mazda luce coupé rotativo
in

Mazda Luce. As razões para um japonês baseado em designs de Bertone

O Japão foi, durante séculos, um país hermético para estrangeiros. Remoto e misterioso, o arquipélago do Sol Nascente desenvolveu uma estética completamente diferente da ocidental. E é que, Enquanto na Europa os volumes geométricos foram impostos ao ambiente natural, celebrando assim o domínio da natureza pelo homem, no Japão as linhas de edifícios e utensílios seguiram as do próprio lugar.. Assim, embora os ocidentais tenham sido educados em uma estética de linhas dominantes, os japoneses veem como natural a simbiose entre forma e função, objeto e contexto.

Um conceito perfeitamente capturado no ensaio de 1933 Em Louvor das Sombras, onde Junichiro Tanizaki analisa como na Europa a beleza sempre nasceu da luz, enquanto no Japão o opaco e o escuro encontraram uma função elegante na arquitetura. Sempre orgânico, cheio de espaços escuros isolados. Uma tradição que também impregnou sua literatura, na qual podemos encontrar os ambientes serenos descritos por Kawabata ou Soseki. De fato, a influência desses postulados estéticos foi de tal magnitude que, com total naturalidade, foram incorporados ao automobilismo após a segunda guerra mundial..

Uma filosofia de design em que a Mazda se destacou, cujos corpos são frequentemente marcados pela fluidez inspirada na mudança da forma da água. Conceito que a marca acaba de renovar com o design Kodo, que desde 2010 marca as principais linhas da empresa. Não obstante, há décadas seus engenheiros já trabalham sob o lema de Jinba Ittai. Um antigo preceito do arco e flecha a cavalo, que afirma que o cavaleiro e a montaria devem ser um. Apenas a ideia subjacente ao comportamento requintado de veículos como o Miata. Algumas características que, apesar de seu caráter estritamente japonês, foram influenciadas por Giorgetto Giugiaro nos anos sessenta.

MAZDA LUCE. NADA PROVÁVEL PARA A LANCIA DO MOMENTO

As razões pelas quais o Japão foi um país tão hermético durante séculos são muitas. Geografia, conflitos internos, crenças religiosas ... Uma série de fatores que embalaram suas ilhas ao som de seus próprios rumores, incapazes de assumir facilmente a influência vinda do exterior. Um fato bem coletado em filmes como Silêncio, onde Martin Scorsese reflete as dificuldades colocadas em qualquer ideia nascida além das fronteiras nacionais. No entanto, depois da Segunda Guerra Mundial, tudo mudou. Derrotado e ferido em seu orgulhoso nacionalismo, responsável por milhões de assassinatos na Ásia e no Pacífico, O Japão não encontra outra saída senão se abrir docilmente para o Ocidente.

Assim, as empresas automobilísticas japonesas iniciam uma longa jornada pela qual vão desde a fabricação de micro-carros até a produção de incríveis carros esportivos como o Toyota 2000GT. Um caminho pelo qual uma indústria com capacidade de exportar com sucesso para os mercados internacionais está se estabelecendo. Essa conquista é confirmada pela presença -especialmente nos Estados Unidos- de carros como o Datsun 240Z ou o Mazda Cosmo Sport. No entanto, esse processo de crescimento está baseado em veículos fabricados exclusivamente para o mercado nacional. Um campo de testes onde marcas como a Mazda incorporaram elementos ocidentais de forma experimental.

Uma tendência interessante, em que se destaca o Mazda Luce da primeira série. Introduzido em 1966, seu design sempre nos impressionou como o mais italiano, com uma grelha muito parecida com a do Lancia Fulvia 1963 para ser uma coincidência.

Uma intuição confirmada quando, pesquisando entre os desenhos de Giorgetto Giugiaro, encontramos sua autoria datada de 1965. Segunda etapa da colaboração com a Mazda que começou dois anos antes com o desenho do Familia, e plenamente consolidada com a apresentação em 1969 do Mazda Luce Rotary Coupe. Um carro esportivo com motor rotativo tributário nos moldes do Lancia Fulvia e Flaminia GT.

HIDEYUKI MIYAKAWA. O ELO INESPERADO ENTRE A ITÁLIA E O JAPÃO

Neste momento, os leitores mais experientes estarão pensando que Giugiaro não projetou o Fulvia. Informação mais precisa, já que eram funcionários da Lancia Antonio Fessia e Pietro Castagnero. No entanto, o jovem Giugiaro estava em sua órbita, já estabelecido como uma referência após assinar o Alfa Romeo Giulia Sprint GT para Bertone em 1963. Um carro esportivo com o qual o Mazda Luce compartilha claramente as linhas longitudinais que elevam os lados da frente. Linhas usadas posteriormente no Mazda, exatamente como a grade Fulvia ou o lado limpo do Flaminia, com a ausência de um pilar B.

Mas neste ponto a questão é clara. Qual foi a conexão entre os designers italianos e a Mazda? Ainda mais quando descobrimos em seus arquivos como ela reconhece ter tomado os designs italianos de Bertone como base para o Luce. O ponto-chave é chamado Hideyuki Miyawaka. Lançado com apenas 22 anos em uma viagem de motocicleta ao redor do mundo, este jovem designer de automóveis pára no Salão do Automóvel de Torino em 1960.

De lá, envia crônicas à imprensa automobilística japonesa, dando a notícia de seu encontro com personalidades como Giogetto Giugiaro. No entanto, a pessoa mais importante que Hideyuko encontrará neste evento será Maria Luisa Bassano. Tradutor no espaço que a Mazda preparou no Salão Automóvel de Turim, este italiano acaba casando com o nosso intrépido japonês em 1962.

Neste ponto, Hideyuki Miyawaka encontra em seu casamento o motivo para se estabelecer na Itália. Claro, não deixando para trás sua carreira de designer, já que colaborou com Giugiaro na criação da Italdesign em 1968. Uma relação frutífera desde o primeiro momento, desde Graças à intercessão de Hideyuko, o designer italiano conseguiu trabalhar para a Mazda. Claro, reciclando -como vimos- não são poucos os elementos de modelos nunca comercializados no Japão, como o Lancia Fulvia ou o Alfa Romeo Giulia Bertone. Um pecado original que se perdoa depois de ver o que, para o autor dessas linhas, é a melhor criação dessa inesperada conexão Itália-Japão: o Mazda Luce Rotary Coupe 1969.

Um carro fascinante desenhado por Giugiaro para a casa de Bertone, equipado com um mecânico Wankel que analisaremos em artigo futuro com dados confirmados pelo Programa de Restauração da Mazda, que recuperou uma unidade em 2017.

PS: Maria Luisa Bassano e Hideyuki Miyakawa ainda estão casados ​​e felizes, possuindo um adega na cidade italiana de Bulichella.

Fotografias: Programa de Restauração da Mazda, Bertone, casal Bassano-Miyakawa.

O que você acha?

Miguel Sánchez

Escrito por Miguel Sánchez

Através das notícias de La Escudería, percorreremos as sinuosas estradas de Maranello ouvindo o rugido do V12 italiano; Percorreremos a Rota 66 em busca da potência dos grandes motores americanos; vamos nos perder nas estreitas pistas inglesas rastreando a elegância de seus carros esportivos; aceleraremos a frenagem nas curvas do Rally de Monte Carlo e até ficaremos empoeirados em uma garagem resgatando joias perdidas.

Comentários

Assine o boletim informativo

Uma vez por mês em seu correio.

Muito obrigado! Não se esqueça de confirmar sua inscrição através do e-mail que acabamos de enviar.

Algo deu errado. Por favor, tente novamente.

51.1kfãs
1.7kSeguidores
2.4kSeguidores
3.2kSeguidores