in

A 'Black Bess' original era uma Hispano-Suiza

Quando Ivy via aquele novíssimo Hispano Suiza, uma marca totalmente desconhecida para ela, com um nome tão evocativo quanto Black Bess, ela fazia o possível para sentar ao volante e imaginar a sensação de dirigi-lo ...

TEXTO E FOTOS BLACK BESS: MANUEL LAGE

gata negra é um nome conhecido na história dos automóveis de pedigree: Foi dado em 1922 ao Bugatti Type 18 com chassis n.º 474 e carroçaria desportiva de dois lugares, que já tinha passado por vários proprietários. Estava equipado com um grande motor de 4 cilindros com 5 litros de cilindrada (100 x 160), que rondava os 100 CV de potência.

Este Bugatti foi comprado novo em 1913 por Roland Garros, piloto aviador e esportista, amigo de Ettore Bugatti; a popularidade do aviador faria com que esse modelo passasse a ser conhecido como Bugatti Garros. 

Bugatti Black Bess
Roland Garros em seu Bugatti 18. 1913

Com a declaração da Primeira Guerra Mundial Garros vendeu o carro, que passaria por mais dois proprietários até 1922, quando comprado por Sydney G. Cummings, um conhecido mecânico e piloto regular no circuito de Brooklands, na Inglaterra. Cummings então o deu para sua filha Ivy, que o batizou como Bessa Negra, nome com o qual este carro ficaria na história. Cummings de hera Ela foi uma das poucas pilotos femininas daqueles anos e com sua Black Bess ela venceria várias provas em 1923.  

Bugatti Black Bess
Ivy Cummings subindo Kop Hill em seu Bugatti Black Bess em 1923

Hispano Alfonso XIII: um carro para se apaixonar

No livro L'Epopée Bugatti (Edições de La Table Ronde, 1966) escrita por Ébé Bugatti, filha do patrono de Molsheim, aparece uma informação muito interessante: Ivy Cummings aprendeu a dirigir quando tinha apenas 11 anos, em um voiturette SCAR em que seu pai competia regularmente em Brooklands em 1912.

Precisamente nesse ano Hispano Suiza nomeou seu primeiro revendedor na Inglaterra, AG Brown & Co. de Londres. A marca espanhola alcançou uma série de importantes sucessos desportivos em 1910 e 1911 e em 1911 abriu uma filial nos arredores de Paris, com a qual iria responder à crescente procura do mercado europeu pelos seus automóveis, especialmente o novo carro esportivo Alfonso XIII com 4 cilindros e 3,6 litros de cilindrada, hoje considerado como o primeiro carro esportivo da história.

Bess Negra Hispânica
Zuccarelli, vencedor em Boulogne em 1910, com uma Hispano Suiza

O novo representante inglês AG Brown levou imediatamente os hispânicos ao autódromo de Brooklands, único circuito permanente da Europa e onde, a partir de março, acontecia uma prova de competição praticamente todos os meses. 

A primeira inscrição de um hispânico em Brooklands surge em abril de 1912, a cargo de AG Brown, que também seria seu piloto. Em junho notamos a inscrição de Lord Exmouth, um cavalheiro motorista ele tinha acabado de comprar seu HS Alfonso XIII. Parece que a preparação e entrega do carro não pôde ser concluída a tempo para a competição e ele não pôde participar. Sua primeira corrida - e primeira vitória - aconteceria em julho no Handicap dos Competidores Privados.

Exmouth suíço hispânico
Anúncio do HS anunciando o sucesso de Lord Exmouth em Brooklands. Junho de 1912

Na publicidade desse evento podemos ver um carro com a carroceria que ficaria conhecida como tipo Brooklands e que segundo a crônica da época foi realizado em apenas três dias nas oficinas de TH Gill em Londres. A fotografia parece ter sido tirada antes da corrida, a julgar pela ausência de um número e pela flâmula com o logotipo da casa no radiador, uma tradição Hispano Suiza para as fotos oficiais dos carros que iriam competir.

Nas quatro corridas de agosto conhecidas como Reunião de feriado bancário, Lord Exmouth fica em 2º, 3º, 4º e 5º lugares, respectivamente. É provável que em algumas destas corridas tenha estado presente um espectador excecional - o Rei Alfonso XIII - porque nesse mês, durante uma visita oficial à Grã-Bretanha e fora do protocolo previsto, esteve em visita ao concessionário Hispano Suiza em Londres. Recorde-se que Alfonso XIII era um bom cliente da marca e seu melhor promotor.

O Black Bess original

Em 1995, tivemos a oportunidade de revisar em Paris o arquivo pessoal de Senhora Françoise Massuger-Bigant, filha de Louis Massuger, engenheiro de testes da La Hispano Suiza na França desde 1914. Entre muitas outras coisas de grande interesse, encontramos a curiosa fotografia de um hispânico Alfonso XIII muito semelhante ao de Lord Exmouth, que não tinha nenhuma nota no verso, mas oferecia dois elementos realmente surpreendentes: nome gata negra escrito no capô e uma garota ao volante mal alto o suficiente para ver por cima do motor, mas, sim, vestindo uma roupa de piloto completa.

A Black Bess original, uma AG Brown HS Alfonso XIII. 1912

A carroceria, sem dúvida das mesmas oficinas de TH Gill e praticamente idêntica à de Lord Exmouth, dataria a foto de 1912. Quem poderia ser aquele jovem motorista? Procurando algumas pistas nos arquivos de Brooklands e depois de informações importantes de Ébé Bugatti sobre Ivy Cummings, Finalmente conseguimos encontrar uma fotografia de Ivy aos 19 ou 20 anos, quando ela já corria sozinha. Era uma foto tirada em abril de 1920 ao volante de um Vauxhall, acompanhado de sua mãe. 

Graças a esta segunda foto pudemos confirmar que Ivy Cummings era a mesma pessoa sentada ao volante do Hispano Black Bess em 1912.

Ivy Cummings em Hispano Suiza
Ivy Cummings com a mãe ao volante de um Vauxhall. 1920

Amarrando as cordas de um puro-sangue

Para confirmar a identificação, foi necessário encontrar uma correspondência na participação de SG Cummings, o que justificou a presença de sua filha no circuito, em um evento em que também havia um hispânico presente. E o encontramos em 1912, quando é registrada a participação de SG Cummings com sua SCAR e a de AG Brown com um hispânico Alfonso XIII. 

É perfeitamente imaginável que o revendedor oficial da marca havia feito uma preparação especial do primeiro HS registrado em Brooklands, pintado de preto e batizado de gata negra (Negra Isabelita), a égua veloz do bandido inglês Dick Turpin. Esta Black Bess seguiu a tradição da época de nomear carros Brooklands; como o Fiat Mephistopheles, o Vauxhall KN (Cayenne), o Sumbean Nautilus e os vários Chitty Bang Bang specials do Conde Zborowski.

Mas gata negra É um nome feminino, Bess vem de Beth, de Elisabeth; é muito provável que com esse nome AG Brown quisesse insistir que era um carro feito na França, onde o carro é feminino.

Cummings de hera
Ivy Cummings olha para o motor de seu Bugatti Black Bess. 1923

Apenas 11 anos Cummings de hera Ela já era uma conhecedora especialista em carros de corrida e suas mecânicas, tudo aprendido com o lado de seu pai em Brooklands. Fica então perfeitamente claro que Quando Ivy via aquele novíssimo Hispano Suiza, uma marca totalmente desconhecida para ela, com um nome tão evocativo quanto Black Bess, ela fazia o possível para sentar ao volante e imaginar a sensação de dirigi-lo. E por muitos anos ele manteria a memória daquele carro de corrida então fora de alcance. Felizmente alguém imortalizou aquele momento mágico com uma fotografia, hoje documento único de grande valor histórico.

O que aconteceu com aquele hispânico?

Certamente a jovem Ivy sonhou muitas vezes com o Hispano Black Bess de 1912, até dez anos depois, quando em 1922 finalmente teve seu próprio carro - o Bugatti Tipo 18 Garros -, sem pensar duas vezes batizou-o com aquele nome que durante anos acariciado na memória. Seu Bugatti, já de quarta mão, agora seria seu Black Bess. Nada mais se sabe sobre o original Hispano Suiza Black Bess, provavelmente foi vendido com outra carroceria para um dos muitos clientes que os carros esportivos Alfonso XIII tinham na Inglaterra.

O Bugatti Black Bess foi restaurado ao status de competição na década de 70 por seu nono proprietário, Peter Hampton. Em setembro de 1991 ele esteve presente em Paris para o primeiro retorno da marca com o supercarro Bugatti EB-110.

Em 2005 esteve em Inglaterra o Bugatti Black Bess, propriedade de David Heimann, que demonstrou grande interesse pela nossa investigação e a quem agradecemos as informações prestadas.

O que você acha?

Manuel Lage

Escrito por Manuel Lage

Manuel Lage Marco é natural de Rábade (Lugo), 1949. É Doutor em Engenharia Industrial pela ETS II de Bilbau e Madrid, e Engenheiro Engenheiro pela École Supérieure des Moteurs de Paris. Desenvolveu toda a sua carreira profissional no setor automotivo na Chrysler Espanha, Pegaso e Iveco; na Espanha, Reino Unido e Itália. É co-fundador e secretário geral da Associação Espanhola de Profissionais Automotivos (ASEPA) e professor dos Mestrados Automotivos do INSIA e da UEM. Como historiador do automóvel na Espanha, é autor de vários livros de pesquisa.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores