cristais laminados
in

Eu amoEu amo

Conheça a história da laminação de vidros. Uma invenção de quase 70 anos

Quando pensamos em instalar vidro laminado em carros, costumamos consertar a memória nos anos oitenta e noventa. Aqueles em que os ecos de Koenig Specials ressoaram da Alemanha, incitando todo um jovem a afinar que viu nas modificações tão vistosas quanto ineficazes a virtude do automobilismo. Porém, a verdade é que os cristais laminados vêem sua origem em um contexto muito diferente: aquele da época de ouro dos grandes nomes de Detroit. Já na década de XNUMX, quando surgiram os automóveis mais espetaculares da história dos Estados Unidos.

Longe de equipar o Opel Calibras em estacionamentos discotecas, o vidro laminado foi montado pela primeira vez em Chevrolet, Buick ou Cadillac no final dos anos XNUMX. Uma panóplia de grandes marcas que, aliás, se estendeu ao memorável Packard, absorvido daqueles da gigante General Motors, que ofereceu o EZ-Eye Safety Glass como uma opção em todos os modelos de suas subsidiárias.

Enorme, com fácil acesso à cabine e um passeio simples e relaxante, os grandes americanos do momento não economizaram na introdução de extras para uma viagem. "Sala de estar com rodas". Algo em que o vidro laminado se encaixe perfeitamente, pois permite um ambiente mais refrescante para os passageiros, libertando-os da exposição direta ao sol que, ao longo de longas rodovias como a Rota 66, poderia fazer até os mais experientes acabarem com uma eventual insolação. Uma primeira vantagem que estendeu o uso do EZ-Eye Safety Glass a milhares de carros da atualidade.

LAMINADO DAS LUAS NOS CINQUENTA. NÃO APENAS PROTEÇÃO SOLAR

A proteção do sol é a primeira vantagem óbvia. No entanto, a instalação do laminado de vidro na década de XNUMX não foi feita apenas por conveniência. Na verdade, isso foi feito principalmente para segurança. Algo que está marcado no nome da subsidiária que produziu as placas para a General Motors: EZ-Eye Safety Glass. Um fornecedor em Toledo, Ohio, de olho na segurança por vários motivos. O primeiro tem a ver com a grande quantidade de ofuscamento responsável por muitos acidentes. Na verdade, muitas das folhas não eram totalmente envidraçadas, mas apenas colocadas em cima para evitar a falta de visibilidade produzida por um ponto de luz na posição oposta.

O segundo tem a ver com a segurança em caso de quebra do vidro. Algo que, felizmente, temos vindo a esquecer graças aos avanços na segurança, mas daqueles foi um verdadeiro pesadelo em caso de acidente. E é que muitos passageiros foram decapitados por grandes pedaços de vidro que agiam como uma guilhotina. Estatística escabrosa acompanhada de outra que atuou em longo prazo, já que casos de morte por câncer foram registrados anos depois de acidentes em que dezenas de pequenos cacos de vidro se alojaram sob a pele dos feridos.

Lembretes de refrigeração da necessidade de melhorar a segurança contra quebra de vidro. Algo que o laminado de vidro estava envolvido na vedação do vidro, fazendo com que quebrem de forma controlada, longe de expulsar com força centenas de pequenos estilhaços ou grandes pedaços de perfil afiado. Casos tão sangrentos que o próprio Perry Mason foi contratado para promover o EZ-Eye Safety Glass ao lado de sua secretária Della Street e do detetive de homicídios Arthur Tragg. Todos os personagens da popular série de detetives baseada nos romances de Stanley Gardner.

SETENTA ANOS APÓS O VIDRO DE SEGURANÇA EZ-EYE

“EZ-Eye tem uma composição química especial que filtra uma alta porcentagem da radiação solar, dando à lua de segurança uma bela tonalidade azul esverdeada, evitando que o calor seja lançado sobre você. É o melhor depois do ar condicionado ”. Foi assim que o laminado de vidro foi anunciado na década de XNUMX, insistindo na resistência à luz solar, mas também na segurança. Vantagens desses filmes feitos de substrato de poliéster, que são diferentes do vidro colorido, já que este último vem inteiro enquanto o laminado se baseia na aderência desse extra à lua.

Um acréscimo que, ao longo das décadas, foi ganhando espaço a ponto de ser comum na maioria dos carros de série. Algo influenciado por outra vantagem não mencionada até agora: a privacidade. Que se, sempre tendo em mente que a lei proíbe laminar o para-brisa e as janelas laterais. Lacunas onde, apesar da passagem do sol sem filtro, não entra o suficiente para anular a queda de temperatura produzida no interior do veículo graças aos vidros laminados. Outra vantagem, já que desta forma os plásticos e estofamento do carro tenderão a uma melhor conservação.

Uma série de características que, embora muitos os chamem de novatos e, portanto, distantes do mundo dos clássicos, eles são, na verdade, uma atualização já instalada maciçamente nos carros da General Motors há quase 70 anos. Você sabe, até o criminoso astuto de Los Angeles os usava.

Fotografias: EZ-Eye.

O que você acha?

A Escuderia

Escrito por A Escuderia

'La Escudería' é a primeira revista digital hispânica dedicada a veículos antigos. Damos todo o tipo de máquinas que se movem por si: De automóveis a tratores, de motocicletas a ônibus e caminhões, de preferência movidos a combustíveis fósseis ...

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores