in

Os tesouros dos amigos do EMT

Este mês apresento-vos a colecção da Associação dos Amigos da Empresa Municipal de Transportes e Autocarros de Madrid. Embora não seja aberto ao público em geral, uma visita pode ser agendada através do seu clube de veículos vintage, com o objetivo de vivenciar um dia de convivência e troca de impressões com os fãs desses clássicos pesos pesados.

A sede da Associação está localizada no Centro de Operações Fuencarral, localizado na rua Mauricio Legendre em Madrid. As suas instalações, cedidas pela Empresa Municipal de Transportes - EMT-, foram renovadas no seu interior como se fosse um autocarro histórico.

Está decorado com maquetes, paragens antigas, canceladores de bilhetes de diferentes épocas, bilhetes de todas as fases da empresa e, sobretudo, fotografias de autocarros, eléctricos e vagões de metro nos quais se reflecte a evolução e desenvolvimento do transporte público madrilenho.

Existem pessoas de todas as idades e estilos de vida, incluindo trabalhadores de empresas dispostos a dar uma recepção calorosa e ter uma boa conversa sobre as máquinas e suas experiências ao trabalhar com elas.

Ponto de ônibus especial durante a Copa do Mundo de 1982
Ponto de ônibus especial durante a Copa do Mundo de 1982

Depois de ter visto o material gráfico, começa a parte mais emocionante da visita: contemplar os veículos históricos e até subir e passear pelo local neles. Um microônibus Sava Pegaso de meados dos anos 70 nos espera na porta das instalações.Lembro de ter visto um deles ainda criança circulando pela Gran Vía; na verdade, eles percorreram a rota Callao - Barrio del Pilar.

Além de seu tamanho pequeno, eles também chamaram a atenção por sua cor amarela característica em uma época em que os ônibus "normais" eram azuis e brancos, embora alguns Pegaso 6050 vermelhos já estivessem começando a circular; e por ser um pequeno “luxo”, com ar condicionado - impensável até os anos 80 - e bancos estofados macios. Além disso, o preço da passagem era um pouco mais caro do que o dos ônibus comuns. Este modelo foi retirado de serviço no início dos anos 80.

A unidade recuperada pela Associação encontrava-se na Galiza, onde se transformara em veículo de autoescola e encontrava-se em péssimo estado. Uma restauração meticulosa o restaurou ao esplendor de outrora. Como curiosidade, foi possível entrar em contato com o mesmo estofador que vestiu originalmente aquela série, e que ainda tinha um lote do tecido original. Na década de 70, trabalhar para a frota EMT foi uma de suas primeiras atribuições importantes. Agora, coincidindo com sua aposentadoria, ele voltou a cuidar de um dos ônibus desde o início.

O Minibus dos anos 70: um serviço luxuoso e caro, de Callao ao Barrio del Pilar
O Minibus dos anos 70: um serviço luxuoso e caro, de Callao ao Barrio del Pilar

O microônibus nos leva a um antigo depósito onde ficam os principais veículos da coleção. A porta desliza ... Entre a penumbra de dentro e os raios de sol que entram pelas claraboias no teto, uma atmosfera mágica especial é percebida. Imponente, e quase com a majestade de um dinossauro, um ônibus de dois andares se destaca dos demais: Ele é um Guy Aralac dos anos 40.

Até o início dos anos 60, esses tipos de ônibus circulavam em Madrid. Hoje sua propaganda de uma bebida alcoólica é chocante - já que a lei atual proíbe propagandas de álcool e tabaco - e curiosa alguns detalhes como os cartazes de "Assento reservado para cavaleiros mutilados". Infelizmente, muitas pessoas ainda sofreram com as consequências da Guerra Civil. Os assentos de madeira e o teto baixo têm seu charme, o que o obriga a se agachar.

É impressionante a estreita cabine do motorista dominada por um enorme volante em uma posição praticamente horizontal - ainda não havia direção hidráulica - separado da área de passageiros; porque lembre-se que, antes, os ônibus tinham condutor. A principal dificuldade deste veículo é a sua manutenção e afinação, uma vez que praticamente não existem peças sobressalentes e por isso algumas peças do motor tiveram que ser substituídas por outras não originais que influenciam no comportamento.

Publicidade, no Guy Aralac
Publicidade, no Guy Aralac

[su_note note_color = »# f4f4f4 ″]

Uma restauração um tanto difícil

Além disso, A restauração de um Leyland que foi encontrado em Barcelona nas mãos de um colecionador foi recentemente concluído. Pouco restava de sua condição original, mas o corpo estava completo. O trabalho foi um pouco árduo e quase se poderia escrever um livro com a história: na sua transferência para Madrid na carroceria de um gôndola, perto de Saragoça, a altura do veículo foi mal calculada ao passar por baixo de uma ponte e ... o chão! acima foi quebrado!

Felizmente, a transportadora assumiu os custos da reparação numa indústria automóvel de Fuenlabrada -também em Madrid-, onde se efectuou quase todo o restauro.

Quando o ônibus acabado era para ser entregue à Associação, chegando à sua sede, outro incidente com uma ponte obrigou a um recomeço! Hoje ele finalmente está em casa, e possivelmente é a joia da coleção, que em breve poderá ser admirada no que será o novo Museu EMT.

[/ su_note]

Leyland em fase de restauração em Fuenlabrada
O Leyland em fase de restauração em Fuenlabrada

[su_note note_color = »# f4f4f4 ″]

Damos um salto no tempo e estamos em 1980, em relação a um Pegaso 6038 que atendeu entre 1985 e 1998. Esse modelo de ônibus foi introduzido na frota da EMT em 1980, com a intenção de substituir o Pegaso 6050.

Ao todo foram 884 exemplares como esse na empresa -os últimos com caixa automática-, formando uma frota quase totalmente unificada. A partir de 1993, com o comissionamento dos primeiros ônibus de piso rebaixado da série 7000, o MAN NL202, começou a retirada do 6038.

Tras su baja comercial, dos fueron los que la EMT preservó como patrimonio histórico del transporte, los números 708 y 1007, este último elegido por haber sido prototipo en un intento de instalar aire acondicionado en este tipo de vehículo, único de la serie que lo levava. Quando sua vida útil terminou, ele se tornou um carro prático para o vestibular da EMT Madrid. Posteriormente, foi preservado e renumerado com seu decalque original. Foi o primeiro ônibus preservado pela Associação e pela EMT.

[/ su_note]

Dos anos 70 aos 90
Pegaso 6038, 5317 e 6035. Dos anos 70 aos 90

[su_note note_color = »# f4f4f4 ″]

Além disso, dentro do navio, vemos modelos mais modernos, como o já citado primeiro piso baixo DAF - Mas já se passaram mais de 20 anos desde que foram colocados em circulação ?! -, ou raridades como dois protótipos recentes de ônibus a hidrogênio, capazes de transformar esse gás em eletricidade por meio do sistema de "célula a combustível" e, portanto, operar com motor elétrico, que se tornou veículos inviáveis ​​devido à dispendiosa distribuição do referido combustível. Hoje é impossível fazer circular, são totalmente inúteis, embora sejam novos!

A pesquisa no desenvolvimento e uso de energia alternativa em seus veículos sempre foi importante na EMT. Embora a tentativa de usar o hidrogênio tenha fracassado em última análise, a frota tem ônibus elétricos há mais de 10 anos, vários protótipos rodam a biodiesel e os carros a gás natural funcionam com sucesso há quase 20 anos.

Também podemos ver no navio um Iveco do primeiro. Esses ônibus voltaram a ser azuis e brancos na década de 90, já que o vermelho era dominante desde meados da década de 70 e até recentemente.

[/ su_note]

Segundo protótipo de hidrogênio
Segundo protótipo de hidrogênio

[su_note note_color = »# f4f4f4 ″]

Entre os modelos mais atuais destaca-se, pelo seu tamanho, um MAN NL313 F - Hispano Habit de 15 metros e três eixos. Esta curta série teve apenas 6 unidades que serviram na linha Aeroporto de fevereiro de 2001 a janeiro de 2011. Graças às suas grandes dimensões e maior capacidade de passageiros, ofereceram maior conforto, acrescido de seus assentos acolchoados e uma área especial para colocação de malas. Externamente, a cor azul os diferenciava dos demais ônibus da linha regular.

[/ su_note]

A lagarta

Embarcamos no Pegaso 6038, que nos leva a outro ponto do site da EMT onde nos espera uma nova joia: o articulado Pegaso 6035 A, popularmente conhecido como Lagarta. Na realidade, é um ônibus urbano de Barcelona de uma troca entre a UAB em Barcelona e a EMT em Madrid. Daí o seu registro, embora para exposições apareça a placa “EMT-0001” na foto. Foi recuperado e restaurado tal como o foram as 6035 unidades da Oruga de Madrid, uma vez que, infelizmente, todas estas foram destruídas nos ferros-velhos.

Circularam pela capital entre 1967 e 1983, principalmente nas linhas de maior demanda, como 27, 30, 51, 61, 70 e outras. Precisamente isso lhe rendeu o apelido popular de "vassoura", por ir varrendo as longas filas de pessoas que se acumulavam nas paradas.

Junto com ele, também nos espera um Pegaso 5317: um curioso modelo dos anos 80 de uma série especial que é muito mais luxuosa que os demais ônibus da época. Para começar, é tricolor: amarelo, branco e verde. Seu interior é quase mais típico de um ônibus do que de um ônibus, com os bancos estofados em verde, e é um dos primeiros a ter ar condicionado de série. Com ele vivemos a curiosa experiência de passar por um lava-jato especial para ônibus, o que não é feito todos os dias!

associação_amigos_emt_09
associação_amigos_emt_14

Lagarta Pégaso e 5317: Os anos não passam em vão para os interiores

O último veículo incorporado aos já preservados é o Pegaso 6035. Esta unidade prestava serviço em Valladolid desde 1972 e, deste modelo, a EMT contava com 415 unidades que entraram em circulação de 1971 a 1974. 3 portas e durante sua vida útil foram reformadas nas Oficinas de Fuencarral com o objetivo de cancelar a porta traseira, pintando-as com faixa vermelha e transformando-as em Agente Único. Saíram da fábrica apenas 7 cópias com duas portas.

Depois de darmos algumas voltas nos velhos ônibus, voltando no tempo, voltamos às instalações da Associação para nos despedirmos. É um pouco estranho perceber que esses veículos antigos nos levaram recentemente ao colégio, depois à universidade e ao trabalho, e aos cinemas da Gran Vía nos fins de semana ... Como é possível que o Pegasus vermelho já tenha 28! Anos? ! Fazem parte do nosso quotidiano, das nossas histórias pessoais e da paisagem urbana da minha amada Madrid.

Nota: Este artigo reúne a experiência de minha visita há apenas um ano por meio da Associação de Amigos da Ford Capri, a convite de meu bom amigo e também colaborador de A Escuderia Alberto Ferreras, das quais as conversas mantidas com quem naquele dia foi nosso guia são uma parte importante: Guillermo Deike. Aliás, ele me confirmou a boa notícia de que o Museu EMT será uma realidade muito em breve, desta vez aberto ao público. Obrigado a vocês dois!

Para agendar visitas, o navegador pode entrar em contato com a Associação pelo site aemtbus.org

 

Continue Galeria de fotos…

O que você acha?

Miguel Ángel Vázquez

Escrito por Miguel Ángel Vázquez

Miguel Ángel Vázquez, é licenciado em Comunicação Audiovisual pela Universidade Europeia de Madrid e mestre em Dublagem, Tradução e Legendagem (UEM). Sou fã de automobilismo desde criança, mas minha conexão, digamos "profissional" com veículos clássicos começou ... Veja mais

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores