in

BMW Série 7 767iL «Goldfish». 16 cilindros e sem tronco

FOTOS BMW SERIE7 767iL «GOLDFISH»: BMW GROUP CLASSIC

25 anos atrás, havia um pequeno tanque de peixes na garagem. Nela tínhamos dois peixes. Um deles era um Carassius Auratus, que disse que parecia algum tipo de animal exótico. Nada está mais longe da realidade. Na verdade é conhecido como "Goldfish" o "peixe dourado"; o bicho mais comum em qualquer aquário administrado por uma criança. O que não havia era o Protótipo BMW com o mesmo nome. E que eles compartilhavam a mesma característica: seu enorme apetite.

No caso do peixe, o apetite era por comida. Ele engoliu irracionalmente. Se você colocasse mais da conta, em vez de deixá-la flutuando, ela a comeria mecanicamente. Então, um dia ele morreu porque seu estômago estourou. Com ele BMW 7 Series 767 iL"Goldfish" o problema era semelhante. E é que seus 16 cilindros demandam em média 17 litros na cidade, 12 a 120 km / he quase 20 se você carregá-lo com alegria em uma Autobahn, terreno para o qual foi projetado.

Com esses dados, os gerentes de Munique decidiram encerrar o projeto fazendo com que ele nunca chegasse à série. E é uma pena, porque a verdade é que o BMW Série 7 767 iL "Goldfish" é uma loucura maravilhosa. Loucura por todas as modificações exigidas por seus quatro cilindros extras em comparação com o Series7 de fábrica. Mas maravilhoso porque este projeto pertence a uma época de boom em que até protótipos como este davam sinais de se tornar realidade.

BMW SERIES7 767iL “GOLDFISH”. 16 CILINDROS PARA UM PROJETO DE RISCO

Em 1987, os engenheiros da BMW apresentaram algo muito especial: o Motor M70. O primeiro V12 da história da marca, e nem mais nem menos do que a base para o S70 que anos então ele iria dirigir o McLaren F1. Uma engenhosidade excepcional de 6 litros de alumínio, dos quais se extraíram 6 a 295 CV dependendo da versão. Com essas credenciais, é lógico que o M573 era o coração do sedã BMW topo de linha da época: o Série 70 de segunda geração, conhecido como E7.

O responsável pela maquete foi Hanns-Peter Weisbarth, que saudou o lançamento de uma versão ainda mais aprimorada do 7 Series. É por isso que ele começou a conversar com Karlhienz Lange, um dos engenheiros responsáveis ​​pelo desenvolvimento do motor. E rapaz, foi daí que surgiu a ideia de adicionar dois cilindros a cada uma das duas bancadas do M70 para criar uma versão absolutamente inesperada do 7 Series. Isso sim, Como convencer os gestores de sua viabilidade comercial? Bem, muito simples: seria apresentado como um modelo para viajar na Autobahn com uma grande velocidade de cruzeiro.

BMW 7 Series 767iL V16

E tome cuidado, porque esse ponto de vista comercial condicionou seriamente a afinação do BMW Série 7 767iL. No final do dia, não se tratava de usar toda essa potência para fazer do Série 7 um carro esportivo no estilo do Mercedes 300 SEL 6.8 AMG, mas sim de dirigir confortavelmente com um mudança automática civilizada de cinco relações. Assim, os engenheiros começaram a trabalhar no protótipo respeitando essas coordenadas. Mas o enorme V16 respeitaria as limitações do 7 Series?

DIMENSÕES CONDIÇÕES DE PROJETO HETERODOXO

Com quase 30 centímetros a mais que o V12 de fábrica, o V16 projetado para o BMW Série 7 767iL "Goldfish" mal cabia em seu buraco. Na verdade, para encaixá-lo, não havia escolha a não ser remover o radiador da posição dianteira para trazê-lo para trás. Além dos problemas colocados por tal arranjo atípico, a verdade é que colocando uma boa parte do sistema de refrigeração ali comeu todo o tronco. Um problema terminal se falarmos de um sedã e não de um carro esportivo de competição.

cilindro bmw 7 série 16

Para canalizar o ar até esse ponto, a carroceria do BMW Série 7 767iL incluía duas curiosas entradas de ar que não são comuns em veículos desse tipo. Algumas fotos que, justamente pelo aspecto atrevido, fizeram o carro receber o apelido aquático. Porém, além desses primeiros problemas os benefícios foram impressionantes: 408CV em comparação com 300 do 750i. Claro, tão impressionante quanto difícil era encontrar uma solução para o problema do porta-malas. E isso por não lembrar dos consumos que discutimos no início.

Problemas que até mesmo um sistema eletrônico capaz de lidar com o V16 como se fossem dois motores de oito em linha poderia resolver. Assim as coisas, em 1988, a BMW decidiu arquivar o projeto da série 7iL 767 "peixe-dourado". E é que, nesta vida, a sobrevivência não consiste apenas em saber encontrar uma fonte de energia, mas também em utilizá-la racionalmente. E isso vale para peixes e bares de luxo.

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

50.6kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores