campos de Adrian
in

Retromóvil fará homenagem a Adrián Campos

A mostra de Madrid, que decorrerá entre os dias 26 e 28 de novembro no IFEMA, irá reconhecer o legado do piloto espanhol através de uma exposição monográfica. E é principalmente a este homem multifacetado que devemos o trampolim atual para que o talento espanhol possa se impulsionar e saltar para o estrelato automotivo.

Não só isso. Adrián Campos (Alzira, 1960-2021) foi um dos primeiros espanhóis a correr na Fórmula 1, depois de Álex Soler Roig e Fon de Portago. No entanto, antes e depois disso fez coisas muito legais: Por exemplo, graças ao apoio da família, ele fundou uma das primeiras equipes nacionais de Fórmula 3, e foi também uma das grandes atrações do Campeonato Espanhol de Carros de Turismo (CET) que tanto sentimos.

A corrida Adrian Campos Parece que começou nos comandos - nunca melhor dizendo - dos carros radiocomandados, tornando-se Campeão da Espanha em 1980. Não demorou muito para dar o salto para a fórmula nacional por excelência, o 1430, onde pilotou um Selex até 1982. Talvez seja hora de lembrar que esta competição foi um ninho de alquimistas cuja criatividade foi responsável por incríveis carros nacionais. E, claro, foi uma pedreira para todos os jovens e não tão jovens que queriam se dedicar ao automobilismo.

Adrian Campos Avidesa

A relação de Campos com a Selex levou-o a conhecer o projeto do ST9, um carro com o qual o construtor Miquel Molons, o piloto Manuel Valls e o engenheiro Francisco Guitart planejavam não só correr com o F1430, mas voltar a entrar na Fórmula 3. O carro tinha uma peculiaridade: sua marca seria a de seu patrocinador principal. Adrian Campos, um valenciano sempre apegado às suas terras e pertencente a uma família de industriais dedicados à avicultura e seus derivados, Ele amarrou os pontos e assim surgiu o Avidesa 383.

Adrián Campos: Continuidade em F3

Essa aventura, embora altamente instrutiva, não deu certo. Durante 1983 algumas corridas foram disputadas, mas com resultados discretos. No entanto, foi provavelmente a forja em que ele acabou se definindo caráter sempre perseverante diante das adversidades de Campos, e na qual se deu conta do papel insubstituível dos gestores e chefes de equipe, aos quais provavelmente não havia dado a devida importância até então.

Porém, Avidesa serviu para que nosso protagonista foi olhado pela Volkswagen, ele estava em busca de novos drivers para seus F3s. Passou assim aos comandos de um Ralt, máquina muito mais capaz na qual conseguiu demonstrar as suas aptidões ao terminar em terceiro no campeonato de 1985. Adrián Campos, com a sua determinação, já fazia história na sua ascensão à categoria rainha . Em 1986 foi para a Fórmula 3000, um substituto para o caprichoso F2 e um prelúdio para o Grande Circo.

O SONHO DO GRANDE CIRCO

Naquele mesmo ano ele tinha um pé dentro graças aos testes que estava fazendo para Tyrrel. Foi em 1987 quando Minardi percebeu que ele era o homem que ela procurava. Na verdade, ele tinha um gosto pelo ibérico, já que um ano depois assinou o também espanhol Luis Pérez-Sala. o pele de touro ele havia retornado à Fórmula 1, e com ela a primeira equipe dirigida inteiramente por espanhóis. Os dois fizeram tudo ao seu alcance, mas a falta de orçamento e a delicadeza dos carros da equipe italiana levaram à sua saída em apenas uma temporada. Adrián Campos teve sua melhor atuação no Jarama.

Daqui em diante, parecia que sua chama estava se apagando. Nada está mais longe da realidade: Depois do piloto, nasceu o treinador, gerente, empresário e construtor. Seu objetivo final sempre foi ter sua própria equipe de Fórmula 1 para liderar. Esse era o objetivo em 1992 do projeto da equipe Bravo F1, a primeira tentativa que não deu certo.

Enquanto isso, Campos não parava de correr. Como rejeitar as ofertas da Fiat e da Alfa de ingressar no Campeonato Espanhol de Carros de Turismo em 1994? Vamos lembrar que esta foi a era de ouro da CET, com a Dorna a promover fortemente, com presença oficial e tecnologia e pilotos de topo. O valenciano foi campeão em 1994 com a marca milanesa e uma de suas estrelas durante o resto de sua atuação lá. Em 1997 as 24 Horas de Le Mans chegaram a bordo de uma Ferrari 333SP, na qual infelizmente ele só pôde participar das preliminares. Por incrível que pareça, parece que problemas de coordenação nos boxes fizeram o carro ficar sem gasolina.

A ESCADA DE ADRIÁN CAMPOS

Neste ponto, nosso piloto valenciano decidiu ir para o outro lado para sempre. No mesmo 1997 fundou a Adrián Campos Motorsport, que mais tarde se tornaria o que é hoje, Corridas de Campos. Esta empresa sediada na sua terra natal Alzira tem desde então dois objectivos: Tornar-se a melhor creche de pilotos e continuar a perseguir o sonho do Grande Circo.

Em relação ao primeiro, mais do que cumpriu. Para mostrar dois botões: Adrián Campos Ele foi fundamental na promoção de Fernando Alonso e Marc Gené para a F1. E bem, não esqueçamos Álex Palou, recente vencedor da Indy Car. E ele melhor do que ninguém sabia da necessidade de conceber uma plataforma que, em forma de escada, ligasse o talento espanhol ao melhor desporto motorizado internacional através da participação activa de equipas próprias no categorias inferiores. Ele fez isso e tivemos o nosso campeão mundial.

Quanto a este último, em 2010 estava prestes a cumprir sua meta de brilhar na categoria rainha como promotor da equipe do Grande Prêmio de Campos, mas foi forçado a se desassociar por desentendimentos com José Ramón Carabante, outro dos chefes da a aventura que finalmente se materializou com o nome Hispania-HRT. Você precisa ser fiel aos seus próprios princípios, mesmo que isso signifique esperar o próximo trem.

Isso só aconteceu no final de 2019, quando Campos e FOM confirmaram que haviam chegado a um acordo para entrar no campeonato de acordo com o novo regulamento. A pandemia fez o projeto vacilar novamente e atualmente é Salvatore Gandolfo, seu parceiro, quem está tentando concretizá-lo. E é que, embora ele não esteja mais lá, seu legado está mais presente do que nunca.

NO SÁBADO, 27, TALK-COLLOQUIUM E TRIBUTE

É por isso que Retromóvil Madrid vai festejar a figura de Adrián Campos através de um espaço monográfico no qual alguns de seus carros e automóveis serão exibidos, e na qual sua família nos fará compartilhar uma vida que, sem dúvida, valeu a pena ser vivida. O ponto alto desta homenagem será no sábado, dia 27, às 12h30, quando um talk-colóquio será realizado no Motor Events Forum, no qual participarão pilotos e amigos que compartilharam experiências e “pistas” com ele. Ao final do evento, uma placa comemorativa do evento será entregue aos familiares. 

O que você acha?

A Escuderia

Escrito por A Escuderia

'La Escudería' é a primeira revista digital hispânica dedicada a veículos antigos. Damos todo o tipo de máquinas que se movem por si: De automóveis a tratores, de motocicletas a ônibus e caminhões, de preferência movidos a combustíveis fósseis ...

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores