in

Eu amoEu amo

Goodwood Revival 2021. As melhores peças únicas de corrida

Com rapidez, ultrapassagens e até acidentes, foram apresentadas as corridas Goodwood Revival 2021. Uma das marcações fundamentais no calendário dos clássicos mundiais, onde pudemos ver muitas raridades do mundo das competições. Fazemos uma seleção das mais interessantes das fotografias do nosso colega Unai Ona.

Fotografias: Unai Ona

Muitas vezes, para começarmos a falar sobre um determinado tempo e lugar temos que fazê-lo em coordenadas muito distantes. É por isso que nosso artigo sobre Goodwood Revival 2021 não começa entre Portsmouth e Brighton durante as tardes amenas que o verão termina. Mas em um dos hangares do aeroporto de Buenos Aires por volta de 12 de setembro. De lá veio uma série de fotos mostrando o Mercedes 300 SL de Fangio embarcando para Londres. Segundo todos os boatos, sua partida não terá retorno ao Fundação Fangio em Balcarce, já que os últimos filhos do piloto reconhecido pela justiça procuram comprador para o 300 SL.

Um Hardtop conversível que a Mercedes deu a El Chueco depois que ele visitou a fábrica de Stuttgart nas costas de um Lancia. A partir de então, esse veículo foi tão utilizado por Fangio no seu dia-a-dia que ele pode até ser visto em um video famoso onde vai testar um Maserati F1 de 1957. Por isso o guardou até ser depositado no museu argentino onde se encontram vários carros de sua carreira profissional e pessoal. Uma história de exposição que pode ter terminado neste Goodwood Revival 2021, já que o seu embarque no evento foi feito com o intuito de seduzir um colecionador.

Jackie Stewart com um dos filhos de Moss e a Mille Miglia 300 SLR 1955. À esquerda, Damon Hill

Uma operação comercial feita com tanto tato que, infelizmente, não conseguimos vislumbrar suas linhas terminadas em tons de azul sedoso. No entanto, a figura de Fangio esteve presente no Goodwood Revival 2021 graças à memória dos tempos em que era companheiro de equipa de Stirling Moss na Mercedes. Marca que participou oficialmente em a homenagem ao piloto britânico que morreu em 2020 aos 90 anos. Uma lenda do carro esportivo muito próximo de Goodwood, onde dirigiu em várias ocasiões alguns dos modelos com os quais fez história durante os anos cinquenta. Nesse sentido, a Mercedes-Benz Classic substituiu o 300 SLR pelo número 722 de seu museu na Alemanha.

W196 R com o qual Moss foi vice-campeão na F1 em 1955

Um dos veículos essenciais não só na corrida britânica, mas também na própria história do automobilismo. Vencedor da Mille Miglia de 1955. Estabelecendo um dos mais incríveis recordes de velocidade do momento com seus 157'56 km / h pelas estradas sinuosas da Toscana e Lombardia. Além disso, outro veículo trazido pela Mercedes também esteve presente nos boxes para completar o volante dos grandes pilotos. Falamos da monolugar W196 R com número 10. Apenas aquele com o qual Moss foi vice-campeão no campeonato de F1 de 1955, seu companheiro de equipe Fangio conquistando o título de pilotos com outro W196.

MOTORES DE CORRIDA BRITÂNICOS. EXCEDENDO O LIMITE DE RUÍDO

Com a permissão da Itália, a Inglaterra é o território natural de pequenas equipes de competição. Sempre comandada por mecânicos e engenheiros tão ousados ​​quanto independentes, signatários de marcas como Lotus, Cosworth ou Lister. Nomes que levantam qualquer fã de corrida do sofá, evocando um mundo de motores feitos à mão e peças levadas ao limite. Exatamente o que a British Racing Motors tem feito desde o final da Segunda Guerra Mundial. Uma das pequenas equipes britânicas dedicadas à resistência e F1, que também tentou construir seus próprios motores com resultados tão incríveis como o P15 V16.

Um carro de F1 que neste 2021 comemorou suas sete décadas de vida em Goodwood apresentando o projeto das três cópias que a BRM já oferece. Não é uma tarefa fácil agora este carro movido por um motor de 16 cilindros a 135º tem cerca de 36.000 peças para serem montadas. Tudo isso para produzir um dos monolugares favoritos de Fangio, que se surpreendeu com seus quase 600 CV a 12.000 rpm. Números surpreendentes até hoje. Onde os testes do motor nas réplicas ultrapassam o limite de 95 decibéis registrado pela legislação britânica, fazendo com que nas amostras por onde passe, não possa ultrapassar 9.000 voltas.

BRM P15 V16. Um dos sons mais brutais da F1

Além disso, esta equipa que viveu o seu momento de glória em 1962 graças ao duplo título em construtores e pilotos com Graham Hill recebeu uma interessante homenagem com a presença de alguns dos seus mais notáveis ​​Protótipos Desportivos. Situação que permitiu uma fantástica caminhada noturna pelos poços, onde um barchetta Willment-BRM, tem Mirage-BRM M2 Gulf Racing e o incrível BRM-Chevrolet P154. Em relação ao segundo, simplesmente ver as cores azul e laranja do Golfo nos leva de volta à idade de ouro das corridas de resistência. Um fato que se confirma quando analisamos seu motor V12 de três litros. Uma virgindade artesanal com 418CV da qual apenas três unidades foram feitas.

É muito especial ver esses modelos BRM como este

Em relação ao terceiro, devemos reconhecer a sensação da CanAm em relação à força de seus participantes. E é que Usando como base um Chevrolet V8 atmosférico de 7'6 litros, os BRM alcançaram 760CV Dirigido pelo mexicano Pedro Rodríguez de la Vega - vencedor em Le Mans em 1968 com um GT40 - antes de morrer nas 200 milhas de Norisring a bordo de uma Ferrari 512M. Muito respeito aos engenheiros e motoristas é evocado por este veículo cujo motorista no Goodwood Revival 2021 usou um capacete com o sobrenome Rodríguez como uma homenagem.

TRAVADO COM OUTRO. A INFIDELIDADE DE JAMES COTTINGHAM

Dentro de todas as oficinas dedicadas à restauração de modelos Ferrari, possivelmente é DK Engineering o mais prestigioso ou menos conhecido. Prova disso é o seu catálogo de viaturas em oferta, bem como os seus serviços de competição alicerçados numa história de décadas. De fato, a empresa já está na segunda geração. Com James Cottingham no comando atuando como "Cavalheiro de corrida"; gerenciando sua oficina nos dias de semana para ir ao circuito nos feriados. Um hobby que ele repetiu no Goodwood Revival 2021, embora em uma montaria inesperada.

Ferrari 500 TRC de David Cottingham

Então, quando analisamos as Ferraris na pista, tudo parecia normal quando se tratava da DK Engineering. Estando no Goodwood dedicado aos clássicos de décadas atrás, obviamente não vimos seus 550 Le Mans GTS retumbantes e nenhum dos F40s de corrida restaurados por eles. No entanto, o selo amarelo do 500 TRC de 1957 com quem David Cottingham, pai e fundador da empresa, costuma competir. Porém, a surpresa apareceu ao contemplar a linha de largada do Troféu Sussex notamos um Tojeiro-Jaguar.

Um dos carros mais interessantes entre todos os criados por John Tojeiro. O designer de chassis que estava por trás do Ac Ace do qual o Cobra foi derivado, bem como um dos primeiros a experimentar os benefícios do motor central graças ao seu Ecurie Ecosse Tojeiro de 1962. Tudo isso após a criação em 1959 este híbrido com seu próprio chassi e motor retirado do Jaguar do D-Type. Cujo cilindro de seis em linha é montado aqui na versão de três litros alimentado por três carburadores Weber. Lembre-se, ajuste para uma compressão tão alta que causou rachaduras na junta do cabeçote. Razão pela qual ele abandonou a corrida para a qual foi projetado após 11 horas: Le Mans 1959.

Tojiero-Jaguar de James Cottingham (18) ao lado de Lister Knobbly (33)

Uma peça única no estilo do fantástico Líster-Maserati. O que não vimos neste Goodwood Revival de 2021. No entanto, no show de carros pré-corrida, o Tojeiro-Jaguar estava ao lado um dos raros Lister "Knobbly"Jaguar construído. Uma das melhores criações desta equipe afinada pelo falecido piloto Archie Scott-Brown. Além disso, é a mesma unidade com o número 33 que em 2018 deu um recital de ultrapassagem para ganhar o Troféu Sussex daquele Goodwood. Sem dúvida um dos veículos mais interessantes das corridas deste ano.

CHOQUES E MOTORES AMERICANOS

Embora este ano tenha havido até um show de Hot Rod, a verdade é que as pistas de Goodwood parecem casar muito melhor com o automobilismo europeu. No entanto, a presença de modelos americanos foi notável desta vez. Não tanto pelo número quanto pela visibilidade, que foi esmagadora para os Ford GT40s inscritos no Troféu Whitsun. Bastante paradoxo, uma vez que o GT40 com o número 24 foi literalmente esmagado por um Lola que o atropelou. Acidente em que o americano perdeu um portão, todos vindo da faixa que sofreram na saída de uma curva.

Um momento bastante vistoso. No entanto, não foi a colisão mais tensa, já que em outra corrida a colisão entre dois E-Type fez várias rodas pularem, nem mesmo atingindo vários oficiais da pista. Gajes do comércio que, felizmente, não ameaçava a segurança dos espectadores. Na verdade, a única coisa realmente agressiva em relação a eles era o som dos motores. Fato que neste caso se torna uma virtude ao invés de um problema, como pôde ser visto ao observar o Thunderbird vencedor do Troféu de Santa Maria.

Veículo imponente e pesado na melhor tradição dos grandes anos cinquenta americanos. O que é mais previsível em um conversível em uma estrada costeira tranquila do que acelerar no circuito. No entanto, seu motor V8 claramente aprimorado e alterado parecia imponente até o primeiro lugar em um troféu superado em número pelos Austin A40s. Utilidade sem lugar na corrida onde o Sport Prototype estava concentrado, vencida por um Lotus-Ford 30. Um dos híbridos transatlânticos mais interessantes neste Goodwood Revival de 2021, graças à união da sutileza do Lotus com a força bruta de seu motor Ford.

Lotus-Ford 30 lutando para a vitória com vários Ford GT40s

Um carro desenhado por Colin Chapman exibindo um bom chassis e um peso reduzido ao qual foi incorporado o mesmo Ford V8 de 4'7 usado para desenvolver o GT40s. Uma mistura de resultados virtuosos quando não quebrou. E é que observando as crônicas do momento observa-se a tendência do mesmo de não terminar as carreiras devido a multidão de avarias. Claro, quando tudo funcionava em sua posição o Lotus 30 com motor Ford foi um dos carros mais rápidos e intratáveis. Felizmente, neste Goodwood Revival 2021, seu desempenho foi perfeito, oferecendo um espetáculo formidável perante os amantes das corridas de resistência reunidos ali.

O PEQUENO PARA O FIM

Durante séculos, as visões mais pessimistas da vida afirmaram que a vida é um absurdo transcendente e infinito, onde sempre se anseia pelo que não se tem. Nesse sentido, após o desperdício de potência exibido pelos seis na linha da Jaguar, V8 da Ford, V12 Ferrari e até V16 BRM fomos cativados por três pequenos modelos com motores de quatro e dois cilindros. Quantidades decrescentes que, em termos de rodas, somam apenas três em uma delas. No entanto, começaremos com aquele com o menor número de cilindros.

Neste caso, estamos falando do BMW 700 RS. Derivado de Veículo utilitário 700 desenhado por Michelotti em 1959 com a corrida de ascensão em mente. Um tipo de competição onde obteve sucessos como a vitória no Campeonato Alemão de Mountain Touring Car. Um feito que ele alcançou não só graças à sua potência aprimorada até 70CV, mas principalmente à sua peso de apenas 650 quilos. Uma raridade de 700cc - seu bimotor vem do ramo dos motociclistas da casa da Baviera - que hoje encanta quem valoriza a relação peso / potência e as sensações ao volante.

Adicionando dois cilindros, mas abaixando uma roda, encontramos um Bug de ligação da Reliant Motor Company. O triciclo futurista fabricado entre 1970 e 1974 com apenas 394 quilos e um motor de quatro cilindros de 700 cc. Resultado de uma época em que a indústria automotiva não estava apenas aberta a uma revolução estética completa, mas também mecânica, testando novas soluções de mobilidade como esta. Um modelo que com certeza deve ter uma condução interessante, principalmente nas versões mais potentes de até 32CV.

Por último nesta revisão do pequeno no último Goodwood Revival, encontramos um SEAT 850 de quatro portas. Registrado com placa inglesa, mas ainda retendo até mesmo um escudo RACE nas costas. Uma maneira próxima de encerrar esta revisão. Muito mais fácil do que passar por uma das barracas com veículos à venda para descobrir o que realmente seria adequado neste ambiente onde ocorreu a Batalha da Grã-Bretanha. UMA Supermarine Spitfire com motor Rolls-Royce Merlin de 12 cilindros e 27 litros. Enfim, talvez seja mais um ano.

Fotografias: Unai Ona

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores