, mas também um desempenho insuspeito nos circuitos. No entanto, o curioso sobre esta segunda marca registrada é que ela foi feita na forma de uma carroceria muito antidesportiva a priori. O salão da família, também chamado de station wagon ou station wagon. É por isso que, quando em 1994 a Volvo anunciou que iria para o British Touring Car Championship com duas peruas 850 ... Muitos tomaram isso como uma simples piada.

Longe disso, a equipe oficial da marca cumpriu seu anúncio. Justificando-se não só em uma jogada promocional ousada, mas também em certas capacidades dinâmicas que acabaram completando uma temporada decente. De fato, embora no ano seguinte a Volvo tenha mudado suas peruas por dois salões para depois alcançar a vitória em 1998 com um S40, graças a isso a semente de um conjunto de peruas esportivas.. Assim, em 1996 foi lançada a versão AWD com tração nas quatro rodas. Um mecanismo que, somado aos 240 CV já oferecidos pela versão 850 T5-R de 1994, fez deste Volvo Station Wagon um dos carros esportivos mais desejados dos anos 90.

Um modelo que foi emparelhado com o 2 Audi RS1994 Avant, desenvolvido em conjunto com a Porsche para produzir mais de 310CV. Sem dúvida os dois salões desportivos mais emblemáticos dos últimos tempos, responsáveis ​​por uma mudança radical na percepção destes veículos. No entanto, como tudo na vida, existem precedentes tão pioneiros quanto pouco conhecidos. E é que, Neste sedã familiar com motores potenciados e tração nas quatro rodas, o pioneiro foi a Renault junto com a empresa de transformação de motores Sinpar. Algo que demonstra o Renault 12 Break 4 × 4. Um vencedor inesperado nas areias da África.

RENAULT 12 BREAK 4X4 SINPAR. DO TRABALHO À REUNIÃO

A primeira vez que tivemos conhecimento do Renault 12 Break 4 × 4 foi devido a uma anedota de arqueólogos. Em meados da década de XNUMX, disseram-nos, o Ministério da Cultura da França atribuiu duas unidades desse modelo a uma equipe arqueológica que trabalhava em uma área rural de difícil acesso. Tanto que, em um dos dois veículos, foi acrescentada uma barra acolchoada na frente do para-choque com a função de empurrar a outra quando carregada com o material. Uma atividade que exige carros tão robustos como o Renault convertidos para tração nas quatro rodas pela empresa Sinpar.

Fundada em 1946 com o objetivo de modificar caixas de câmbio e caminhões para conversão para modelos de tração nas quatro rodas, começou a atrair a atenção de um público um pouco mais amplo quando em 1965 começou a produzir o R4 4 × 4 Sinpar. A princípio, esse modelo chamou a atenção do exército, embora tenha sido rapidamente demandado por um grande número de fazendeiros e montanheses. extra do 4 × 4. Um sucesso que levou a Sinpar a se concentrar na modificação dos modelos da Renault, trabalhando em modelos como o R6, o R12 ou o Rodeo.

Na verdade, essa rota de negócios era tão eficaz que em 1975 a própria Renault comprou a Sinpar para incorporá-la em sua divisão de caminhões e veículos comerciais. Um momento em que surgiu a ideia de aproveitar os benefícios de direção do Renault 12 Break 4 × 4 aumentando sua potência ao motor da versão Gordini. Desta forma, Por volta de 1976 a Sinpar fabricou pelo menos duas unidades com tração nas quatro rodas, às quais o de quatro cilindros em linha foi incorporado com dois carburadores de corpo duplo capazes de entregar 113 CV. Claro, não tanto para ter um desempenho espetacular, mas para suportar o indizível em terrenos acidentados. Uma máquina nasceu para rolar no rally. Mas qual deles?

RALLYE CÔTE-CÔTE ABIDJAN-NICE. CHEGA A SURPRESA

Os amantes do rally sabem que, possivelmente, não há nada tão extremo neste tipo de competição quanto as que acontecem na África. Com estágios extensos em áreas desertas e despovoadas, a habilidade ao volante requer altas doses de resistência mecânica e habilidade na orientação. Pistas pedregosas se alternam com dunas e temperaturas capazes de colocar qualquer sistema de refrigeração do motor ao limite. É a epopeia de competições como a Rally Safari. No entanto, no final dos anos XNUMX, houve uma tentativa de tornar um rali africano ainda mais difícil.

A ideia partiu do francês Jean-Claude Bertrand, que, rivalizando com o Safari, deu início ao Rally Bandama em 1969, mais tarde conhecido como Rally da Costa do Marfim. Uma prova tão dura que, em sua quarta edição, ninguém conseguia chegar à linha de chegada. Um fato que aumentou a lenda em torno deste evento, atraindo não poucas equipes europeias de alto nível. No entanto, em 1975 ele decidiu fazer a curva levantando a Rallye Côte-Côte. Aproveitando que poucas semanas depois do final do Bandama, Monte Carlo foi festejado, ele decidiu propor um rali da Costa do Marfim à Riviera Francesa.

Uma aventura radical em que o motociclista Thierry Sabine se perdeu durante três dias e na qual em 1976 Jean-Claude Briavoine juntou-se aos comandos de um Renault 12 Break 4 × 4 Sinpar.

Contra todas as probabilidades, ele foi o terceiro atrás de dois Land Rovers. Encorajada pelos bons resultados e pela excelente confiabilidade do R12 Sinpar 4 × 4, a mesma equipe inscreveu duas unidades na edição de 1977 com o apoio da Renault. Uma boa decisão, já que os dois conseguiram terminar o rali… e o Brivoine ganhou!

Um feito que destaca pelo menos duas questões. Em primeiro lugar, o excelente robustez mecânica do R12 e sua variante Sinpar 4 × 4. E em segundo lugar, o fato de que, embora à primeira vista possa não parecer, uma perua pode dar muito destaque na competição como demonstrado pela 850 TR-50 AWD, a RS2 Avant e, claro, a Renault 12 Quebre o Sinpar 4 × 4.

Fotografias: Renault Classic / Volvo Cars

O que você acha?

29 Pontos
Upvote Downvote
Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores